Curiosidades

Por que a Mona Lisa é tão famosa?

Para entender por que a Mona Lisa continua sendo uma das obras mais icônicas do mundo, precisamos examinar sua história misteriosa.

Por Equipe Editorial - março 31, 2021
1259 0
Pinterest LinkedIn

A Mona Lisa é, talvez, a obra de arte mais conhecida do mundo. Mas você já se perguntou por que ela é tão famosa? Há várias razões por trás da fama deste trabalho e, combinadas, elas criam uma história fascinante que sobreviveu através dos tempos.

Para entender por que a Mona Lisa continua sendo uma das imagens mais icônicas do mundo da arte, precisamos examinar sua história misteriosa, tentativas de roubo famosas e técnicas artísticas inovadoras.


As origens da obra

A Mona Lisa foi pintada ao longo de vários anos por Leonardo da Vinci, tendo início em 1500.

LEONARDO-DA-VINCI copy
Possível retrato de Leonardo Da Vinci

Ao contrário de muitas obras de arte da época, a Mona Lisa não foi pintada em tela, mas sim num painel de madeira de álamo.

Embora isso possa parecer estranho, lembre-se de que Leonardo foi um escultor e artista que pintou em grandes paredes de gesso ao longo de grande parte de sua carreira, portanto, um painel de madeira provavelmente não seria muito difícil para ele.

Acredita-se, geralmente, que a pintura retrate Lisa Gherardini, esposa de um rico comerciante de seda chamado Francesco del Giocondo.

Um título alternativo da obra é La Giaconda. Acredita-se que Giocondo encomendou a pintura para comemorar o nascimento do segundo filho do casal.

Ao longo dos anos, surgiram teorias de que Lisa Gherardini não era a modelo dessa pintura.

Há muitas especulações de que a mulher misteriosa na imagem poderia ser uma das doze nobres italianas da época. Existe até uma teoria popular de que a Mona Lisa é uma versão feminina do próprio Leonardo.

No entanto, uma nota escrita em 1503 por Agostino Vespucci, um funcionário italiano que era assistente de Nicolau Maquiavel, indica que Leonardo realmente estava trabalhando numa pintura da esposa de Giocondo.

Em geral, os historiadores da arte concordam que a Mona Lisa é Lisa Gherardini.

Os estudiosos também concordam que Leonardo criou mais de uma versão da Mona Lisa. Além da comissão de Giocondo, provavelmente havia um segundo comissionado por Giuliano de Medici em 1513. Acredita-se que a versão Medici seja a que está hoje no Louvre.

Ao contrário de algumas obras de arte do século XVI, a Mona Lisa é um retrato muito realista de um ser humano muito real. Alicja Zelazko, da Encyclopedia Britannica, atribui isso à habilidade de Leonardo com o pincel e ao uso de técnicas de arte que eram novas e emocionantes durante o Renascimento. Ela diz:

O rosto suavemente escultural da moça mostra o hábil manuseio de sfumato por Leonardo, uma técnica artística que usa gradações sutis de luz e sombra para modelar a forma e mostra sua compreensão do crânio sob a pele. O véu delicadamente pintado, os cabelos finamente trabalhados e a rendição cuidadosa do tecido dobrado revelam as observações estudadas por Leonardo e a paciência inesgotável.

Além do uso do sfumato, que raramente era feito na época, a mulher do retrato tem uma expressão enigmática no rosto. Ao mesmo tempo distante e sedutor, seu sorriso suave realmente muda, dependendo do ângulo em que o espectador está olhando.

Graças as diferenças na percepção da frequência espacial dentro do olho humano, de um ponto de vista ela parece alegre, e de outro, o espectador não consegue dizer se está feliz ou não.

A Mona Lisa também é o primeiro retrato italiano no qual a imagem é enquadrada em um retrato de meio comprimento, os braços e as mãos da mulher são exibidos sem tocar na moldura.

Mona Lisa
Obra original situada no Museu do Louvre | Foto: JEAN-PIERRE MULLER / AFP

Leonardo não foi o primeiro a criar a aparência de que os olhos estão seguindo as pessoas, mas o efeito está tão intimamente associado à sua habilidade que se tornou conhecido – um tanto incorretamente – como o “Efeito Mona Lisa”.


O grande roubo de Mona Lisa

Durante séculos, a Mona Lisa ficou exposta no Louvre, geralmente despercebida, mas em 21 de agosto de 1911 foi roubada da parede do museu em um assalto que abalou o mundo da arte. O autor Seymour Reit diz:

“Alguém entrou no Salon Carré, tirou-a da parede e saiu com ela! A pintura foi roubada na segunda-feira de manhã, mas o interessante é que ninguém sentiu falta da obra até terça-feira ao meio-dia, quando percebemos que Mona Lisa tinha sumido.”

Depois que o roubo foi descoberto, o Louvre fechou por uma semana para que os investigadores pudessem descobrir o que aconteceu.

Inicialmente, as teorias da conspiração estavam por toda parte: o Louvre havia encenado o assalto como um golpe publicitário; Pablo Picasso estava por trás disso, ou que o poeta francês Guillaume Apollinaire tivesse levado a obra.

Imagens iniciais do Louvre, onde Mona Lisa estava; o roubo de Mona Lisa; funcionários do governo francês do lado de fora (1911)

A polícia francesa culpou o Louvre por negligência na segurança, enquanto o Louvre ridicularizou publicamente as autoridades policiais por não apresentarem pistas.

Após passar mais de dois anos, no final de 1913, um negociante de arte florentino chamado Alfredo Geri recebeu uma carta de um homem que alegou ter a pintura. Geri contatou imediatamente a polícia, que logo prendeu Vincenzo Peruggia, um carpinteiro italiano que trabalhava no Louvre no momento do roubo.

Peruggia admitiu que ele simplesmente havia retirado a obra-prima dos quatro ganchos nos quais estava pendurada, enfiou-a sob o seu uniforme e saiu pela porta da frente do Louvre (o quadro possui dimensões pequenas: 77 cm x 53 cm).

A Mona Lisa foi encontrada escondida em segurança nos apartamentos de Peruggia, a poucos quarteirões do museu.


Transforme - Banner Instaarts

Peruggia disse que roubou a pintura porque ela deveria pertencer a um museu italiano e não a um francês.

Também havia rumores de que ele roubou a obra para realizar cópias falsificadas e vender no mercado negro.

Mona Lisa
Registro policial de Vincenzo Peruggia, 1909

Depois que a Mona Lisa foi devolvida ao Louvre, os franceses compareceram em massa para vê-la, e logo, o mesmo aconteceu com pessoas do mundo inteiro.

A pintura pequena e simples de uma mulher, talvez sorridente, havia se tornado uma sensação da noite para o dia e se tornaria a obra de arte mais famosa do mundo.

Desde o roubo de 1913, a Mona Lisa tem sido alvo de outras atividades. Em 1956, alguém jogou ácido na pintura e, em outro ataque no mesmo ano, uma pedra foi lançada contra ela, causando um pequeno dano no cotovelo esquerdo da mulher retratada.

Em 2009, um turista russo jogou uma caneca de terracota na pintura. Nenhum dano foi causado, porque Mona Lisa está atrás de vidro à prova de balas há várias décadas.


O Rosto Mais Famoso do Mundo

A Mona Lisa influenciou inúmeros pintores, dos contemporâneos de Leonardo aos artistas de hoje. Nos séculos após a sua criação, foi copiada milhares de vezes por artistas de todo o mundo.

Marcel_Duchamp,_1919,_L.H.O.O.Q
Marcel Duchamp | 1919 | L.H.O.O.Q

Marcel Duchamp pegou um cartão postal de Mona Lisa e acrescentou um bigode e cavanhaque; Andy Warhol e Salvador Dali, também pintaram suas próprias versões dela. Diversas outras releituras foram criadas em torno da obra.

Embora seja impossível colocar um valor em dólares em uma pintura de 500 anos, estima-se que a Mona Lisa valha quase US$ 1 bilhão.


Amplie - Banner Instaarts

Veja também:


Não foi possível salvar sua inscrição. Por favor, tente novamente.
Sua inscrição foi bem sucedida.

Você quer receber informações sobre cultura, eventos e mercado de arte?


Selecione abaixo o perfil que você mais se identifica 

(Atenção: Os e-mails podem ir para sua caixa de promoções)


Fontes:

Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários