Museu

Investigações apuram a origem das antiguidades do Met Museum

Relatórios do Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ) conectam aquisição de artigos a contrabandistas

Por Equipe Editorial - março 26, 2023
285 0
Pinterest LinkedIn

Investigações sobre a coleção de antiguidades do Met Museum (The Metropolitan Museum of Art), em Nova York, questionam a origem dos seus acervos, com mais de 1.000 obras que pertenciam a indivíduos indiciados ou condenados por crimes ligados a roubo e contrabando de antiguidades.

“O Met dá o tom para os museus de todo o mundo”, disse Tess Davis, diretora executiva da Coalizão de Antiguidades, que busca acabar com o tráfico de artefatos culturais, ao Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos . “Se o Met está deixando todas essas coisas escaparem, que esperança temos para o resto do mercado de arte?”

O relatório do ICIJ investigou as origens da coleção de antiguidades do Met, bem como as práticas de aquisição, mesmo depois que muitas nações introduziram leis que impediam a exportação de seus artefatos culturais históricos.

Antiguidades saqueadas devolvidas após investigações no Met Museum

Nos últimos anos, o Met restituiu voluntariamente vários itens de seu acervo identificados como arte saqueada. O museu também foi objeto de várias apreensões que confiscaram 32 artefatos egípcios.

Michael Steinhardt, um doador que tem uma galeria no museu batizada em sua homenagem, também foi alvo de investigações. Após ter mais de 100 obras de sua coleção apreendidas em 2021, Steinhardt concordou com a proibição vitalícia de colecionar antiguidades.

Investigações Met Museum
Um trio de esculturas antigas da coleção do Met Museum que o Camboja diz ter sido saqueado. Deidade feminina em pé, provavelmente Uma (ca. meados do século XI). Vishnu de quatro braços em pé (segunda metade do século VII). Avalokiteshvara de oito braços em pé, o Bodhisattva da Compaixão Infinita (final do século XII). Foto: Met Museum

“Claramente, os padrões de coleta mudaram nas últimas décadas”, disse um porta-voz do Met à Artnet News por e-mail. “O campo evoluiu e o Met tem sido um líder nesse progresso. Além do nosso compromisso com todas as leis e normas profissionais, nossas ações são orientadas por três atividades: pesquisa, transparência e colaboração.”

Como começou a coleção do Meu Museum?

O Met foi inaugurado em 1880 com uma compra inicial de apenas 174 pinturas. Construir uma coleção institucional para rivalizar com a de instituições muito mais antigas em Paris e Londres foi uma tarefa difícil – e que o então diretor Thomas Hoving levou a sério, dando início a uma grande onda de compras na década de 1960 que trouxe artefatos valiosos de todo o mundo, incluindo Grécia, Itália, Egito, Índia e Camboja.

Para enriquecer o acervo do museu, Hoving contou com uma extensa lista de contatos de contrabandistas e intermediários que “era mais longa do que qualquer outra no campo”, admitiu ele em um livro de memórias de 1994.

Investigações Met Museum
O Met repatriou duas estátuas saqueadas do Khmer Kneeling Attendant ligadas ao marchand Douglas Latchford ao Camboja em 2013. Foto: Met Museum

Quando se tratava de aumentar o patrimônio de antiguidades do Met, Hoving via o trabalho com contrabandistas como um meio necessário para um fim – e admitia que se uma nação provasse que algo foi roubado, o museu teria que devolvê-lo em algum momento, pois “arriscamos quando comprou o material.”

O que diz o relatório do ICIJ?

O relatório do ICIJ identifica 1.109 peças – 309 atualmente expostas – que pertenceram a pessoas indiciadas ou condenadas por crimes relacionados a antiguidades antes de terminarem no Met. Menos da metade deles tem registros de proveniência que explicam como deixaram seu país de origem.

Hoving escreveu em suas memórias sobre ter mudado de opinião sobre a colaboração com contrabandistas depois de participar de audiências da UNESCO sobre antiguidades saqueadas e mudar as práticas de coleta do museu. Mas há riscos na aquisição de antiguidades até hoje – que o Met aprendeu da maneira mais difícil quando Kim Kardashian posou na gala do Met de 2018 com uma múmia dourada brilhante que combinava com seu vestido metálico.

Investigações Met Museum
Kim Kardashian no Met Gala 2018 ao lado do sarcófago de Nedjemankh. Crédito: Reprodução.

A foto viralizou e levou os investigadores a descobrirem que a obra recém-adquirida havia sido saqueada durante a revolução de 2011 no Egito e transportada para fora do país com uma licença de exportação falsificada. O Met não teve escolha a não ser devolvê-lo.

Outras restituições podem ocorrer em breve

O relatório do ICIJ destacou uma estátua de Shreedhar Vishnu, um deus protetor hindu, que o Met recentemente removeu de sua lista de coleções online, sugerindo seu retorno iminente ao Nepal. Ladrões roubaram a figura de um santuário na vila de Bungmati na década de 1980, interrompendo os rituais religiosos locais. Um colecionador acabou doando a estátua para o Met uma década depois, onde permaneceu até ser descoberta em 2021 pela conta anônima do Facebook Lost Arts of Nepal.

Com base em fotografias de arquivo de templos nepaleses, a organização acredita ter identificado três relíquias saqueadas adicionais que agora fazem parte da coleção do Met. Uma estátua de madeira pintada à mão da Deusa da Dança, ou Nrityadevi, é supostamente do templo budista de I Baha Bahi no vale de Kathmandu, enquanto um suporte de madeira ornamentado é supostamente de um templo em Bhaktapur.

Falta de registros abre suspeitas

Embora tenha havido saques pesados ​​no Nepal e na Caxemira, apenas três das 250 antiguidades do Met dessas regiões têm algum registro sobre como inicialmente deixaram seu país de origem. O Nepal tem uma proibição de exportação de antiguidades desde 1956, o que significa que muitas obras adquiridas internacionalmente depois daquele ano provavelmente foram roubadas.

“Ter essas peças nepalesas em exibição é como ter um monte de cocaína no meio da sala”, disse Erin Thompson, consultora da Campanha de Recuperação do Patrimônio do Nepal, ao ICIJ.

A ligação com contrabandistas conhecidos

A coleção do falecido Samuel Eilenberg é o único registro de proveniência de cerca de 15% da coleção nepalesa do Met e 31% das peças da Caxemira. A ficha de Eilenberg é limpa, mas ele tinha ligações com os traficantes Douglas Latchford, que foi acusado de tráfico de antiguidades saqueadas do Camboja antes de sua morte em 2020, e Jonathan P. Rosen, acusado em um caso de tráfico de antiguidades italianas em 1997.

No ano passado, o Camboja acusou o Met de possuir 33 objetos de Latchford. O Museu de Arte de Denver concordou anteriormente em restituir quatro antiguidades do Camboja ligadas a Latchford.

Instituições que devolveram artefatos supostamente saqueados que vieram de Rosen incluem o Cleveland Museum of Art, o Getty Museum em Los Angeles e a Cornell University em Ithaca, Nova York. E o parceiro de negócios de Rosen, o falecido Robert E. Hecht, também enfrentou acusações de contrabando na Itália em várias ocasiões, embora o caso tenha sido arquivado devido ao estatuto de limitações.

Hoje, mais de 20 obras do acervo do Met vieram de Hecht, que continuou vendendo para a instituição mesmo sob investigação. O museu devolveu um vaso grego que comprou dele por US$ 1 milhão para a Itália em 2008 – mas ainda tem mais sete e nenhum registro sobre como eles deixaram seus países de origem. Há também sete obras na coleção do Met da galeria do contrabandista de antiguidades condenado Gianfranco Becchina.

Outro nome de bandeira vermelha que aparece na coleção do Met é Subhash Kapoor, um traficante condenado no ano passado a 10 anos de prisão na Índia por contrabando de antiguidades. O museu tem 85 peças ligadas a Kapoor ou à sua galeria, incluindo Celestial Dancer, uma grande obra adquirida por doação em 2015 – quatro anos após a prisão inicial de Kapoor. O Met removeu informações de seus arquivos de coleção on-line, observando que o trabalho uma vez “ornamentou um templo hindu do norte da Índia” na atual Uttar Pradesh.

Com informações de Artnet.com

Não foi possível salvar sua inscrição. Por favor, tente novamente.
Sua inscrição foi bem sucedida.

Você quer receber informações sobre cultura, eventos e mercado de arte?

Selecione abaixo o perfil que você mais se identifica.

Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários