Filosofia

25 contos de sabedoria para você ler para toda a família

Por Paulo Varella - fevereiro 27, 2019
1242 0
Pinterest LinkedIn
Nasrudin

Separamos 25 contos divertidos e perfeitos para você ler sozinho ou para os seus filhos na hora de dormir.

Nesta seleção separamos os contos do Oriente, criados pelo filósofo Nasrudin.

Quem foi Nasrudin?

Nasrudin  foi umsufi, acredita-se que viveu e morreu durante o século XIII em Akshehir, perto de Cônia, capital do Sultanato de Rum, na atual Turquia. Ele é considerado um filósofo e sábio populista, lembrado por suas histórias engraçadas e anedotas. Ele aparece em milhares de histórias, às vezes espirituoso, às vezes sábio, mas muitas vezes, também, um tolo ou o alvo de uma piada. Uma história Nasreddin geralmente tem um humor sutil e uma natureza pedagógica. A festa internacional de Nasreddin Hodja é celebrada entre 05-10 julho em sua cidade natal a cada ano.

Os Contos

As histórias de Nasrudin são conhecidas em todo o Oriente Médio e tocaram as culturas ao redor do mundo. Superficialmente, a maioria das histórias de Nasrudin podem ser ditas como piadas ou anedotas de humor. Eles são contadas e recontadas eternamente em casas de chá da Ásia e podem ser ouvidos nas casas e nos rádios. Mas é inerente a uma história de Nasrudin que pode ser entendida a vários níveis. Não é a piada, seguido por uma moral e, geralmente, o pequeno extra que traz a consciência do potencial místico um pouco mais sobre a forma de realização.

25 Contos

1) O Anúncio

Certa vez, Nasrudin estava na praça do mercado conversando com as pessoas e em determinado momento ele anunciou:

– Amigos deste lugar!

Querem conhecimento sem dificuldade, verdade sem falsidade, realização sem esforço e, progresso sem sacrifício?

Logo, havia uma multidão em sua volta gritando:

– Queremos, queremos!

Então, Nasrudin disse:

– Eu também.

Podem confiar em mim, contarei a vocês tudo a respeito… caso algum dia eu descubra algo assim.

2) Nasrudin foi processado

Nasrudin ia pela cidade dizendo que:
— os sábios desta cidade, colocados juntos, não sabem nada.
Um dia, um grupo deles levou Nasrudin ao tribunal e exigiu que ele voltasse atrás em sua declaração ou senão enfrentaria um castigo. 
— Está bem — disse Nasrudin.
Então, ele apresentou a cada um deles um pedaço de papel e lápis. Depois comentou:
— Agora, cada um de vocês deve escrever uma resposta à seguinte pergunta: O que é merda?
Todos eles escreveram uma resposta e entregaram-nas ao juiz, que as leu em voz alta.
O cientista escreveu que merda é uma composição de água e alimentos desperdiçados.
O filósofo escreveu que é uma manifestação de um ser vivente relacionada aos ciclos e mudanças dos temas predominantes do universo.
O médico escreveu que é a matéria que deve ser passada através do corpo como parte da regularidade dos intestinos e da boa saúde.
O líder religioso escreveu que é um símbolo de nossos pecados passando através do nosso corpo.
A vidente escreveu que é material que pode ser usado para dizer nosso futuro.
Depois de ouvir essas respostas, Nasrudin comentou com o Juiz:
— O Senhor vê o que quero dizer? — e concluiu — todos esses sábios colocados juntos não sabem merda nenhuma.

3) O hospitaleiro Nasrudin

Certo dia, Nasrudin estava de gozação com pessoas de um grupo sobre como era a sua tremenda hospitalidade. Uma das pessoas, ansiosa por fazer com que Nasrudin provasse aquilo que falou sobre si mesmo, perguntou:
 Bem! Você levará todos nós para a sua casa e nos brindará com uma refeição, certo?
Nasrudin concordou e conduziu o grupo no sentido de sua casa. Ao chegar lá, ele disse para eles:
 Esperem aqui fora para que eu possa fazer com que minha esposa saiba o que está acontecendo.
Ele entrou e falou com ela. Ela então respondeu, dizendo:
Nós não temos comida nenhuma. Você deve mandá-los embora!
Tenho certeza de que não posso fazer isso! 
ele respondeu fazendo um grande alarme 
minha reputação sobre a hospitariedade está aqui em jogo!
 Bem, sua esposa disse, esconda-se lá em cima, e se eles começarem a chamar por você, eu lhes direi que você não está aqui.
Então, Nasrudin fez o que ela disse e deixou seus convidados esperando do lado de fora.
Depois que algum tempo se passou, eles ficaram muito impacientes e começaram a bater na porta e chamando pelo seu anfitrião.
 Nasrudin! Nasrudin! eles gritavam.
A esposa de Nasrudin abriu a porta e disse para eles:
 Nasrudin não está aqui.
 Isso não faz nenhum sentido! um deles respondeu.
 Afinal de contas, nós vimos ele entrar. Estamos esperando aqui, nesta porta, este tempo todo.
Nasrudin, assistindo a tudo do andar de cima, não conseguiu se conter e, debruçando-se na janela, gritou:
 Eu poderia ter saído pela porta de trás, não poderia?

4) Nasrudin morre

Nasrudin era muito velho e estava deitado em sua cama, prestes a morrer a qualquer momento.
Ele disse para sua mulher: – Porque você está vestida de preto e olhando tão triste? Vá vestir sua melhor roupa, arrume o seu cabelo e sorria!
– Nasrudin, – ela respondeu chorando – como pode você me pedir para fazer uma coisa dessa? 
– Sim, – Nasrudin disse – existe uma razão pela qual eu fiz o meu pedido. O Anjo da Morte estará aqui em breve. Se ele ver você toda vestida e bela, talvez ele me deixará e em vez disso levará você.
E depois de dar um pequeno sorriso, Nasrudin morreu.

5) Meu pé doi

Cerejas estavam sendo vendidas muito baratas no mercado da vila.
Como Nasrudin era conhecido por ser um bom negociador, um amigo seu pediu-lhe para comprar cerejas pagando ainda menos do que o preço do mercado, que já era baixo.
Nasrudin pegou o dinheiro e foi para o mercado. Ele regateou com o comerciante para mais de quinze minutos e foi capaz de comprar as cerejas a um preço ridiculamente baixo.
Ele então voltou para a casa do amigo e foi perguntado como negociação tinha acontecido
Ótimo, respondeu Nasrudin, eu realmente dei o comerciante um espetáculo. Eu lhe lisonjeei. Eu implorei para ele. Dei-lhe todos os tipos de raciocínios baseados na oferta e procura e o valor comparativo das mercadorias. Apelei para as suas emoções. Fiz um trabalho de mestre. E, acredite ou não, eu o convenci a me vender trinta quilos de cerejas pelo dinheiro que você me deu.
Uau, o amigo respondeu 
 isso é incrível.
Eu sei, disse Nasrudin, e fiz como você me pediu. Então, agora você concorda que também tenho direito a alguma recompensa pelo meu trabalho?
É claro, respondeu o amigo.
Ok, disse Nasrudin, desde que eu fiz todo o trabalho, você concorda que eu deveria ficar com todas as cerejas?

6) O negociante experto

Cerejas estavam sendo vendidas muito baratas no mercado da vila.
Como Nasrudin era conhecido por ser um bom negociador, um amigo seu pediu-lhe para comprar cerejas pagando ainda menos do que o preço do mercado, que já era baixo.
Nasrudin pegou o dinheiro e foi para o mercado. Ele regateou com o comerciante para mais de quinze minutos e foi capaz de comprar as cerejas a um preço ridiculamente baixo.
Ele então voltou para a casa do amigo e foi perguntado como a negociação tinha acontecido.
Ótimo, respondeu Nasrudin, eu realmente dei o comerciante um espetáculo. Eu lhe lisonjeei. Eu implorei para ele. Dei-lhe todos os tipos de raciocínios baseados na oferta e procura e o valor comparativo das mercadorias. Apelei para as suas emoções. Fiz um trabalho de mestre. E, acredite ou não, eu o convenci a me vender trinta quilos de cerejas pelo dinheiro que você me deu.
Uau, o amigo respondeu, isso é incrível.
Eu sei, disse Nasrudin, e fiz como você me pediu. Então, agora você concorda que também tenho direito a alguma recompensa pelo meu trabalho?
 É claro, respondeu o amigo.
Ok, disse Nasrudin, desde que eu fiz todo o trabalho, você concorda que eu deveria ficar com todas as cerejas?

7) Um mestre diferente

Nasrudin estava sendo esperado em uma cidade. Praticamente toda a população estava reunida na praça para ver o Mulla falar.
Nasrudin olhou para aquelas pessoas e perguntou:
— Você sabem sobre o que vou falar hoje?
Todos responderam ao mesmo tempo:
— Não!
— Se vocês não sabem o que vim falar eu me retiro — e foi embora.
Tempos depois a população conseguiu que Nasrudin voltasse à cidade para falar.
Mas combinaram que se ele perguntasse novamente sa sabiam o que ele ia falar eles dirão que sim.
Quando Nasrudin perguntou eles disseram:
— Sim!
Nasrudin disse então:
— Se vocês já sabem eu não preciso falar nada! — e se retirou.
Conseguiram que ele voltasse lá mais uma vez para falar. Dessa vez combinaram que metade diria que sim e metade que não.
Nasrudin então disse:
— Muito bem. Então a metade que sabe conta para a metade que não sabe — e se retirou.

8) Fique em uma perna

Certa noite, um grupo de assaltantes invadiu a casa de Nasrudin e exigiu dinheiro dele.
— Senhores, — disse Nasrudin — se eu pudesse daria a vocês 1 milhão de dólares mas, infelizmente, agora eu estou um pouco “quebrado” financeiramente e só tenho esta conta de vinte dólares no bolso.
Dizendo isso, Nasrudin tirou a conta do bolso e entregou-a para os ladrões.
Eles, no entanto, ficaram extremamente irritados e decidiram passar a noite na casa do Nasrudin e puni-lo. 
— Fique sobre um só pé pelo resto da noite! — eles exigiram.
Nasrudin fez como lhe foi dito. Os ladrões foram dormir enquanto um deles ficou de guarda. 
Depois de uma hora, o guarda disse a Nasrudin: 
— Escuta, eu vou deixar você mudar para a outra perna.
— Obrigado, — respondeu Nasrudin — você é uma pessoa muito melhor do que o resto do seu grupo.
Na verdade, quero lhe dizer que meu dinheiro está dentro dos meus sapatos no armário. Você pode ir lá e pegá-lo mas, — complementando com ênfase — não dê nada a eles!

9) Uma maçã pela resposta

Um homem, caminhando pelo centro da vila, começou a perguntar à respeito de questões variadas aos moradores locais mas, sendo eles incapazes de responder a maioria delas, indicaram alguém capaz de dar respostas à suas perguntas: Nasrudin.
— Você pode me ajudar respondendo algumas questões? — o homem perguntou a Nasrudin.
Nasrudin viu que o homem estava carregando um saco de maçãs e disse: 
— Eu vou responder, e a cada pergunta ganho uma maçã.
O homem concordou, fez as perguntas uma por uma e pagou uma maçã por vez, cada uma das quais Nasrudin comeu imediatamente enquanto respondia às perguntas. Finalmente, o homem ficou sem maçãs.
— Ok, eu estou indo agora. Mas antes disso, eu só quero saber uma coisa. — o homem disse.
— O quê? — perguntou Nasrudin.
— Como você comeu tantas maçãs? — perguntou o homem demonstrado muita curiosidade.
— Já que você não possui mais maçãs, — Nasrudin disse— eu não posso responder. 

10) O pedido de empréstimo

Nasrudin puxou conversa com um estranho.
A certa altura, ele perguntou:
– Como está seu negócio?
– Ótimo! – respondeu o outro.
– Então me empresta dez Rúpias? – perguntou Nasrudin.
– Não. Eu não conheço você o suficiente para lhe emprestar dinheiro.
– Isso é estranho – respondeu Nasrudin – onde eu morava, as pessoas não me emprestam dinheiro porque elas me conheciam, e agora que me mudei para aqui, as pessoas não me emprestam dinheiro porque elas não me conhecem!

11) A casa lotada

Certo dia, Nasrudin estava conversando com seu vizinho e ele comentou em tom de reclamação:
– Eu, minha esposa, meus três filhos e minha sogra, compartilhamos da mesma casa. Estou tendo problemas em acomodar todos em nosso pequeno espaço. Mulla Nasrudin, você que é um homem sábio, tem algum conselho para mim?
– Sim. Você tem galinhas em seu quintal? – respondeu Nasrudin.
– Eu tenho 10 galinhas – respondeu o homem.
– Então, coloque-as dentro de casa – disse Nasrudin.
– Mas Mulla! – o homem comentou – nossa casa já é muito apertada como ela é.
– Experimente – respondeu Nasrudin.
O homem, desesperado para encontrar uma solução para seus problemas de espaço, seguiu o conselho. No dia seguinte fez outra visita a Nasrudin.
– Mulla, as coisas agora estão ainda piores. Com as galinhas dentro de casa, nós estamos mais pressionados naquele pequeno espaço – ele disse.
– Agora, faça o seguinte: pegue o seu burro e leve-o para dentro de casa – disse Nasrudin.
O homem lamentou-se e se opôs, mas Nasrudin convenceu-o a fazê-lo.
No dia seguinte, o homem, parecendo agora mais angustiado do que nunca, veio a Nasrudin e disse:
– Agora, minha casa está mais lotada ainda! Quase não existe espaço para a minha família, as galinhas e o meu burro, se moverem.
– Bem, você tem outros animais em seu quintal? – perguntou Nasrudin.
– Sim, nós temos um bode – respondeu o homem.
– Muito bem. Leve o bode para sua casa também – disse Nasrudin.
Mais uma vez, o homem criou uma confusão e ele parecia tudo, menos estar ansioso para seguir o conselho de Nasrudin. Uma vez mais, este convenceu-o a colocar mais um animal dentro da casa.
No dia seguinte, o homem, agora cheio daquela situação, se aproximou de Nasrudin e disse:
– Agora minha família está muito chateada. Todos estão na minha garganta reclamando da falta de espaço. Seu plano está nos fazendo sentir miseráveis.
– Certo – respondeu Nasrudin – agora vamos colocar todos os animais do lado de fora.
Então, o homem seguiu o conselho. No dia seguinte, ele passou por Nasrudin e comentou:
– Mulla, seu plano funcionou como um encanto. Com todos os animais fora da casa, ela ficou tão espaçosa que nenhum de nós pode fazer nada a não ser ficar feliz e sem reclamar.

12) O jardim do vizinho

Certa vez Nasrudin viu algumas laranjas maduras no jardim do seu vizinho e resolveu roubar uma.
Ele pegou sua escada e a colocou apoiada no muro divisório entre os dois terrenos.
Ele subiu pela escada e estando no alto do muro, puxou a escada e coloco-a do outro lado. Assim que ele começou a descer, ele ouviu a voz do seu vizinho questionando:
– O que está fazendo aqui?
Calmamente, Nasrudin respondeu:
– Estou vendendo escadas!
O vizinho argumentou:
– Este local parece ser lugar para venda de escadas?
Nasrudin então disse:
– Você pensa que existe apenas um lugar para vender escadas?”

13) Servindo o manto

Certa vez, todos que viviam na mesma região de Nasrudin foram convidados para um banquete em uma aldeia próxima. Ao saber do convite, o Mullá foi até lá o mais rápido que pôde. Mas como estava com um manto esfarrapado, o mestre de cerimonias o colocou e um lugar ruim, longe da grande mesa onde estavam os convidados mais importantes.
Logo, Nasrudin percebeu que demoraria mais de uma hora para ser servido. Então resolveu ir até sua casa e se vestiu com um manto e um turbante magníficos. Ao entrar novamente na festa, foi saudado com tambores de boas vindas pelos arautos do Emir, seu anfitrião, e o camareiro real o conduziu a um lugar ao lado do próprio Emir.
Imediatamente a comida foi servida.
Nasrudin então pegou a comida com a mãos e começou a esfregá-la no manto e no turbante.
– Vossa eminência, – disse o Emir, – seus costumes à mesa são inteiramente novos para mim. Estou curioso.
E Nasrudin respondeu:
– O manto e o turbante me fizeram chegar aqui e me trouxeram a comida. Você não acha que eles merecem as suas partes? 

14) Quem sou eu?

Depois de uma longa viagem, Nasrudin deu de cara com a turbulenta multidão de Bagdá. Nunca havia visto um lugar tão grande e confundiam-lhe a cabeça todas aquelas pessoas amontoadas pelas ruas.
– Num lugar assim – refletia Nasrudin, – fico imaginando como é que as pessoas fazem para não se perderem de si mesmas, para saberem quem são” 
Então pensou: – devo recordar-me bem de mim, caso contrário poderia perder-me de mim mesmo. 
Mais que depressa procurou um alojamento para viajantes. Um sujeito brincalhão estava numa cama próxima daquela que Nasrudin ia ocupar. Nasrudin pensou em fazer a sesta, mas tinha um problema: como encontrar novamente a si mesmo ao acordar. Falou do problema ao vizinho. 
– Muito simples – disse o brincalhão – aqui tens um balão; basta amarrá-lo na sua perna e ir dormir; quando acordar, procure o homem com o balão e esse homem é você.
Nasrudin disse: – Excelente idéia!. 
Algumas horas depois Nasrudin acordou e procurou o balão e achou-o amarrado na perna do vizinho brincalhão. 
– É, esse aí sou eu – pensou. Então, apavorado começou a sacudir o sujeito:
– Acorda! Algo aconteceu do jeito que imaginei que aconteceria! Sua idéia não foi boa!
O homem acordou e perguntou qual era o problema.
Nasrudin apontou-lhe o balão: 
– Pelo balão, posso dizer que você sou eu. Mas se você sou eu, pelo amor de Deus, quem sou eu?

15) As fraquezas do rei

Certa vez, Nasrudin foi à Corte usando um magnífico turbante. A intenção do Mullá era despertar o desejo do rei e vender-lhe o turbante. E, de acordo com sua expectativa, o rei perguntou:
– Nasrudin, quando você pagou por esta maravilha? 
– Mil moedas de ouro, majestade.
O vizir percebeu a esperteza e cochichou ao rei:
– Ninguém, além de um idiota, pagaria tanto por um turbante.
O rei, influenciado pelo comentário, disse a Nasrudin:
– Por que você pagou tanto? Nunca ouvi falar que alguém tivesse dado essa quantia por um turbante.
– Paguei essa fortuna porque sabia que em todo o mundo só um rei compraria esse tipo de coisa.
Sensibilizado pelo elogio, o rei decidiu comprar o turbante pelas mil moedas de ouro.
Pouco depois, ao se encontrar só com o vizir, Nasrudin lhe disse:
– Você pode conhecer o valor de um turbante, mas sou eu quem conhece as fraquezas dos reis.

16) Sopa de lágrimas

 A mulher do mulla Nasrudin estava muito zangada com ele. Por isso lhe trouxe uma sopa fervendo, e não o avisou de que ele poderia queimar-se ao tomá-la.
Mas ela também estava com fome e, assim que a sopa foi servida, sorveu um gole. Lágrimas de dor verteram de ses olhos. Mas mesmo assim ela ainda esperava que o mulla se queimasse.
– Minha querida, que aconteceu? – Perguntou Nasrudin.
– Eu só estava pensando na minha pobre e velha mãe. Quando viva, ela gostava muito desta sopa. Por isso as lágrimas.
Nasrudin então tomou um gole escaldante da própria tigela.
Lágrimas lhe escorreram pelo rosto.
– Está chorando, Nasrudin? – perguntou a mulher.
– Estou! Estou chorando ao pensar que sua velha mãe está morta, pobrezinha! Mas que deixou alguém como você na terra dos vivos –justificou Nasrudin.

17) A verdade

Algumas pessoas que admiravam Nasrudin o cercaram e perguntaram:
– Dizem que as suas histórias estão cheias de verdades e com sentidos ocultos, Nasrudin. Estão mesmo?
– Claro que não! – respondeu Nasrudin.
– Por que não? Porque você diz isto com tanta convicção? – perguntaram.
– Simplesmente porque nunca falei a verdade em toda a minha vida, nem uma vez sequer; e tampouco serei capaz de fazê-lo, um dia – finalizou Nasrudin.

18) O caminho curto

Em uma magnífica manhã , o mulla Nasrudin caminhava de regresso a sua casa e em determinado momento perguntou aos seus botões:
– Por que não tomar um atalho através daquela formosa floresta que beira a esta estrada tão poeirenta?
Seguindo pela trilha no meio da mata, exclamou:
– Mais um dia se passou, um entre os outros dias, um dia de atividades produtivas e realizadas! Agora é só chegar em casa e descansar.
Um pouco mais adiante, em um trecho de mata fechada, o chão de repente sumiu debaixo de ses pés. Quando se deu conta, viu que estava no fundo de um fosso. Observou a situação e percebeu que não havia como sair dali sem ajuda. Mas quem passaria por ali e quando?
Mas, refletindo melhor, ele disse:
– Ainda bem que tomei este atalho. Se essa coisa aconteceu no meio de tamanha beleza, imagine que catástrofe poderia ter-me acontecido se eu tivesse seguido por aquela estrada esburacada, perigosa e trafegada por cavalos e carroças? 

19) Ninho vazio

Certa vez o mulla foi surpreendido investigando um ninho vazio.
— O que está fazendo, mulla? — o homem perguntou.
— Procurando ovos — Nasrudin deu uma resposta curta.
O homem deu um sorriso irônico e disse:
— Não há ovos num ninho do ano passado!
— Não tenha tanta certeza— tornou Nasrudin — se você fosse um passarinho e quisesse proteger seus ovos, construiria um ninho novo, à vista de todo mundo?

20) Por que não tentar

Um belo dia, alguns amigos viram Nasrudin, de joelhos, à beira de uma lagoa, adicionando um pouco de iogurte velho à água. Um dos homens perguntou:
— O que está tentando fazer, Nasrudin?
— Estou tentando fazer iogurte — respondeu.
— Mas você não pode fazer iogurte desse jeito! — disse um dos amigos.
— Sim, eu sei; mas imagine se isso der certo!

21) Pedindo dinheiro

Certo dia, Nasrudin estava precisando de dinheiro. Olhou em volta e viu um homem rico. Foi até o homem e disse:
— Poderia me arrumar algum dinheiro? Certamente se você é tão rico como parece, não lhe fará falta.
— Para que quer o dinheiro? — perguntou o rico.
— Para comprar um elefante — respondeu Nasrudin.
— Se você não tem dinheiro, nunca poderá sustentar um elefante — argumentou o homem.
Nasrudin olhou nos olhos do homem e disse:
— Eu pedi dinheiro, não pedi conselhos!

22) O rei falou comigo

O mulla voltara à aldeia depois de visitar a capital imperial. Os aldeões se reuniram à sua volta para ouvi-lo falar sobre as suas aventuras.
— Neste momento — disse Nasrudin — só desejo contar-lhes que o rei falou comigo.
Ouviu-se uma parada geral na respiração de todos devido à emoção. O rei dirigira realmente a palavra a um cidadão da aldeia! A notícia maravilhosa era mais do que suficiente para os aldeões, que se dispersaram a fim de divulgá-la.
Um homem, porém, que não se afetou como os outros pelo que Nasrudin havia dito, não se moveu dali. Ficando para trás, pediu ao mulla que repetisse, palavra por palavra, o que dissera o rei.
— O que ele disse, e o fez muito distintamente, para todos ouvirem, foi: — disse Nasrudin.
— Saia do meu caminho!

23) É melhor prevenir

Nasrudin entregou um cântaro a um menino, mandou-o buscar água num poço e deu-lhe um tapa no “pé-de-ouvido”.
— E preste atenção! Não me deixe cair a água! — gritou para o garoto.
Um homem que assistira a tudo perguntou-lhe:
— Como é que você bate em alguém que não fez nada de mal?
— Você, com certeza, — revidou Nasrudin — preferiria que eu batesse nele depois que ele tivesse quebrado o cântaro, quando o cântaro e a água estivessem ambos perdidos? Da minha maneira, o garoto se lembrará e assim se salvarão o cântaro e o seu conteúdo.

24) Montando no burro

Certo dia, alguns candidatos a discípulos procuraram o Mulla e pediram-lhe que lhes fizesse uma palestra.
— Muito bem, — disse ele — sigam-me até o salão, do outro lado da praça, onde existe espaço para eu falar a todos vocês.
Obedientes, eles se alinharam atrás de Nasrudin, que montou no burro às avessas, e começou a afastar-se.
A princípio, os jovens se sentiram confusos, depois se lembraram de que não deviam contestar o menor gesto do Mulla. Finalmente, reconheceram-se incapazes de suportar por mais tempo as zombarias dos transeuntes.
Percebendo-lhes o embaraço, o Mulla se deteve e olhou-os fixamente. O mais atrevido dentre os rapazes aproximou-se:
— Mulla, não compreendemos direito por que o senhor montou nesse burro às avessas.
— É muito simples — replicou o mulla — vejam bem, se vocês andassem à minha frente, seria uma desconsideração a mim. Por outro lado, e se eu lhes desse as costas, seria uma desconsideração a vocês. Esse é o único meio-termo possível.

25) A Linguagem do louco

Um místico deteve Nasrudin na rua e apontou para o céu, querendo dizer:
– Existe apenas uma verdade, que tudo cobre.
Dessa vez, Nasrudin vinha acompanhado de um erudito que andava procurando o fundamento lógico do sufismo. O homem disse para si mesmo: 
– Este homem está louco. Nasrudin deve tomar precauções e fazer alguma coisa contra ele.
Efetivamente, o Mulla revistou a mochila e dela tirou um pedaço de corda. 
O erudito pensou:
– Excelente! Poderemos agarrar o louco e amarrá-lo, caso ele se torne violento.
O “louco”, olhando a corda, riu e saiu andando.
– Muito bem feito, – disse o erudito – você nos salvou dele

Na verdade, meu gesto apenas significou, – disse Nasrudin:
– A humanidade comum tenta alcançar esse ‘céu’ por métodos tão inadequados quanto esta corda.
E acrescentou:– Parece que ele entendeu.

Comentários

Please enter your comment!
Please enter your name here