História

Como ver uma obra de arte através da música.

Como Modest Mussorgsky pode nos ensinar a ver os quadros de uma exposição.

Por Paulo Varella - abril 14, 2019
1657 0
Pinterest LinkedIn

Nesta matéria vamos falar como um compositor interpretou um conjunto de obras de arte através da música.

Após a morte inesperada do seu grande amigo Viktor Alexandrovich Hartmann. O compositor russo Modest Mussorgsky criou uma suite (um conjunto de movimentos instrumentais dispostos com algum elemento de unidade para serem tocados sem interrupções).

Como uma composição musical pode fazer uma interpretação abstrata de uma pintura.

Quadros de uma exposição é provavelmente o trabalho mais popular de Mussorgsky, embora ele nunca tenha tido a satisfação de saber disso.

Atormentado por depressão severa, o compositor basicamente bebeu até a morte prematura aos 42 anos, deixando muitos trabalhos não revisados para publicação.

Como muitas outras obras de Mussorgsky,

“Quadros de uma exposição” esteve sujeita à arrogância de outros compositores, que procuravam limpar e corrigir o que consideravam erros ou negligência por parte de Mussorgsky, mas eram na verdade sua linguagem original e excêntrica

Edward Dannreuther

Mesmo que bem intencionado, Rimsky-Korsakov (amigo de Mussorgsky), ele não foi fiel ao manuscrito original quando o preparou para publicação em 1886.

Quando a obra se tornou conhecida

Não foi até 1931 que Quadros de uma exposição foi publicado como realmente foi escrito.

Hoje, estamos mais familiarizados com a brilhante orquestração do trabalho de Ravel do que como uma suíte de piano solo.

A obra não foi imediatamente popular entre os pianistas, talvez porque o grande Mussorgsky tivesse um alcance ridiculamente grande no teclado e não escreveu passagens fáceis os pianistas plebeus de tamanho médio.

O que é tão fascinante em Quadros de uma exposição foi que o trabalho não é meramente uma descrição musical das obra de arte de uma exposição, mas uma experiência emocional de Mussorgsky como espectador e sua eventual integração nas cenas da exposição.

Isso é feito brilhantemente através de seu uso de passeios, que ligam os dez movimentos e representam o próprio compositor caminhando da pintura para a pintura em vários estados emocionais.

Mussorgsky observou que esses interlúdios retratam-no “percorrendo a exposição, agora vagarosamente, agora rapidamente para chegar perto de uma foto que atraiu sua atenção e, às vezes, tristemente, pensando em seu amigo falecido” (o artista e arquiteto Viktor Hartmann morreu de repente, de um aneurisma em 1873, aos 39 anos, e Mussorgsky ficou arrasado com a perda.

Viktor_Hartmann
Viktor Alexandrovich Hartmann foi um arquiteto e pintor russo. Ele foi associado com a colônia de Abramtsevo, que se tornou um centro para o movimento eslavófilo de atividade artística no século XIX

Ele despejou seus sentimentos em cartas para seu amigo, o crítico Vladimir Stasov, que havia organizado a exposição de Hartmann, e a quem a Quadros de uma exposição havia sido dedicada).

vladimir-stasov
Vladimir Vasilievich Stasov, filho do arquiteto russo Vasily Petrovich Stasov, foi provavelmente o mais respeitado crítico russo durante sua vida

Mussorgsky admitiu em suas cartas que a grandiosidade em que escreveu os temas do passeio reflete seu próprio “corpo de elefante”( achamos que foi uma piada). Melhor seria imaginar o compositor parecido com um dirigível andando pela galeria, alheio às pessoas minúsculas que se afastavam do seu caminho enquanto ele se movia.

Ouça aqui a suite orquestrada por Ravel

Esta é a versão orquestrada por Ravel. Neste vídeo aparecem as imagens de Hartmann que sobreviveram. As imagens mais recentes são de Ed Wennink, Holanda.
Condutor desta suite: Herbert von Karajan em sua melhor forma

O que foi o Moguchaya Kuchka

Esse tema do passeio (Promenade) parece um canto folclórico russo, com ritmos fortes e simples, mas sua mudança constante para medidores assimétricos retrata inteligentemente o ritmo hesitante de um amante da arte em uma galeria.

Da esq. para dir.: Modest Mussorgsky, Mily Balakirev, César Cui, Aleksandr Borodin e Nikolai Rimsky-Korsakov
O Moguchaya Kuchka (significa “poderoso monte”) foi o nome com que ficou conhecido a partir de 1867, devido ao crítico musical Vladimir Stasov, um grupo bastante diverso de compositores russos nacionalistas liderados por Mily Balakirev, que procurava a produção de música especificamente russa. Antes do Grupo dos Cinco Mikhail Glinka tinha dado os primeiros passos no sentido de produzir música acadêmica russa diferente, escrevendo óperas acerca de temas russos. Os Cinco representaram no entanto a primeira tentativa de concentrar o desenvolvimento de música com essas características. O Grupo dos Cinco influenciou muitos dos grandes compositores russos que lhe sucederam, como Sergei Prokofiev, Igor Stravinsky e Dmitri Shostakovich. O nome do Grupo dos Seis (grupo de compositores franceses), deriva do Grupo dos Cinco.

Sua percepção individual de cada pintura é representada pelo fato de que cada movimento é construído a partir dos motivos musicais do tema do passeio.

Ouça aqui o original para piano

Versão para piano(original) tocada por: Mikhail Pletnev

Promenade (1:27) No. 1 “The Gnome” (3:49) [Untitled] (Interlude, Promenade theme) (4:34) No. 2 “The Old Castle” (8:49) [Untitled] (Interlude, Promenade theme) (9:04) No. 3 “Tuileries” (10:04) No. 4 “Cattle” [Untitled] (Interlude, Promenade theme) (13:37) No. 5 “The Ballet of Unhatched Chicks in their Shells” (14:57) No. 6 “Samuel Goldenberg and Schmuÿle” Promenade (16:56) No. 7 “The Market at Limoges (The Great News)” (18:22) No. 8 “Catacombs” (21:42) No. 9 “The Hut on Fowl’s Legs” (25:20) No. 10 “The Great Gate of Kiev”

A distinção entre observador e observado desaparece com a segunda metade da peça, quando Mussorgsky desce às Catacumbas com Hartmann e os passeios desaparecem.

Os quadros de uma exposição de Hartmann

O que que eu acho super legal sobre o que inspirou a composição de Mussorgsky é que elas foram principalmente relacionadas a outras artes.

Os trabalhos de Viktor Hartmann na exposição eram compostos por desenhos de fantasias, construções ou estudos arquitetônicos feitos durante suas viagens ao exterior.

Eu gosto de como isso mostra essa enorme rede de inspiração por trás da arte. O que levou ao trabalho mais conhecido de Mussorgsky não foi meramente uma foto pendurada em uma galeria, mas a autoria de um conto que eventualmente seria transformado em uma peça de balé, e que precisava de um figurinista único.

O que eu realmente gosto é de como tudo está conectado, que a criatividade está constantemente dando à luz, e nada vem do vazio.

De como Hartmann cria rascunhos de suas viagens e de como Mussorgsky integra estas peças e a tornam em uma obra para piano e de como Ravel a torna ainda mais grandiosa.

“Infelizmente, a maioria das mais de 400 obras da retrospectiva de Hartmann foram perdidas, e nunca conheceremos algumas das imagens que correspondem aos movimentos na suíte de Mussorgsky.”

No entanto, temos as descrições de Stasov, que organizou a exposição e também foi o responsável pela manutenção do trabalho de Mussorgsky.

Hartmann_Chicks Trilby_ballet
Esboço de Viktor Hartmann
Trilby é um balé, com coreografia de Marius Petipa e música de Yuli Gerber, baseado na novela Trilby de 1822, ou Le Lutin d’Argail de Charles Nodier, apresentado pela primeira vez pelo Ballet do Bolshoi em 6 de fevereiro de 1870, em Moscou.

Hartmann fez 17 esboços para o Ballet “Trilby”, baseado no conto do escritor francês Charles Nodier. O balé apresentava as crianças da Escola Imperial de Balé e os figurinos eram feitos para que parecessem borboletas, pássaros e filhotes ainda nos ovos.

Hartmann_Paris_Catacombs
Catacumbas
Baseados em duas pinturas, ambas que Mussorgsky possuía de Hartmann e emprestara à retrospectiva.

Depois de se formar com distinção na Academia de Belas Artes, Hartmann teve o privilégio de continuar seus estudos no exterior por quatro anos, três dos quais passou na França.

Esta pintura é um retrato de “auto-retrato”, mostrando ele e um colega arquiteto descendo para nas catacumbas. Nas paredes se podem ver os crânios.

Hut of Baba Yaga
Hut of Baba Yaga

A cabana de Baba Yaga

Para mim, esta pintura não é tão aterrorizante quanto a música ou a criatura sobrenatural na qual ela se baseou.

Baba Yaga é uma bruxa que voa em um almofariz e come crianças. O projeto de Hartmann para um relógio é um retrato de sua cabana nas profundezas da floresta, que é construída sobre as pernas de galinha.

Baba Yaga
No folclore eslavo, Baba Yaga é um ser sobrenatural que tem a aparência de uma mulher deformada e feroz e que voa pelos céus montada num almofariz, apagando os rastros que deixa com sua vassoura. Mora no interior da floresta numa casa apoiada sobre pés de galinha, e cuja fechadura é uma boca cheia de dentes

O artista ficou fascinado pelo personagem de Baba Yaga que uma vez foi fantasiado de bruxa em um baile à fantasia, onde todo mundo estava vestido como personagens estrangeiros, seja monges ou criaturas da mitologia clássica. Stasov lembra que Hartmann chocou todos ao o verem como uma bruxa deformada:

“… Ao longo de filas de deusas e deusas gregas, uma bruxa, Baba Yaga, estava correndo com suas tranças vermelhas. Um grande chapéu felpudo foi puxado para baixo sobre seus olhos, seus pés estavam envoltos em tecido, braços esbugalhados das mangas de sua túnica, uma barba esparsa saindo de seu queixo, seus olhos horríveis brilhando maliciosamente em seu rosto pintado, presas de sua boca entreaberta.”

Vladimir Vasilievich Stasov

Mussorgsky incorporou na música o toque do relógio e o terror rodopiante da bruxa que perseguia as crianças. Semelhante ao grotesco da obra Gnomo, a colocação estrutural de Baba Yaga dá simetria à suíte, enquanto da uma glória redentora na conclusão.

O grande portão de Kiev

Grande Portão de Kiev

Hartmann considerou o Grande Portão de Kiev como seu melhor trabalho. O czar Alexandre II realizou uma competição para o projeto de um grande portão para comemorar sua sobrevivência à tentativa de assassinato em 1866, mas o projeto foi cancelado. Talvez o czar fosse um pouco escrupuloso em relembrar publicamente seu próprio plano de assassinato. No final foi melhor não ter feito o monumento, pois… ele foi assasinado.

O czar que não conseguiu fugir de todos os atentados

Czar_Alexander_II
Alexandre II (1818 – 1881), apelidado de “o Libertador” pela Reforma emancipadora de 1861, foi o Imperador da Rússia de 1855 até seu assassinato.

Gnomo

De acordo com o enredo da peça, ele é surpreendido por um dos projetos de Hartmann para um quebra-nozes de madeira, na forma de um gnomo com dentes grandes.

Não temos imagem para esta peça, mas Stasov disse que era tanto “um projeto para um quebra-nozes de madeira esculpida aparentemente na forma de um gnomo” e que estava “desajeitadamente correndo com as pernas tortas”.

nut cracker do inicio do seculo 20
Quebra-nozes do início do seculo 20

Mussorgsky retrata as pernas tortas por constantemente mudando de agrupamentos de 2 para 3, mudando a metragem, balançando de forza, correndo rapidamente com explosões que cortam abruptamente e intervalos ameaçadores.

Isso meio que me lembra um filme de terror, com uma grande aranha mecânica que ganha vida, fazendo esse barulho terrível de clack clack clack enquanto as pernas grotescas se multiplicam rapidamente e preenchem sua visão.

O velho castelo

O velho Castelo
O velho castelo. De acordo com Stasov, “Um castelo medieval: um trovador está cantando na frente dele”. Este movimento é pensado para ser baseado em uma representação da aguarela de um castelo italiano. Hartmann frequentemente colocava figuras humanas apropriadas em suas representações arquitetônicas para sugerir escala

Stasov descreve a imagem como “um castelo medieval diante do qual um trovador canta uma canção”. Um barco pode estar envolvido.

Tuileries (Jardins das Tulherias: briga de crianças depois de um jogo).

Muitos dos esboços da exposição eram de viagens de Hartmann. Stasov informou que a pintura era de “Uma avenida no jardim das Tulherias, com um enxame de crianças e babás”. Aquele era o jardim perto do Louvre, em Paris e Hartmann provavelmente pintou crianças sendo indisciplinadas no jardim.

Conclusão

A interpretação emocional de obras de arte podem ser feitas por todos nós. Ela dependerá das experiências de vida que tivemos e dos lugares que passamos. De um conhecimento a priori e posteriori

Todos nós carregamos uma carga de conhecimento que constantemente são convocados para a análise de um objeto ou experiência novos.

O fato é que Mussorgsky ao compor esta obra (“suite”), estava profundamente amargurado pela perda prematura do amigo, além de se encontrar um turbilhão de sentimentos agressivos causados pela sua depressão e muito certamente pelo forte efeito do seu alcoolismo. A soma de todas estas peças terminou colaborando com a criação de uma das peças mais importantes do compositor.

Que a retratação de uma exposição de quadros feita por um compositor nos ajude a olhar com outros olhares ao participarmos da nossa próxima exposição de quadros. Ao visitarmos uma exposição, poderíamos nos perguntar qual estilo de música melhor explicaria a obra. Ao invés de procurarmos uma explicação para uma peça, talvez devamos procurar um sentimento.

Poster do lançamento da Suite Quadros de uma exposição
Poster do lançamento da Suite Quadros de uma exposição

Deixe um comentário

avatar
  Inscrever  
Notificar de