Movimentos

Impressionismo: contexto histórico, características e seus artistas

Por Equipe Editorial - janeiro 13, 2021
4918 0
Pinterest LinkedIn

O impressionismo é um movimento artístico surgido na França em 1870. Rompendo com a estética vigente na época, seus artistas não se preocupavam em retratar a realidade com precisão; mas sim que as obras fossem vistas em si mesmas. Trata-se da captura de uma cena a partir do olhar do pintor, um recorte.

Em vez de pintar em um estúdio, os impressionistas passaram a produzir suas obras ao ar livre, capturando os efeitos da luz solar. Consequentemente, tivemos uma mudança no estilo de confecção das obras, com pinceladas rápidas e quebradas a fim de retratar a luz e seus movimentos.


1. Contexto histórico

Ao longo do século XIX (19), a maioria dos pintores franceses produziram obras que iam ao encontro dos critérios tradicionais valorizados pela Academia de Belas Artes de Paris.

A instituição organizava os salões de arte exibindo obras que retratavam assuntos convencionais da época (cenas históricas, mitológicas e alegóricas) reproduzidas em um estilo realista.

Conhecido como Associação Cooperativa e Anônima de Pintores, Escultores e Gravadores, esse grupo de artistas (Claude Monet, Pierre-Auguste Renoir, Edgar Degas, Camille Pissarro, entre outros) realizaram sua primeira exposição em 1874, visando contrapor a estética de arte tradicional citada acima.

Claude Monet Impression soleil levant
Claude Monet, Impression: soleil levant

2. Principais características do Impressionismo

A primeira vez que o público teve contato com a obra dos impressionistas foi numa exposição coletiva realizada em Paris, em abril de 1874. Mas, o público e a crítica reagiram muito mal ao novo movimento, pois ainda se mantinham fiéis aos princípios acadêmicos da pintura. Listamos as principais características do Impressionismo:

  • A pintura deve registrar as tonalidades que os objetos adquirem ao refletir a luz solar num determinado momento, pois as cores da natureza se modificam constantemente, dependendo da incidência da luz do sol.
  • As figuras não devem ter contornos nítidos, pois a linha é uma abstração do ser humano para representar imagens.
  • As sombras devem ser luminosas e coloridas, tal como é a impressão visual que nos causam, e não escuras ou pretas, como os pintores costumavam representá-las no passado.
  • Os contrastes de luz e sombra devem ser obtidos de acordo com a lei das cores complementares. Assim, um amarelo próximo a um violeta produz uma impressão de luz e de sombra muito mais real do que o claro-escuro tão valorizado pelos pintores barrocos.
  • As cores e tonalidades não devem ser obtidas pela mistura das tintas na paleta do pintor. Pelo contrário, devem ser puras e dissociadas nos quadros em pequenas pinceladas. É o observador que, ao admirar a pintura, combina as várias cores, obtendo o resultado final. A mistura deixa, portanto, de ser técnica para se óptica.

3. O impressionismo no Brasil

A pintura rápida de paisagem ao ar livre e o comércio da inovadora gama de cores industriais foram condições do surgimento do Impressionismo na França na década de 1870. Na década seguinte, as mesmas condições passaram a existir no Rio de Janeiro. No fim do século XIX, a designação de impressionista aplicada a pintores brasileiros já era usada pela imprensa local.

O pintor Grimm implantou o ensino da pintura de paisagem ao ar livre no Rio de Janeiro em 1884, na Academia de Belas Artes, contra a vontade dos acadêmicos.

Johann Georg Grimm
Johann Georg Grimm

Dois anos depois, seu contrato não foi renovado, e Grimm deixou a Academia, seguido por sete discípulos fiéis que o acompanharam até a praia de Boa Viagem, em Niterói — dentre eles, Castagneto e Parreiras, que desenvolveram a própria técnica de pintura ao ar livre nos anos seguintes. Castagneto era especialmente rápido ao pintar.

Nas décadas de 1890 e 1900, Visconti, os irmãos Arthur e João Timóteo da Costa e o casal Georgina e Lucílio de Albuquerque viajaram à França com prêmios e bolsas governamentais, lá testemunhando a consagração do Impressionismo.

Eliseu Visconti, MOÇA NO TRIGAL – c.1916: Impressionismo
Eliseu Visconti. Moça no Trigal, 1916

De volta ao Brasil, desenvolvem a pintura rápida de paisagem ao ar livre, já sabendo sobre a técnica impressionista. Visconti, por exemplo, foi chamado de impressionista em 1898 pela imprensa brasileira. Aqui praticaram o Impressionismo também Antônio Garcia Bento, Mário Navarro da Costa e Henrique Cavalleiro.


4. Principais artistas

Claude Monet (1840-1926) 

Claude Monet foi pintor francês e é considerado um dos mais importantes artistas do Impressionismo.

Monet rejeitou a abordagem tradicional da pintura de paisagem e, em vez de copiar os velhos mestres, ele aprendeu com seus amigos e com a própria natureza. 

Monet observou variações de cor e luz causadas pelas mudanças diárias ou sazonais.

Impressionismo, Femmes au jardin,1866
Femmes au jardin, 1866

Impressionismo; Nympheas en fleur”. Claude Monet, 1914
Nympheas en fleur, 1914

Pierre-August Renoir (1841-1919)

Pierre Renoir foi um pintor francês, considerado um dos grandes nomes do movimento Impressionista. As suas pinturas são notáveis ​​por sua luz vibrante e cores saturadas, na maioria das vezes focando nas pessoas em composições íntimas e sinceras. 

O nu feminino foi um de seus temas principais. Num estilo impressionista característico, Renoir sugeria os detalhes de uma cena por meio de toques de cor livremente escovados, de modo que suas figuras se fundissem suavemente umas com as outras e com seus arredores.

Impressionismo; Duas irmãs (no terraço), 1881
Duas irmãs (no terraço), 1881

O Baile no Moulin de la Galette
O Baile no Moulin de la Galette, 1876

Mary Cassatt (1844-1926)

Mary Stevenson Cassatt foi uma pintora e gravurista norte-americana. Ela viveu grande parte de sua vida adulta na França e fez amizade com Edgar Degas e se envolveu entre pintores impressionistas.

Cassatt costumava criar imagens da vida social e privada das mulheres, com ênfase particular nos laços íntimos entre mães e filhos.

Impressionismo; Breakfast in Bed, 1897
Breakfast in Bed, 1897

Impressionismo; Summertime 2, 1894
Summertime 2, 1894

Edgar Degas (1834-1917)

Edgar Degas foi um artista francês famoso por seu trabalho em pintura, escultura, gravura e desenho. Ele é considerado um dos fundadores do impressionismo, embora rejeitasse o termo e preferisse ser chamado de realista. 

Um desenhista esplêndido, ele é especialmente identificado com o tema da dança, e mais da metade de suas obras retratam dançarinos. 

Estes mostram sua maestria na representação de movimento, assim como seus sujeitos em hipódromos e nus femininos. Seus retratos são considerados um dos melhores da história da arte.

Impressionismo; Ballet Rehearsal, 1873
Ballet Rehearsal, 1873

Impressionismo
Blue Dancers, 1899

Veja também:


Não foi possível salvar sua inscrição. Por favor, tente novamente.
Sua inscrição foi bem sucedida.

Você quer receber informações sobre cultura, eventos e mercado de arte?


Selecione abaixo o perfil que você mais se identifica 

(Atenção: Os e-mails podem ir para sua caixa de promoções)


Fontes:


Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários