Museu

Roubo ao museu de Dresden: 5 homens são presos por crime de 2019

Após anos de investigações e de julgamento, finalmente, todos os cinco assaltantes foram condenados entre quatro a seis anos de prisão.

Por Equipe Editorial - maio 17, 2023
360 0
Pinterest LinkedIn

O roubo ao museu de Dresden, na Alemanha, chocou o mercado de artes com a perda de joias e outras peças avaliadas em 113 milhões de euros em 2019. A polícia recuperou muitos itens, incluindo uma espada incrustada de diamantes, mas acredita-se que o restante do tesouro saqueado nunca seja encontrado. Após anos de investigações e de julgamento, finalmente, todos os cinco assaltantes foram condenados entre quatro a seis anos de prisão.

Um assalto planejado

O assalto foi meticulosamente planejado. A quadrilha, que morava em Berlim, visitou o local várias vezes e preparou seu ponto de entrada com antecedência, usando uma máquina de corte hidráulica para serrar as barras de uma cobertura protetora de janela antes de colocá-las de volta no lugar. Então, nas primeiras horas da manhã de 25 de novembro de 2019, eles atearam fogo a um painel de disjuntores perto do museu, tornando as ruas ao redor escuras, enquanto dois dos homens entravam.

As imagens do circuito interno de TV capturaram os ladrões usando máscaras e empunhando machados enquanto entravam no Gruenes Gewoelbe – ou Green Vault – e quebraram as vitrines de vidro para chegar ao tesouro. Os ladrões então borrifaram um extintor de espuma sobre a sala para cobrir seus rastros antes de fugir em um Audi que eles deixaram em um estacionamento.

Após um ano de investigação, a polícia fez suas primeiras prisões. Todos os condenados hoje são membros do “clã Remo”. Existem vários “clãs” na Alemanha; redes familiares responsáveis ​​por grandes crimes organizados, incluindo assaltos a lojas e a bancos.

Um dos ladrões de Dresden foi anteriormente condenado pelo roubo de uma moeda de ouro gigante, que pesava 100 kg, do museu Bode de Berlim em 2017. A moeda nunca foi recuperada e acredita-se que tenha sido quebrada ou derretida.

“Existem pessoas que roubam obras de arte por paixão pela arte, mas isso é exatamente o oposto”, diz o professor Marion Ackermann, diretor geral das Coleções de Arte do Estado de Dresden. “Eles não tinham ideia do que haviam levado.”

Peça incrustada de diamantes roubada do histórico Green Vault em novembro de 2019. Crédito: Reuters

Inicialmente, houve temores de que, como a moeda de ouro, o tesouro se perdesse para sempre. Mas muitos dos itens roubados foram devolvidos ao museu depois que três dos homens confessaram o roubo e concordaram em divulgar a localização do saque em troca de sentenças mais leves como parte de um acordo com os promotores. No entanto, várias peças ainda estão faltando, incluindo um diamante muito raro chamado Pedra Branca da Saxônia.

Peças de um tesouro

Os itens faziam parte de um tesouro coletado no século 18 por Augusto, o Forte, o Eleitor da Saxônia. Ele não apenas acumulou peças cobertas de diamantes e pedras preciosas, mas projetou o Cofre Verde para exibi-las. O professor Ackermann diz que a perda de parte da coleção foi particularmente dolorosa porque o conceito de Augusto era que o visitante deveria ver todo o conjunto e se surpreender com a variedade de cores e pedras.

Medidas de segurança para evitar roubo a museus

A audácia do assalto chocou o mundo da arte. Mas a invasão também levantou questões sobre a adequação das medidas de segurança do museu. Até mesmo um dos ladrões expressou surpresa durante o julgamento por terem conseguido cortar as grades das janelas aparentemente sem detecção, apesar do ruído gerado por seu equipamento de corte.

O professor Ackermann insistiu que o sistema de segurança era um dos melhores da Alemanha, mas, acrescentou, “um sistema de segurança possui muitos aspectos. O edifício, a organização, e também os aspectos técnicos. E, como numa cadeia, todos têm de funcionar e, neste caso, muitas coisas não funcionaram. ” Ela diz que um sistema projetado para escannear as paredes externas do museu falhou e que os guardas sentados na sala de segurança central, que viam os acontecimentos em seus monitores, demoraram a chamar a polícia.

Uma espada incrustada com vários diamantes grandes e dezenas de menores foi recuperada pela polícia. Crédito: Reuters

Hoje, o sistema de segurança foi reformulado e a equipe do museu voltou sua atenção para a restauração das joias. Os especialistas estão otimistas de que o tesouro de Augusto pode ser trazido de volta à sua antiga glória e, eventualmente, voltar à exibição pública. Mas os curadores estão resignados com a perda do restante do tesouro e aceitam que é improvável que a coleção volte a ser completa.

Leia também – Roubo de arte: os 7 maiores casos do Brasil

Não foi possível salvar sua inscrição. Por favor, tente novamente.
Sua inscrição foi bem sucedida.

Você quer receber informações sobre cultura, eventos e mercado de arte?

Selecione abaixo o perfil que você mais se identifica.

Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários