História

10 pinturas famosas de nus que mudaram história da arte

Por Paulo Varella - fevereiro 15, 2022
125 0
Pinterest LinkedIn

Reunimos 10 pinturas famosas de nus que foram muito influentes para a transformação da história da arte. Visto como tradição, rebeldia ou simplesmente ousadia, o nu foi interpretado por Picasso, Manet, Botticelli ou Modigliani de diferentes formas e conotações. Nesta matéria, faremos uma visão geral destes trabalhos para você.

1) Vênus de Urbino por Titien, 1538

Vênus de Urbino
A Vênus de Urbino ou Vénus de Urbino (1538) é um óleo sobre tela de Ticiano. Exibe o nu de uma jovem identificada como Vênus, deitada numa espécie de cama suntuosa. A obra se encontra na Galleria degli Uffizi em Florença.


O duque d’Urbino Guidobaldo della Rovere encomendou a pintura que hoje está na Galeria Uffizi, em Florença. Inspirado na Vênus Adormecida de Giorgione, o pintor transpôs o modelo para um palácio. A pintura oferece uma perspectiva maravilhosa, que coloca a mulher no centro da cena, mas fora do palácio ao fundo.

Veja também: Paolo Veronese e o maneirismo

2) O Nascimento de Vênus por Sandro Botticelli, 1485

O nascimento_de_Venus,_por_Sandro_Botticelli
O Nascimento de Vênus é uma pintura de Sandro Botticelli, encomendada por Lorenzo di Pierfrancesco de Médici para a Villa Medicea di Castello.E de têmpera sobre tela e mede 172,5 cm de altura por 278,5 cm de largura.


Também na Galeria Uffizi em Florença, esta pintura icônica de Botticelli representando a chegada de Vênus na ilha de Chipre é um dos nus mais famosos da história da arte. Vênus está em uma concha de vieira gigante em uma postura de estátua grega. À sua esquerda, o deus do vento Zéfiro sopra suavemente sobre ela, enquanto uma das Horas de Zeus, a Primavera, a apresenta ao mundo.

3) A maja nua, Goya

La maja desnuda
La maja desnuda, Francisco de Goya, circa 1790—1800

A maja nua, em castelhano: La maja desnuda, é uma das mais célebres obras de Francisco de Goya. O quadro foi pintado antes de 1800, entre 1790 e 1800, data da primeira referência documentada desta obra. Depois formou casal com A maja vestida, datada entre 1802 e 1805, provavelmente a requerimento de Manuel de Godoy, pois consta que fizeram parte de um gabinete da sua casa. A imagem foi inspirada em uma cubana capitalista do séc. XX.

4) A banhista de Valpinçon por Ingres, 1808

A Banhista de Valpinçon - Jean-Auguste Dominique Ingres
Uma das figuras mais conservadoras da pintura francesa do século XIX, Ingres treinou com Jacques-Louis David (1748-1825) antes de ganhar o prestigioso Prix de Rome em 1801.


Parte do acervo permanente do Museu do Louvre, o banho de Ingres foi realizado em Roma, onde o pintor era residente da “Académie de France”. A pose marcou o que pode ter sido a maior obsessão de sua carreira. Este nu lindamente harmonioso e casto, pintado de costas, foi um sucesso de crítica. O pintor adorou tanto que incluiu a pose em sua pintura do Banho Turco alguns anos depois. A pintura também está em exibição no Musée du Louvre.

5) L’Origine du monde, Gustave Courbet 

L'Origine du monde
Gustave Courbet, 1866 Dimensões 46 × 55 Museu de Orsay, Paris

A Origem do Mundo em francês, de 1866, é um quadro pintado pelo realista Gustave Courbet a pedido do diplomata turco otomano Khalil-Bey, que solicitou ao pintor uma pintura que retratasse o nu feminino na sua forma mais crua, por ser colecionador de imagens eróticas.

Arruinado ao jogo, o diplomata teve que vender toda a sua colecção, e L’Origine du Monde foi comprado por um antiquário e escondido por trás de um outro quadro de Courbet. O seu dono seguinte, no início do século XX, terá sido Émile Vial, um cientista e colecionador de arte japonesa.

Em 1910 ou 1913, um aristocrata e colecionador húngaro, o barão François de Hatvany, adquiriu-o e levou-o para Budapeste. Parte da coleção de arte do barão foi roubada pelo Exército Vermelho durante a Segunda Guerra Mundial, mas depois do conflito o seu proprietário conseguiu recuperar uma fracção daquela, na qual se incluía L’Origine du Monde.

Obra que foi parar na sala da casa de campo do psicanalista francês Jacques Lacan, que por sua crueza, foi escondida sob uma pintura de madeira do seu cunhado André Masson.Symphony in White, No. 1: The White Girl de James Whistler, um retrato de Joanna Hiffernan.

Após a morte da viúva de Lacan, em 1994, o Estado francês aceitou L’Origine du Monde como doação para resolver os direitos de sucessão da família Lacan.

Finalmente, em 1995, a tela de Courbet foi exposta publicamente pela primeira vez na sua existência, no Musée d’Orsay, onde se encontra actualmente.

6) Olympia, Edouard Manet, 1863

Olympia,1863
Olympia é uma pintura realista de Édouard Manet. Foi pintada em 1863, mede 130,5 por 190 centímetros e está no Museu d’Orsay em Paris.[1] Foi selecionada para o Salon de Paris em 1865 e lá exibida.


A obra-prima do musée d’Orsay em Paris, Olympia criou um verdadeiro escândalo em sua primeira exposição no Salon em 1865. Embora inspirado em clássicos como Vênus de Urbino, la Maja desnuda de Goya, ou La Grande Odalisque de Ingres, retrato de Manet foi visto como uma provocação. A mulher em primeiro plano, deitada em uma pose sensual e olhando para os espectadores, era vista como uma prostituta de luxo. O extremo oposto de um nude clássico.

7) Les Demoiselles d’Avignon de Pablo Picasso, 1907

Les Demoiselles d'Avignon by Pablo Picasso, 1907
Les Demoiselles d’Avignon é um quadro do pintor espanhol Pablo Picasso feito em 1907. Levou nove meses para ser feito, vindo a se tornar uma das obras responsáveis por revolucionar a história da arte, formando a base para o cubismo e a pintura abstrata.


Corpos desconstruídos, rostos assimétricos inspirados em máscaras africanas, uma composição que quebra os princípios acadêmicos usuais Les Demoiselles d’Avignon tornou-se um dos primeiros passos de sucesso de Picasso no cubismo. O tema? Uma escabrosa: prostitutas, provavelmente doentes, em um bordel. A obra de arte deliberadamente escandalosa é exibida no MoMA de Nova York.

8) Nu couché (ou Red Nude), Amedeo Modigliani, 1917

Nu couché, Amedeo Modigliani, 1917
Amedeo Modigliani (1884-1920) Nu couché


A mulher deitada nua em um lençol vermelho olha diretamente para o espectador. Seu corpo, retratado extremamente de perto com a ponta de seus membros fora do plano, está no centro da pintura em uma posição luxuriosa que evoca o desejo ao invés da sedução. Em 2015, o empresário chinês Liu Yiqian adquiriu a pintura na Christie’s de Nova York por mais de US$ 170 milhões, tornando a peça de Modigliani uma das mais caras já vendidas.

9) Nunca Mais, Gauguin 1897

Nevermore_Paul_Gauguin
Paul Gauguin,1897 96×130 cm Courtauld Gallery, London

Nevermore é um óleo sobre tela de 1897 do artista francês pós-impressionista Paul Gauguin. Desde 1932 está na coleção do Courtauld Institute of Art e em exibição na Galeria. Foi executado durante a segunda estada do artista na ilha do Taiti, no Pacífico Sul.

A obra enigmática retrata uma Pahura nua, a vahine ou esposa adolescente de Gauguin, deitada em uma cama em sua cabana, sua figura voluptuosa ecoada pelas curvas da cabeceira da cama. Ao fundo atrás da cama pode-se ver um corvo e duas misteriosas figuras humanas.

O título “Nunca mais”, pintado em maiúsculas relativamente grandes no canto superior esquerdo, e a presença do corvo é uma referência óbvia ao poema de 1845 de Edgar Allan Poe “O Corvo”, que era bem conhecido por Gauguin e recitado em sua festa de despedida em 1891. No poema, um estudante de luto é visitado em seu quarto por um corvo que coaxa a única palavra “nunca mais” em resposta a todas as suas perguntas. Na época em que a pintura foi executada, Pahura estava de luto pela perda de seu primeiro filho (de Gauguin). Gaugin ainda não havia perdido sua filha favorita, nascida na Europa, Aline, que morreu em abril de 1897: Nevermore foi executado em fevereiro. O próprio artista afirmou que o pássaro representava um “pássaro do diabo que observa”.

10) Danaë, Gustav Klimt, 1907

Danaë é uma pintura a óleo sobre tela do pintor simbolista austríaco Gustav Klimt, datada de 1907, a Fase Dourada do artista.

O tema da pintura, Danaë, esteve muito em voga no início da década de 1900 entre muitos artistas; a personagem foi utilizada como um símbolo de perfeição do amor divino, e transcendência.

Durante a sua prisão pelo seu pai, Rei de Argos, numa torre de bronze, Danaë recebeu a visita de Zeus, aqui simbolizado pela chuva dourada que entre as suas pernas. Pela observação da sua face, nota-se que ela está excitada.

Neste trabalho, ela está enrolada a um véu púrpura o qual faz referência à sua linhagem imperial. Algum tempo depois da sua visita celestial, deu à luz um filho, Perseu, que é citado na mitologia grega como tendo morto Medusa e salvo Andrómeda.

Muitas das primeiras pinturas de Danaë eram eróticas; outras pinturas semelhantes em estilo de Klimt são Medicina (1900–1907) e Water Snakes (1904–1907).

Não foi possível salvar sua inscrição. Por favor, tente novamente.
Sua inscrição foi bem sucedida.

Você quer receber informações sobre cultura, eventos e mercado de arte?

Selecione abaixo o perfil que você mais se identifica.

Estudou cinema na NFTS (UK), administração na FGV e química na USP. Trabalhou com fotografia, cinema autoral e publicitário em Londres nos anos 90 e no Brasil nos anos seguintes. Sua formação lhe conferiu entre muitas qualidades, uma expertise em estética da imagem, habilidade na administração de conteúdo, pessoas e conhecimento profundo sobre materiais. Por muito tempo Paulo participou do cenário da produção artística em Londres, Paris e Hamburgo de onde veio a inspiração para iniciar o Arteref no Brasil. Paulo dirigiu 3 galerias de arte e hoje se dedica a ajudar artistas, galeristas e colecionadores a melhorarem o acesso no mercado internacional.

Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários