Cinema

“Fragmentado”, um filme de Shyamalan que surpreende | SEM SPOILER

Por Rafael Poffo - março 27, 2017
12344 0
Pinterest LinkedIn

M. Night Shyamalan, após ter lançado seu excepcional O Sexto Sentido (1999), conseguiu o grande destaque nos holofotes de Hollywood, sendo comparado até mesmo com Spielberg e outros grandes gênios do cinema.

A partir de então, seus admiradores foram presenteados com filmes maravilhosos como Corpo Fechado (2000), Sinais (2001) e, após algum tempo, A Vila (2004). A partir daí, a carreira do diretor passou a ficar um pouco conturbada, em um leve declínio. A Dama Na Água (2006) já começou a dividir opiniões em relação ao quão incrível o nosso querido Shyamalan poderia ser.

Mas então, o pior aconteceu. Após alguns filmes que nem merecem ser citados, foram lançados O Último Mestre Do Ar (2010) e Depois Da Terra (2013), fazendo com que grande parte dos seus fãs chegassem a conclusão de que ele havia gastado todo seu talento no começo da carreira.

Nem preciso dizer que estavam enganados. A Visita (2015) foi um filme que a crítica e os fãs do diretor aceitaram melhor do que suas últimas obras, mas parece que ele estava apenas preparando o palco para o maravilhoso Fragmentado, no original, Split.

O filme aborda três garotas que foram sequestradas por um sujeito que possui Transtorno Dissociativo de Identidade, onde vinte e três personalidades diferentes habitam a mente do personagem que foi brilhantemente executado por James McAvoy, muito conhecido por seus recentes filmes dos X-Men. No elenco, contamos também com Anya Taylor Joy, que brilhou em seu papel em A Bruxa (2015), que fez com que Shyamalan a chamasse para seu filme sem qualquer teste.

Fragmentado funciona como os bons e adorados filmes do começo da carreira de Shyamalan. Com apenas 9 milhões de dólares em caixa, o diretor conseguiu construir uma história tensa, dramática e repleta de suspense, onde o ritmo cresce de forma intensa e quase ininterrupta.

A narrativa segue de forma simples e bem estruturada, onde os três atos do filme são densos e consistentes. O corte do filme funciona de maneira impecável, com pontuadíssimos flashbacks da vida de personagens, enquanto a tensão do filme vez por outra é quebrado por pequenas pitadas de alívio cômico, mas nada que destoa muito do tom assustador do filme. A curva dramática no terceiro ato é incrivelmente apreensiva, onde grandes revelações ocorrem, como é de se costume nos grandes filmes de Shyamalan. Mike Gioulakis, o diretor de fotografia do filme coloca o expectador dentro do quarto onde as garotas estão presas, usando truques de câmera para criar ambientes claustrofóbicos, mas não muito escuros ou tenebrosos.

O ponto alto está na forma como o sequestrador é enquadrado nas câmeras, dando mais individualidade para cada personalidade do sujeito, em takes fechados e muitas vezes extremamente próximos de seu rosto, onde podemos ver como suas expressões e olhares são únicos. James McAvoy entrega um personagem extremamente crível, forte e, em alguns casos, carismático. O modo como sua expressão muda de personalidade para personalidade e como ele consegue agir com pequenos maneirismos diferentes deixarão muitas pessoas frustradas se ele não pelo menos concorrer ao Oscar de melhor ator.

Para os fãs de Shyamalan e de seus primeiros filmes, Fragmentado é um prato cheio. O suspense de O Sexto Sentido, a tensão de Sinais e o trabalhado roteiro de Corpo Fechado se juntam nesse grande filme, que mostra que o diretor, apesar de seus tropeços ao longo da carreira, ainda tem muito a nos mostrar e vai nos surpreender com grandes filmes no futuro.

https://www.youtube.com/watch?v=CWixUrbq6y8

Não foi possível salvar sua inscrição. Por favor, tente novamente.
Sua inscrição foi bem sucedida.

Você quer receber informações sobre cultura, eventos e mercado de arte?

Selecione abaixo o perfil que você mais se identifica.

Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários