Exposições e Eventos

“Brotar no Vazio, Atmosférico Breu” exposição na Galeria NONADA ZS

Ana Matheus Abbade, Alberto da Veiga Guignard e Mira Schendel dialogam sob curadoria de Clarissa Diniz

Por Silvia Balady - junho 5, 2024
18 0
Pinterest LinkedIn

A Galeria NONADA ZS abre a exposição “Brotar no Vazio, Atmosférico Breu”, que reúne um total de 18 obras de Ana Matheus Abbade com trabalhos selecionados de Alberto da Veiga Guignard e Mira Schendel, sob curadoria de Clarissa Diniz. O vernissage será no dia 8 de junho, sábado, das 13h às 17h, e a mostra estará aberta para visitação até o dia 17 de agosto.

“Brotar no Vazio, Atmosférico Breu” é uma oportunidade para explorar a intersecção entre diferentes abordagens artísticas que lidam com materialidade e as obras escolhidas proporcionam uma reflexão sobre a relação entre o visível e o invisível, o tangível e o intangível, trazendo à tona a poética das materialidades efêmeras. Esta proposta viabiliza uma conversa entre os recentes trabalhos de Ana Matheus Abbade, a pintura de Alberto da Veiga Guignard e as monotipias de Mira Schendel. Clarissa Diniz observa que “Abbade e Guignard compartilham o desafio de representar e performar a umidade, a densidade do ar e a opacidade”. Guignard utiliza o gênero da paisagem para explorar “as formas de impregnação e continuidade entre seres, tempos, topografias e atmosferas”, enquanto Ana Matheus Abbade possui uma outra abordagem sobre o tema.

Os desenhos de Ana Matheus Abbade são compostos com carvão, uma matéria seca, mas densa, que aproxima suas obras da pintura. A curadora comenta: “É com essa matéria seca, porém densa, que a artista tem composto desenhos atmosféricos que se aproximam da fatura da pintura, encarando o problema da mancha desde a experiência do pó”. Através de suas séries “Serpentes no Mangue” (2024), “Noturna” (2022) e “Floresta” (2024), Abbade explora a incisão e outras formas de inscrição na superfície. Ela aborda a questão da transição, onde a unha se torna navalha, relacionando o corte à experiência não binária de gênero e suas implicações sociais e políticas diante da cisnormatividade, como exemplificado na fotografia “Unhas rasgarão cidades” (2020). Em suas obras recentes, a incisura fascina a artista como uma perspectiva estética e política diante da matéria do mundo e dos corpos.

A curadora estabelece um paralelo entre Abbade e Schendel, destacando o interesse de ambas pelo caráter gráfico e ontológico das marcas deixadas pela passagem e ação sobre o papel. “Reunidas, Ana Matheus Abbade, Alberto da Veiga Guignard e Mira Schendel habitam o vazio, o ar e a umidade na qual estamos todos imersos. Entre paisagens e monotipias, acariciam suas fugidias materialidades e, assim, dão relevo aos invisíveis que nos cercam e nos constituem”, diz Diniz. Schendel e Abbade produzem rastros na forma de sulcos sutis, através da monotipia ou de desenhos que se avizinham às técnicas da gravura. Estes rastros, nas palavras de Ana Matheus, “medem o mundo à unha, daqui até ali”.

Sobre os artistas

Ana Matheus Abbade – artista fluminense cuja prática artística se concentra no uso do carvão para criar desenhos atmosféricos. Sua obra explora a materialidade do pó, a experiência do vazio e as questões de gênero, especialmente através de incisões e marcas na superfície do papel. Suas séries recentes, como “Serpentes no Mangue” (2024), “Noturna” (2022) e “Floresta” (2024), investigam a relação entre o tangível e o intangível, e a poética das transições materiais.

Galeria NONADA ZS
Ana Matheus Abbade

Alberto da Veiga Guignard (1896-1962) – um renomado pintor brasileiro, reconhecido por suas paisagens líricas e retratos. Sua obra se destaca pela sensibilidade com que representa a atmosfera, a umidade e a densidade do ar. Guignard explorou as interações entre seres, tempos e topografias, utilizando o céu, as nuvens e as montanhas como elementos centrais em suas pinturas, buscando sempre a continuidade entre as diferentes dimensões da paisagem.

Mira Schendel (1919-1988) – artista suíça-brasileira, considerada uma das figuras mais importantes da arte latino-americana do século XX. Conhecida por suas monotipias e desenhos, Schendel explorou o caráter gráfico e ontológico das marcas deixadas pela passagem do tempo e pela ação sobre o papel. Suas obras destacam-se pela sutileza dos sulcos e traços, que frequentemente se aproximam das técnicas da gravura, e pela reflexão profunda sobre a materialidade e a transcendência.

Sobre a Galeria NONADA ZS

NONADA, um neologismo que remete ao não lugar e a não existência. Como o próprio significado de NONADA diz, ela surge com o intuito de suprir lacunas momentâneas, ou permanentes, com um novo conceito. A galeria, inclusiva e não sectária, enquanto agente promotor de encontros e descobertas com anseio pela experimentação, ilustra possibilidades de distanciar-se de rótulos enquanto amplia diálogos. “NONADA é um híbrido que pesquisa, acolhe, expõe e dialoga. Deixa de ser nada e passa a ser essência por acreditar que o mundo precisa de arte… e arte por si só já é lugar”, definem João Paulo, Ludwig, Luiz e Paulo.

A NONADA mostra-se necessária após a constatação, por seus gestores, da imensa quantidade de trabalhos de boa qualidade de artistas estranhos aos circuitos formais e que trabalham com os temas atuais, sem receio nem temor em abordar tópicos políticos, identitários, de gênero ou qualquer outro assunto que esteja na agenda do dia; que seja importante no hoje. “Queremos apresentar de forma plural novos talentos, visões e força criativa”. O processo de maturação da NONADA foi orgânico e plural pois “abrangeu desde nossa experiência como também indicações de artistas, curadores, e de buscas aonde fosse possível achar o que aguardava para ser descoberto”, diz Paulo Azeco. Ludwig Danielian acrescenta: “não queremos levantar bandeiras, rótulos, e sim valorizar a boa arte, que independe de estereótipos. Queremos ter esta proposta de galeria em Copacabana, bairro popular, e na Penha, no subúrbio, na periferia do circuito de arte, para que se leve excelentes trabalhos a todos”.

Serviço

Exposição: Brotar no Vazio, Atmosférico Breu
Artistas: Ana Matheus Abbade, Alberto da Veiga Guignard, Mira Schendel
Curadoria: Clarissa Diniz
Abertura: 8 de junho – sábado – das 13 às 17hs
Período: de 11 de junho a 17 de agosto de 2024
Local: NONADA ZS – @nonada_nada
Endereço: Rua Aires Saldanha, 24 – Copacabana, RJ
Dias e Horários de funcionamento: terça a sexta-feira, das 11h às 19h; sábado, das 11h às 15h

Leia também: Museu do Amanhã, no RJ, lança edital de residência artística

Não foi possível salvar sua inscrição. Por favor, tente novamente.
Sua inscrição foi bem sucedida.

Você quer receber informações sobre cultura, eventos e mercado de arte?

Selecione abaixo o perfil que você mais se identifica.

Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários