Exposições e Eventos

Museu de Arte Brasileira da FAAP abre a exposição “Reverberações Surrealistas” 

Com inspiração no movimento surrealista, exposição na sala Annie Alvares Penteado traz 137 obras de 87 artistas do acervo da instituição. A exposição "Desafio Salvador Dalí", em cartaz no Salão Cultural, também no MAB, acaba de prorrogar o período expositivo

Por Equipe Editorial - julho 5, 2024
21 0
Pinterest LinkedIn

O Museu de Arte Brasileira da FAAP inaugurou a exposição Reverberações Surrealistas no MAB, com 137 obras de 87 artistas que tiveram influência do movimento surrealista. A curadoria é de Laura Rodríguez, coordenadora de acervo do Museu, que apresenta oito núcleos com pinturas, desenhos, gravuras, tridimensionais, fotografias, vídeos do acervo do MAB e cartazes de cinema da coleção da Filmoteca FAAP. A nova abertura dialoga com a exposição Desafio Salvador Dalí, em cartaz também no MAB, que acaba de ser prorrogada até dia 1º de setembro, devido ao sucesso de público.

Inspirações surrealistas no MAB

“O MAB FAAP decidiu esse ano homenagear os 100 anos do Manifesto Surrealista. Além de sediar no Brasil o “Desafio Salvador Dali”, uma mostra abrangente sobre a obra do artista espanhol, apresenta agora uma seleção de obras do seu acervo, que denotam uma influência ou afinidade com esse movimento vasto e importante da história da arte mundial”, afirma a curadora.

Os oito núcleos são: Surrealismo entre os modernistas, Realismo Mágico, Grupo Phases, Paisagens metafísicas, Sonhos e fabulações, Fotografia surreal, Cartazes de cinema surrealista e Ficções contemporâneas. Entre as obras selecionadas encontram-se aquisições recentes, obras inéditas e alguns empréstimos de coleções particulares.

Museu de Arte Brasileira da FAAP
LETÍCIA MARQUEZ – Homo Sapiens, Londrina, 1985

O núcleo Surrealismo entre os modernistas traz obras com algumas características do movimento surrealista como a “decomposição da perspectiva, a fragmentação do olhar, a representação simultânea de um objeto a partir de diversos ângulos, a manifestação do mundo interior, imagens distorcidas do mundo”, conta a curadora. Entre os artistas deste núcleo, estão Tarsila do Amaral, com O sapo, Cícero Dias, com Jogos, Ismael Nery apresentando Adolescente, e Di Cavalcanti, com Composição com figuras e Figuras. Alguns desses artistas estiveram na Europa entre os anos 1920 e 1940, trazendo os ideais do movimento ao Brasil.

O segundo núcleo, Realismo Mágico, refere-se à pintura alemã com características surrealistas. Dentro dele estão obras dos artistas Walter Lewy, Hein Heckroth e Heinz Kühn, alemães que se formaram em seu país na década de 1920. Kühn e Lewy vieram ao Brasil com uma produção “madura de tendência surrealista”. Décadas mais tarde, entre 1960 e 1970, o Realismo Mágico ressurgiu no Brasil fomentado por Wesley Duke Lee, presente na mostra com a obra A Zona: Nois.

O Grupo Phases foi também ligado ao surrealismo, um movimento criado na França nos anos 1950. Chegou ao Brasil na década seguinte, com exposições realizadas no MAC-USP e outras instituições. O grupo defendia a expressão livre e gestos espontâneos associados aos imaginários mágico e folclórico. Além disso, destacavam a produção de crianças, pessoas com doenças mentais, povos não ocidentais e artistas populares. Entre os artistas deste núcleo, estão Fernando Odriozola, Flávio Shiró, Bernardo Cid, Wesley Duke Lee e Bin Kondo.

Leia também: Os 7 mestres do surrealismo para você conhecer!

Paisagens metafísicas, o quarto núcleo expositivo, traz obras que remetem a uma vertente que se desenvolve na década de 1910 com os italianos Giorgio de Chirico e Carlo Carrà. Eles buscam a negação do presente e a criação de outra realidade além da história, em busca da metafísica. As obras do acervo presentes neste núcleo ‘se aproximam formalmente das paisagens metafísicas desses artistas’, afirma Laura. Entre elas estão Jardim submerso de Cecília Suzuki, Cadeira preta de Flavio Bassani. Outras trazem um olhar apocalíptico, evidenciado em Ruínas de Isabel Pons, Monolito, da série Ruptura, de Eduardo Iglesias ou Monumentos para o fim do mundo, de Luiz Paulo Baravelli. Figuras espectrais taciturnas estão presentes nas obras sem título de Lula Cardoso Ayres e Sergio Vaz de Almeida Christovão.

O núcleo Sonhos e fabulações apresenta as questões oníricas incorporadas pelo surrealismo. O surrealismo foi o movimento de vanguarda que incorporou definitivamente o mundo dos sonhos nas artes visuais. As obras reunidas aqui trazem esse espaço onírico. Entre elas, estão Bichos em diálogo de Marcello Grassmann, Quiromancia de Guilherme de Faria, Escolhendo a carniça de Roberto Magalhães.

O universo da fotografia não fica de fora da exposição. Em Fotografias surreais, efeitos fantasiosos e elementos com ‘notas de surrealidade’ inspirados em Man Ray, um artista que representou na fotografia o que Dalí desenvolveu na pintura. Fotos de Amanda Mei, com Pássaro-pedra I, II e III, Mario Cravo Neto, com Solstício de inverno e Klaus Mitteldorf, com The kiss duo, estão entre os artistas deste núcleo.

Nos Cartazes de cinema surrealista, estão presentes cartazes de filmes da coleção da Filmoteca FAAP, como dos filmes Medo e Delírio, de Terry Gilliam, , O Homem Elefante, de David Lynch, A Forma da Água, de Guillermo del Toro, Terras, de Maya Da-Rin, entre muitos outros.

O último núcleo, Ficções contemporâneas, traz obras contemporâneas que dialogam com a invenção fabulosa e a fantasia. “Muitas dessas obras têm um componente de irrealidade, de sonho, algo totalmente inesperado ou uma construção fictícia com uma lógica própria que foge da realidade”, afirma a curadora. Entre os artistas, estão Guilherme de Faria, Genietta Varsi, que esteve na residência artística da FAAP, em São Paulo, e desenvolveu a obra Limpeza e saúde urbana: Desafogo das águas, um projeto multimídia que funde o mapeamento urbano e geográfico da cidade. Já Guerreiro do Divino Amor, artista suíço-brasileiro, apresenta Atlas Superficcional Mundial, investigando como ficções de diferentes naturezas, sejam elas geográficas, sociais, midiáticas, políticas ou religiosas interferem na construção do território e do imaginário coletivo.

Prorrogação ‘Desafio Dalí’

Devido ao sucesso de público da exposição, com mais de 80 mil visitantes, o ‘Desafio Salvador Dalí – Uma Exposição Surreal na FAAP’, tem a data prorrogada de 30 de junho para 1º de setembro. Dedicada ao pintor e multiartista surrealista espanhol Salvador Dalí, a exposição apresenta as muitas facetas do artista, com mais de 100 reproduções de seus trabalhos icônicos, além de mostrar a sua produção de artes gráficas, no cinema, teatro, na criação de joias, além de imagens de dupla interpretação, em 3D, e um mergulho em sua obra com óculos de realidade virtual de última geração. A exposição mostra toda a diversidade e amplitude da obra de Dalí, também com uma reprodução de seu atelier em Portlligat, litoral da Espanha, onde Dalí trabalhou durante anos. A exposição é organizada pelo Instituto Totex e tem licença e supervisão da Fundação Gala-Salvador Dalí, que representa o artista em exibições de sua obra em todo o mundo.

Sobre o Museu de Arte Brasileira da FAAP

Desde que abriu suas portas pela primeira vez em 10 de agosto de 1961, com a mostra “Barroco no Brasil”, o Museu de Arte Brasileira da Fundação Armando Alvares Penteado (FAAP) se comprometeu a incentivar e divulgar a arte brasileira. Além de seu acervo próprio que conta com mais de 3 mil obras de arte a partir do final do século 19, no decorrer dos últimos anos, abrigou exposições marcantes para a história da cultura do País, como a exposição “Toyota – O Ritmo do Espaço” premiada pela APCA em 2018. Em 2016, foi criada a Coleção Moda-MAB que reúne vestimentas, bonecas e acessórios de estilistas contemporâneos brasileiros, fortalecendo o vínculo entre o museu e a moda, que desde 1989 esteve presente por meio de desfiles e exposições vinculadas ao tema. Cabe destacar que além da pesquisa e organização de exposições de temas pertinentes às artes visuais brasileiras, o MAB incorporou a apresentação de mostras de arte internacional com temáticas de interesse geral que trazem experiências significativas ao público e ampliam a compreensão do fazer artístico e cultural. Atualmente, está em cartaz a exposição Desafio Salvador Dalí: Uma Exposição Surreal na FAAP, sobre a vida e a obra do mestre do surrealismo espanhol Salvador Dalí, em cartaz até 30 de junho.

Serviço

Exposição Reverberações Surrealistas no MAB – Sala Annie Alvares Penteado
Abertura dia 24 de junho, segunda-feira, 19h (para convidados)
Visitação: de 25 de junho, terça-feira, a 29 de setembro de 2024
Entrada gratuita

Serviço Desafio Salvador Dalí – Salão Cultural
Prorrogação até 1º de setembro
Ingressos: salvadordalisp.com.br
Bilheteria Oficial (sem cobrança de taxa de conveniência): FAAP (Rua Alagoas, 903 – Higienópolis, São Paulo – SP | Subsolo. Todos os dias das 9h às 19h)
Valor: R$ 60 (inteira) | R$ 30 (meia-entrada)
Período expositivo: 01 de maio a 01 de setembro de 2024
Horário: 9h às 20h (última entrada às 19h), fechado às segundas-feiras, inclusive feriados.
Classificação etária: livre para todas as idades
Acessibilidade: local acessível para cadeirantes. Audiodescrição disponível para pessoas com deficiência visual.

MAB FAAP

Endereço: Rua Alagoas, 903 – Higienópolis
Horário de funcionamento: De terça-feira a domingo, das 9h às 20h (acesso até 19h30); Fechado às segundas-feiras, inclusive quando feriado

Não foi possível salvar sua inscrição. Por favor, tente novamente.
Sua inscrição foi bem sucedida.

Você quer receber informações sobre cultura, eventos e mercado de arte?

Selecione abaixo o perfil que você mais se identifica.

Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários