Artista da Semana

Diego Rivera: o líder do Renascimento Mural Mexicano

Pioneiro do cubismo que promoveu a arte pela arte, Diego Rivera se tornou um dos líderes do Renascimento Mural Mexicano.

Por Equipe Editorial - dezembro 9, 2019
170 0
Pinterest LinkedIn

Diego Rivera, nome derivado de Diego María Concepción Juan Nepomuceno Estanislaire de Rivera e Barrientos Acosta y Rodríguez, nasceu dia 8 de dezembro de 1886, em Guanajuato, México, e faleceu em 25 de novembro de 1957, na Cidade do México.

Seus pais eram ambos professores, sua mãe era uma mestiça católica devota (parte europeia, parte indiana) e seu pai, um liberal (mexicano de ascendência europeia).

O talento artístico excepcional de Diego era óbvio para seus pais desde muito novo, e eles reservaram um quarto na casa para ele, no qual ele pintou seus primeiros “murais” nas paredes.

Quando Diego tinha seis anos, sua família mudou-se de Guanajuato para a Cidade do México, para evitar as tensões causadas pelo papel de seu pai como co-editor do jornal da oposição El Democrata. Uma vez na Cidade do México, sua mãe decidiu enviar Diego para o Colégio Católico Carpantier.


Como Diego Rivera iniciou no mundo da arte

Quando Rivera tinha 10 anos, uma bolsa de estudos do governo permitiu que ele estudasse arte na Academia de San Carlos, na Cidade do México, onde recebeu treinamento modelado em academias europeias conservadoras. Um de seus professores de pintura estudou com Ingres e outro exigia que Rivera copiasse a escultura clássica.

Diego Rivera
Diego Rivera

Treinado em técnicas tradicionais de perspectiva, cor e método de ar comprimido, Rivera também recebeu instruções de Gerardo Murillo, uma das forças ideológicas por trás da revolução artística mexicana e um firme defensor do artesanato indígena e da cultura mexicana. Com o apoio de Murillo, Rivera recebeu uma bolsa de viagem para a Europa em 1906.

Diego também estudou na Espanha, e lá aprendeu o trabalho de El Greco, Velázquez, Goya e os mestres flamengos que ele viu no Museu do Prado, o que lhe proporcionou uma base sólida para sua pintura posterior.

No estúdio do pintor realista espanhol Eduardo Chicharro, Rivera conheceu as principais figuras da vanguarda de Madri, incluindo o poeta Dadá Ramon Gomez de la Serna e o escritor Ramon Valle-Inclan.

Em 1909 se estabeleceu em Paris, onde se tornou amigo de Pablo Picasso, Georges Braque e outros pintores modernos importantes. Por volta de 1917, ele abandonou o estilo cubista e aproximou-se do pós-impressionismo de Paul Cézanne, adotando uma linguagem visual de formas simplificadas e áreas de cores arrojadas.


Rivera voltou ao México em 1921, depois de se encontrar com o pintor mexicano David Alfaro Siqueiros. Ambos procuraram criar uma nova arte nacional sobre temas revolucionários que decorariam edifícios públicos após a Revolução Mexicana. Ao retornar ao México, Rivera pintou seu primeiro mural importante, Creation, para o Auditório Bolívar da Escola Nacional de Preparação da Cidade do México.

Em 1923, ele começou a pintar as paredes do prédio do Ministério da Educação Pública na Cidade do México, trabalhando em afrescos e completando a comissão em 1930. Esses afrescos enormes, representando a agricultura, indústria e cultura mexicanas, refletiam um assunto genuinamente nativo e marcavam o surgimento do estilo maduro de Rivera.


Surgimento de um novo estilo

Diego definia suas figuras humanas sólidas e um pouco estilizadas por contornos precisos, e não por modelagem interna. As figuras achatadas e simplificadas eram colocadas em espaços rasos, cheios de gente e animadas com cores vivas e ousadas. Os índios, camponeses, conquistadores e operários representados combinavam monumentalidade de forma com um humor lírico e às vezes melancólico.

creation-1923
Diego Rivera | Creation, 1923

O próximo trabalho importante de Rivera foi um ciclo de afrescos em uma antiga capela no que hoje é a Escola Nacional de Agricultura de Chapingo (1926-1927). Seus afrescos contrastavam cenas de fertilidade natural e harmonia entre os índios pré-colombianos com cenas de sua escravização e brutalização pelos conquistadores espanhóis.

Os murais de Rivera no Palácio Cortés em Cuernavaca (1930) e no Palácio Nacional na Cidade do México (1930–35) retrataram vários aspectos da história mexicana em um estilo narrativo mais didático.

Além de seus murais espalhados pela cidade do México, Rivera esteve nos Estados Unidos entre 1930 e 1934, onde pintou murais para a Escola de Belas Artes da Califórnia em San Francisco (1931), o Instituto de Artes de Detroit (1932) e o Centro Rockefeller em Nova York (1933).

O homem pintado por ele no afresco da Crossroads no Centro Rockefeller ofendeu os patrocinadores porque a figura de Vladimir Lenin estava na foto; o trabalho foi destruído pelo Centro, mas mais tarde foi reproduzido por Rivera no Palácio de Belas Artes da Cidade do México, e mesmo com a destruição, Rivera se tornou um artista influente nos USA.

Diego-Rivera
Diego Rivera | Detalhe do centro de “Man, Controller of the Universe”, México 1934. Recriação de “Man in the Crossroads” no Rockefeller Center, NYC

Depois de retornar ao México, Rivera continuou a pintar murais de qualidade gradualmente em declínio. Seu mural mais ambicioso e gigantesco, um épico da história do México para o Palácio Nacional, na Cidade do México, ficou inacabado quando ele morreu.


A influência de Diego Rivera nos artistas americanos

A influência de Rivera nos artistas americanos continuou ao longo dos anos 30, através da agência da seção mural do Projeto Federal de Arte, chamado WPA (Works Progress Administration). Este projeto, que devia sua criação ao exemplo da encomenda de obras para edifícios públicos pelo governo mexicano, distribuiu aos artistas participantes um manual descrevendo a técnica de afrescos de Rivera.

A popularidade de Rivera com o público americano continuou na década de 1940, mas sua reputação entre críticos de arte e estudiosos diminuiu à medida que o realismo e a ênfase no conteúdo social caíram em desfavor em face de um interesse crescente nos estilos de cubistas, dadá e surrealistas trazidos a este país por artistas europeus que fugiam de Hitler.

Nos últimos quarenta anos, a opinião crítica nos Estados Unidos permaneceu praticamente inalterada: a obra de Rivera e o movimento mural mexicano como um todo foram caracterizados como motivados politicamente, estilisticamente retrógrados e isolados historicamente.

Diego Rivera | Pan American Unity, 1940

Além disso, os estudiosos mexicanos enfatizam tradicionalmente os ideais revolucionários e o conteúdo didático manifestado nos murais de Rivera no México, exaltando assim os aspectos de seu trabalho que carregaram conotação negativa nos Estados Unidos.


A influência de Rivera no México

No México, o trabalho de Rivera é sinônimo de ideais institucionalizados da Revolução Mexicana, que promoveram a cultura indígena com exclusão da influência estrangeira.

Como consequência, no México, o vasto corpo de literatura publicada sobre Rivera se concentrou em seus murais mexicanos, enquanto pouca atenção foi dada ao seu trabalho nos Estados Unidos e Europa ou às pinturas e desenhos de cavaletes.

As próprias declarações de Rivera apoiam essa visão de sua arte como um esforço único e indígena a serviço dos ideais revolucionários. Em sua autobiografia, “My Art, My Life”, seus anos em Paris e sua permanência na Itália são reconhecidos como preparação para a criação de novos murais revolucionários, mas ele caracterizou a formação de seu estilo mural como espontaneamente gerado pela cultura mexicana indígena:

Minha volta ao lar produziu uma alegria estética que é impossível descrever. Era como se eu estivesse nascendo de novo, nascido em um mundo novo… eu estava no centro do mundo plástico, onde formas e cores existiam em absoluta pureza. Em tudo, vi uma obra-prima em potencial – as multidões, os mercados, os festivais, os batalhões, os trabalhadores da loja e dos campos – em todas as faces brilhantes, em todas as crianças luminosas… Meu estilo nasceu como as crianças são nascidas, em um momento, exceto que esse nascimento ocorreu após uma torturante gravidez de trinta e cinco anos.

Embora esteja claro que as principais realizações da carreira de Rivera foram seus vastos programas murais no México e nos Estados Unidos, a tendência de estudiosos e críticos de limitar sua perspectiva e se concentrar apenas nessas obras serviu para ofuscar suas realizações gerais como artista.


Veja também


Você quer receber e-books, informações sobre cursos, palestras e mercado de arte?


Fontes:

Deixe um comentário

avatar
  Inscrever  
Notificar de