Museu

Diretor do Museu Britânico deixa o cargo em meio a escândalo de roubos

As denúncias sobre suspeita de roubo aconteceram há 2 anos e foram ignoradas pelo Museu.

Por Equipe Editorial - agosto 28, 2023
335 0
Pinterest LinkedIn

O diretor do Museu Britânico, Hartwig Fischer, está deixando o cargo imediatamente, encerrando precocemente seu mandato na instituição londrina. Fischer disse que sai devido à controvérsia sobre o roubo de objetos da coleção do museu, supostamente por um curador sênior da equipe do museu.

O caso começou depois que Ittai Gradel, um negociante de antiguidades holandês, relatou ao Museu Britânico sobre os roubos de antiguidades, há dois anos, e alegou que as suas informações tinham passado despercebidas. Enquanto Fischer afirmou, anteriormente, que levou as alegações de Gradel “a sério”. Em comunicado divulgado na sexta-feira, Fischer mudou de opinião.

“Nos últimos dias tenho revisado detalhadamente os acontecimentos em torno dos roubos do Museu Britânico e a investigação sobre eles”, escreveu Fischer em comunicado à imprensa. “É evidente que o Museu Britânico não respondeu de forma tão abrangente como deveria em resposta aos avisos de 2021 e ao problema que agora emergiu plenamente. A responsabilidade por essa falha deve, em última instância, recair sobre o Diretor.

“A situação que o Museu enfrenta é da maior gravidade”, continuou Fischer. “Acredito sinceramente que este momento passará e emergirá mais forte, mas infelizmente cheguei à conclusão de que a minha presença está a revelar-se uma distração. Essa é a última coisa que eu gostaria. Nos últimos sete anos, tive o privilégio de trabalhar com alguns dos servidores públicos mais talentosos e dedicados. O Museu Britânico é uma instituição incrível e foi a honra da minha vida liderá-la.”

A confirmação dos itens roubados

Sua renúncia ocorreu após o anúncio oficial do museu, em 16 de agosto de 2023, sobre itens desaparecidos, roubados e danificados de sua coleção; uma revisão independente de seus protocolos de segurança e, como resultado, a demissão de um funcionário.

As notícias identificaram o funcionário demitido como o veterano curador de antiguidades gregas Peter Higgs , que havia levado mais de 1.500 itens. A maioria dos itens eram pequenas peças de joias de ouro e gemas de pedras semipreciosas e vidro que datam do século 15 a.C. ao século 19, que foram guardadas principalmente para fins acadêmicos e de pesquisa. Nenhum deles estava em exibição recentemente. As antiguidades teriam sido listadas na plataforma de comércio eletrônico eBay por apenas US$ 51 .

Diretor do Museu Britânico
O especialista em arte Peter Higgs durante uma coletiva de imprensa em 2017. Crédito: SAMUEL DE ROMAN/GETTY IMAGES

Várias horas depois de Fischer anunciar que deixaria o cargo imediatamente, o museu também enviou uma declaração de que o vice-diretor Jonathan Williams “concordou em se afastar voluntariamente de suas funções normais até que a revisão independente sobre os roubos no Museu fosse concluída. Isso acontecerá com efeito imediato.”

Relatórios da BBC News, The New York Times e The Telegraph disseram que Gradel também contatou Williams, o curador Paul Ruddock e o presidente do conselho George Osbourne em 2021 sobre suas preocupações com itens da coleção do museu sendo listados no eBay. No entanto, Williams respondeu a Gradel por e-mail que uma “investigação minuciosa” não encontrou “nenhuma sugestão de qualquer irregularidade”, acrescentando que o “acervo da instituição está protegido”.

Em 25 de agosto, Osbourne também divulgou um comunicado sobre a decisão de Fischer de renunciar imediatamente, chamando a situação de “período turbulento” e enfatizando a intenção da instituição “de consertar o que deu errado”. O ex-chanceler do governo do Reino Unido não recebeu os mesmos apelos para renunciar ao seu cargo que Fischer ou Williams.

Escândalo leva à pressão internacional por devolução de itens

Como resultado do escândalo, autoridades da Nigéria e da Grécia pressionaram mais uma vez para que o Museu Britânico repatriasse os Bronzes do Benin e os Mármores do Partenon da instituição devido a questões sobre a sua segurança e proteção.

Diretor do Museu Britânico
Bronzes do Benim são uma coleção formada por mais de mil peças que provêm dos palácios reais da cidade do Benim, capital do antigo Reino do Benim. Foram criadas pelos povos edos desde o século XIII. Em 1897, os britânicos apoderaram-se da maior parte delas. Centenas foram levadas para o Museu Britânico, em Londres, enquanto o resto foi repartido entre outros museus. Crédito: Wikipedia
Diretor do Museu Britânico
Os Mármores de Elgin, também conhecidos como Mármores do Partenon, são uma grande coleção de esculturas em mármore levadas da Grécia para a Grã-Bretanha em 1806 junto ao império Otomano. Valendo-se do domínio deste sobre os territórios da Grécia, obteve uma autorização do sultão para removê-los do Partenon. As esculturas encontram-se no Museu Britânico, em Londres.

Com informações de Art News

Leia também: Investigações apuram a origem das antiguidades do Met Museum

Não foi possível salvar sua inscrição. Por favor, tente novamente.
Sua inscrição foi bem sucedida.

Você quer receber informações sobre cultura, eventos e mercado de arte?

Selecione abaixo o perfil que você mais se identifica.

Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários