artes tradicionais

Moça com Brinco de Pérola | Entenda os detalhes por trás da obra

Conhecida como a “Mona Lisa do Norte”, esta pintura representa o melhor da arte holandesa.

Por Equipe Editorial - janeiro 2, 2020
990 1
Pinterest LinkedIn

No século XVII, a Holanda experimentou um período de prosperidade artística, conhecido como Era de Ouro holandesa. Durante essa época, artistas esclarecidos encontraram inspiração nas técnicas de pintura do Renascimento do Norte, culminando em obras como Moça com Brinco de Pérola, de Johannes Vermeer.

Conhecida como a “Mona Lisa do Norte”, esta pintura representa o melhor da arte holandesa. Também envolta em mistério (muito parecido com a obra de Leonardo da Vinci), ela se tornou uma das pinturas mais amadas da história da arte.


Contexto de produção da obra

Especializado em pintura de gênero – um tipo de arte que emprega cenas da vida cotidiana como tema -, o artista holandês Johannes Vermeer é conhecido por suas representações da contemporânea Delft, uma cidade na Holanda onde nasceu, viveu e morreu. Especificamente, ele é conhecido por suas representações de interiores domésticos e retratos de mulheres.

Johannes Vermeer. A Leiteira (1657) | Rijksmuseum, Amesterdã
Johannes Vermeer. A Leiteira (1657) | Rijksmuseum, Amesterdã.
Via Google Arts & Culture

Vermeer pintou Menina com brinco de pérola por volta de 1665. É uma das 35 pinturas atribuídas ao pintor, que teve um sucesso moderado durante sua vida.

Junto a pintura retratada acima (A Leiteira), A Garota com um brinco de pérola é a obra de arte mais conhecida da Vermeer. No entanto, sua fama internacional apenas se deu no final do século XX, quando o quadro foi apresentado em uma exposição especial, “Johannes Vermeer”, na Galeria Nacional de Arte de Washington, DC.


Análise técnica da obra

A garota com brinco de pérola demonstra as técnicas avançadas de pintura que Vermeer possuía – especificamente sua abordagem à luz, cores e pinceladas.

Luz

Johannes Vermeer. Moça com Brinco de Pérola (ca. 1665) Créditos: Mauritshuits via Wiki Art

O pintor é conhecido por sua capacidade de criar contornos e formas usando luzes em vez de linhas. Essa abordagem distinta da modelagem é particularmente evidente no rosto da figura, que o artista elaborou em planos de luz e sombra. Para alcançar essa estética, Johannes seguiu uma meticulosa técnica de quatro etapas, popular entre os artistas do século XVII.

Primeiro, ele “inventava” ou criava um desenho inicial na tela. Depois, ele fazia uma pintura monocromática – uma técnica conhecida como “coloração morta”. Em seguida, acrescentava cor. E, finalmente, para tornar a obra excepcionalmente luminosa, ele aplicava uma fina camada de esmalte em certas partes da pintura. Uma restauração recente revelou que ele vitrificou duas áreas de Garota com um brinco de pérola: a seção azul do turbante e todo o fundo.


Cor

Johannes Vermeer. Moça com Brinco de Pérola (ca. 1665) Créditos: Mauritshuits via Wiki Art

Além do tratamento exclusivo da luz pelo artista, temos também a demonstração de seu amor pela cor – especialmente o azul ultramarino. Essa tinta é feita de pigmento derivado da lazurita, um mineral encontrado na pedra lápis-lazúli.


Pinceladas

Johannes Vermeer. Moça com Brinco de Pérola (ca. 1665) Créditos: Mauritshuits via Wiki Art

Para apreciar a impressionante pincelada da Vermeer, basta olhar para um detalhe em Garota com brinco de pérola: o próprio brinco. À distância, essa grande peça de joalheria parece renderizada em detalhes requintados. Após uma inspeção mais detalhada, no entanto, é evidente que ele é composto de apenas alguns traços simples que sugerem surpreendentemente a forma e o brilho de uma pérola.


O legado da Moça com Brinco de Pérola

Photo: Sailko via Wiki Art (CC BY 3.0)
Foto: Sailko via Wiki Art (CC BY 3.0)

Hoje, a Garota com Brinco de Pérola continua sendo uma das pinturas mais famosas do mundo. Além de seu contexto fascinante e estética atraente, a obra é realçada pelo mistério que a cerca.

“A garota com brinco de pérola está bem ali – não há nada entre ela e nós. Ela tem essa qualidade mágica de ser incrivelmente aberta e misteriosa ao mesmo tempo – e é isso que a torna tão atraente” ressalta Tracy Chevalier, autora do romance histórico mais vendido do New York Times.


Veja também


Não foi possível salvar sua inscrição. Por favor, tente novamente.
Sua inscrição foi bem sucedida.

Você quer receber informações sobre cultura, eventos e mercado de arte?


Selecione abaixo o perfil que você mais se identifica 

(Atenção: Os e-mails podem ir para sua caixa de promoções)


Fontes

Inscrever
Notificar de
guest
1 Comentário
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários
Tatiana
Tatiana
4 meses atrás

Adorei saber mais sobre esta obra…ajudaram-me muito para o meu trabalho de História da Cultura e das Artes obrigada…mas podiam ter dito que o brinco de pérola é só uma ilusão ótica…mas sem ser isso adorei o trabalho obrigada pela ajuda