Artista da Semana

Julio Le Parc, a arte como uma atitude política

Por Equipe Editorial - novembro 24, 2019
4798 1
Pinterest LinkedIn

Julio Le Parc Nasceu em 1928, em Mendoza, Argentina, e radicado em Paris desde 1958, Julio Le Parc é um dos nomes-chaves da arte contemporânea, um dos pioneiros da arte cinética.  

A alegria e o caráter lúdico, aspectos marcantes da obra de Le Parc, são uma afirmação política, e tornam seu trabalho universal. 

image_875

Para ele, é importante “conectar as pessoas em uma relação direta com as coisas e, dentro disso, ver pessoas de recursos limitados, que se subordinam em sua vida social, em seu trabalho e sua família, visitando uma exposição e recuperando um pouco de energia, otimismo e, depois, dizendo: ‘Esta exposição me fez me sentir bem’, com sorte poderão agir de outra maneira em outra frente de sua vida com essa energia ganha. Se um espectador percebe que é levado em consideração pelas obras expostas, que lhe oferecem algo, talvez possa dizer depois: ‘Por que em outros lugares eu não recebo isto?’ Pode começar a imaginar se há pessoas que funcionam como ele, ou unir-se a grupos que tentam analisar a situação geral de uma sociedade, do comportamento do governo, dos partidos políticos”.

8506379955_1122e1d162_b

Leia o extrato da entrevista ” Le Parc ” gravada em 1967:

Poderia nos explicar o valor dada normalmente ao trabalho em si pelo efeito de comunicação que ele pode ter?

Há pouca preocupação em estabelecer valores , isto é , eles são modismos adotados pela sociedade e que portanto não deverão durar muito tempo.

Queremos melhorar continuamente, porém os únicos beneficiários são aqueles que detêm o poder, seja político, social ou cultural. É uma maneira de diferenciar entre aqueles que podem desenvolver e os que não podem , entre o que é valorizado e o que não é , entre aqueles que são capazes de apreciar uma obra de arte e aqueles que não o são.

Mas, a partir de uma dada realidade, isso é uma posição falsa , isto é , as exigências são criadas de modo para a diferença existir. Mas, basicamente , uma pintura feita com algumas manchas é apenas isso, manchas feitas sobre tela .

dsc0187_0

Mas gostamos de criar histórias sobre as obras de arte, de modo que os espectadores poderão apreciar , são obrigados a passar por uma série de situações, como saber como as manchas foram feitas, quais são seus sentidos, de que maneira elas foram distribuídos pela tela, como foram escolhidas as cores.

E uma vez que se ganha algum conhecimento – e, geralmente, é preferível que esse conhecimento não seja  muito extenso , caso contrário, a mistificação da obra de arte se quebra – o espectador passa a ser parte do grupo “os amantes das artes “,  fazem parte de uma elite . Uma elite que, na realidade , não entende a arte alem de jogar com ela.

Que nova relação artista-sociedade você espera criar?

Os artistas que mantém e continuam a reproduzir os padrões da sociedade, mesmo que muitas vezes se tenha lançando provocações, devem se conformar com o fato de que eles nunca alterão a ordem social.

Nós vemos o artista em uma posição privilegiada , isto é , como indivíduos super- especiais com uma atividade bem definida .

E isso enaltece um conjunto de valores e diferenças que continuarão existindo. Isso quer dizer que, se a sociedade aceita a existência de uma pessoa super-especial nomeado artista , não é por acaso que também aceita outros tipos de indivíduos, também especiais, de caráter geral , cardeais, empresários, indústrias ou pessoas que têm o poder de determinar o comportamento dos outros .

dsc0208_1

É irônico que os artistas, de certa maneira, são incorporados nesta sociedade, assim como um inspetor de polícia. Na verdade , o artista involuntariamente encorajar este jogo de valores, mantendo o seu status privilegiado.

8415781825_b0e7610ed8_z

E é assim que todos os outros privilegiados , se desejarem, são facilmente aceitos pelo artista , assim como todas as outras  coisas que mantém esta situação.

2180-13

É necessário se despir de todos mitos e de qualquer conhecimento a priori para conseguir compreender as coisas …

Naturalmente. É o que nunca tentamos fazer, afinal toda a educação impede … Outro dia alguém me disse que em um momento a arte foi concebida como manifestação da busca da beleza e que mais recentemente, tornou-se a busca da verdade .

Julio-Le-Parc
Julio Le Parc

Talvez pudéssemos dizer que algumas das tendências atuais artísticas buscam pela ação. Sem a pretensão de ser verdade ou beleza, estas tendências  procuram participar de uma ação que pode mudar determinada situação, provocando a mudança e abrindo novas perspectivas para o homem em relação aos outros homens, parando de fingir ser exclusivo, acessível apenas por meios especiais.

2183-07

Extrato : ” Le Parc ” entrevista gravada em 1967 , documentação e textos compilados pela Dujovne Marta e Marta Gil Sola. Ed Estuário , Buenos Aires

Não foi possível salvar sua inscrição. Por favor, tente novamente.
Sua inscrição foi bem sucedida.

Você quer receber informações sobre cultura, eventos e mercado de arte?

Selecione abaixo o perfil que você mais se identifica.

Inscrever
Notificar de
guest
1 Comentário
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários
trackback
Julio Le Parc: arte como laboratório social — Artsy People
1 ano atrás