mercado

Artistas mais vendidos do mundo são revelados no relatório The Hiscox Artist Top 100

Por Equipe Editorial - outubro 4, 2023
383 0
Pinterest LinkedIn

A Hiscox, empresa britânica seguradora e colecionadora de arte, acaba de divulgar o Relatório The Hiscox Artist Top 100. A pesquisa foi elaborada pela ArtTactic, empresa que analisa as principais tendências do mercado de arte contemporânea (feitas depois do ano 2000) e os artistas mais populares dos últimos cinco anos, tanto pelo valor como pelo número das suas obras vendidas em leilão.

Resumo geral do relatório The Hiscox Artist Top 100

  • David Hockney e Aboudia são os artistas mais vendidos em 2022, com base no valor do leilão global e na maioria das obras de arte vendidas, respectivamente;
  • As tendências de cinco anos mostram que as vendas de arte contemporânea em valor atingiram o pico em 2021 e um número recorde de obras de arte foram vendidas em leilão em 2022;
  • Mais arte sendo vendida à medida que as vendas de ‘tinta úmida’ (obras de arte leiloadas dentro de dois anos de produção) aumentam 166% em 2022

Tendências artísticas do relatório The Hiscox Artist Top 100

  • David Hockney lidera o ranking de valor de vendas de 2022, gerando US$ 75 milhões em vendas para obras feitas após 2000. Ele foi seguido por Yayoi Kusama (US$ 62 milhões), Yoshitomo Nara (US$ 49 milhões), Cy Twombly (US$ 46 milhões) e Adrian Ghenie (US$ 34 milhões);
  • Aboudia vendeu mais obras de arte em 2022, com um total de 75 obras, seguida por Damien Hirst (73 lotes), Edgar Plans (65 lotes), Yoshitomo Nara (62 lotes) e Jordy Kerwick (61 lotes);
  • Banksy gerou o maior valor de vendas nos últimos cinco anos – faturando US$ 205 milhões em leilões de obras de arte pós-2000. Isto foi seguido por Yoshitomo Nara (US$ 189 milhões), George Condo (US$ 183 milhões), Yayoi Kusama (US$ 177 milhões) e KAWS (US$ 136 milhões);
  • KAWS vendeu o maior número de lotes nos últimos cinco anos, com 397 obras de arte, excluindo impressões e edições limitadas, por um total de US$ 136 milhões. Ele foi seguido por Yoshitomo Nara (269 lotes), Damien Hirst (226 lotes), George Condo (219 lotes) e Yayoi Kusama (181 lotes).

Reinado de Banksy em perigo?

As obras de arte de Banksy geraram impressionantes US$ 205 milhões em leilão nos últimos cinco anos até 2022, enquanto o KAWS está no topo da lista com o maior número de peças vendidas no mesmo período.

Apesar de Banksy estar no topo da lista em valor nos últimos cinco anos, a procura pelas suas obras tem caído desde 2021 – com as vendas em leilão de obras únicas caindo 73% em 2022, e o número de obras únicas a serem leiloadas caindo 33%.

Com o mercado de Banksy em retração, David Hockney subiu ao topo do ranking de vendas em leilão por valor em 2022 para obras produzidas depois de 2000, empurrando Banksy para o sexto lugar. As obras mais recentes de Hockney arrecadaram US$ 75 milhões, quase quatro vezes o valor das vendas em 2021. A pintura mais valiosa de Hockney vendida em 2022 foi ‘Winter Timber’ (2009), que foi vendida por US$ 20 milhões na Christie’s em Nova York em novembro.

Hiscox
‘Winter Timber’ (2009), de David Hockney, foi a pintura mais valiosa do artista vendida em 2022, batendo US$ 20 milhões na Christie’s em Nova York.

Embora o artista americano KAWS tenha vendido mais obras entre 2018 e 2022 do que outros artistas, o número de suas peças em leilão caiu 83% desde o pico em 2019, deixando-o em 17º lugar em 2022.

Hiscox
Exposição de Kaws na Galeria Nacional de Victoria em 2019. Fotografia: Tom Ross

No ano passado, o artista contemporâneo americano-marfinense Aboudia liderou a lista, com um total de 75 obras vendidas.

Hiscox
LES BARAMOGOH DU GHETTO, 2022, ABOUDIA

Na sequência, vem Damien Hirst, que voltou e emergiu como o segundo artista mais vendido em número de obras (73), com o número de lotes vendidos mais que dobrando em relação a 2021.

Hiscox
Damien Hirst, em 2011, em sua galeria em Londres Foto: Andrew Testa / The New York Times

Robert Read, Chefe de Arte e Clientes Privados da Hiscox, disse: “Banksy e KAWS dominaram os últimos cinco anos, mas isso não é tudo. A popularidade da arte contemporânea é influenciada pelo que está a acontecer num momento específico, por isso não é surpreendente ver o dinheiro fluindo para artistas mais estabelecidos como Hockney no ano passado, uma vez que a economia passou por uma turbulência significativa. Os artistas contemporâneos oferecem uma nova forma de olhar o mundo, porque muitas vezes nos falam sobre questões e crenças emergentes através do seu trabalho. Quando olharmos para esses artistas novamente daqui a um ano, sua popularidade sem dúvida terá mudado. É realmente uma montanha-russa no mundo da arte contemporânea.”

Mais arte sendo leiloada

Nos últimos dois anos assistimos a um aumento significativo no valor das obras contemporâneas vendidas, atingindo um pico em 2021 de quase 1,2 mil milhões de dólares. Houve também um salto significativo no número de obras vendidas em leilão em 2022, com 5.726 peças pós-2000 vendidas da Sotheby’s, Christie’s e Phillips, um aumento de 48% em relação ao ano anterior.

O relatório HAT 100 também destacou um mercado que se tornou cada vez mais especulativo, com o número de obras de “pintura húmida” (aquelas revendidas em leilão no prazo de dois anos após terem sido feitas) mais do que duplicando no ano passado. Em 2022, 1.033 lotes de tinta úmida foram vendidos em leilão na Christie’s, Sotherby’s e Phillips, acima dos 478 oferecidos em 2021 – um aumento de 116%.

Read acrescentou: “Suspeitávamos que, com o tempo, o mercado contemporâneo se tivesse tornado mais especulativo, mas no ano passado as vendas de tintas húmidas dispararam. A arte é uma classe de ativos atraente para os investidores no longo prazo, mas a revenda em períodos tão curtos pode ter um efeito desestabilizador no mercado, pois cria uma bolha especulativa.”

Expectativas para 2023

Os primeiros dados para 2023 colocam Yayoi Kusama como o favorito para vendas totais, tendo ultrapassado David Hockney nos primeiros seis meses do ano.

Hiscox
Yayou Kusama

Os números de janeiro ao final de junho de 2023 também indicam uma reorganização significativa do top 10 restante, com artistas como Jeff Koons, Takashi Murakami, Cecily Brown, Matthew Wong, Nicolas Party e Mark Bradford esperados para fazer uma aparição. Damien Hirst lidera os lotes vendidos em 2023 até agora, seguido por Yoshitomo Nara e Yayoi Kusama.

O relatório completo está disponível para download e consulta aqui.

Leia também: A reputação e as redes de status no mercado de arte

Não foi possível salvar sua inscrição. Por favor, tente novamente.
Sua inscrição foi bem sucedida.

Você quer receber informações sobre cultura, eventos e mercado de arte?

Selecione abaixo o perfil que você mais se identifica.

Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários