Museu

Em meio a investigações, Met Museum cria equipe de pesquisa de proveniência

O museu responde às acusações de que sua coleção inclui artefatos saqueados, criando seu maior braço de pesquisa até o momento.

Por Equipe Editorial - maio 17, 2023
295 1
Pinterest LinkedIn

O Met Museum (Metropolitan Art Museum), em Nova York, está sob intensa investigação sobre sua coleção de mais de 1,5 milhão de objetos. Autoridades policiais, estudiosos e meios de comunicação repetidamente apontam para a presença de artefatos saqueados no inventário da instituição. Em resposta, o Met planeja contratar sua própria equipe interna de pesquisa de proveniência, de acordo com o The New York Times.

Met Museum enfrenta pedidos de devolução de artefatos a seus países de origem

Os pedidos para que o Met devolva objetos com problemas de proveniência aumentaram na última década. Em 2022, autoridades do Camboja pediram ao governo dos Estados Unidos que ajudasse a garantir a devolução de itens patrimoniais e o Ministério Público de Manhattan apreendeu antiguidades da Turquia, Egito e Itália do museu e as devolveu a seus países de origem.

Met Museum
Sala de coleção grega e romana do Met Museum. Crédito: The Art Newspaper

Em uma carta distribuída à equipe, Max Hollein, diretor do museu, escreveu: “Cabe ao Met se envolver de forma mais intensa e proativa no exame de certas áreas da nossa coleção. O surgimento de informações novas e adicionais, juntamente com o clima em mudança na propriedade cultural, exige que dediquemos recursos adicionais a este trabalho”.

A equipe de pesquisa de proveniência

O esquadrão de pesquisa de proveniência será formado por quatro pessoas do Met e irá contar também com um grupo de líderes, defensores e formadores de opinião na área de bens culturais, além de um comitê de 18 conservadores e curadores. As pesquisas terão um foco principal nos acervos coletados entre 1970 a 1990, quando a coleção do museu cresceu rapidamente

“Antigamente, a atitude costumava ser: não adquira algo que você sabe que foi roubado. A atitude hoje é: não adquira algo até ter certeza de que não foi roubado”, disse Maxwell Anderson, ex-diretor do Museu de Arte de Dallas e do Museu Whitney de Arte Americana, ao Times.

Investigações e ligação com contrabandistas conhecidos

Em 2015, o Met foi criticado por possuir objetos provenientes de Subhash Kapoor, um negociante de Manhattan acusado de ser um dos contrabandistas de bens roubados mais prolíficos do mundo.

Met Museum
Subhash Kapoor; Crédito: India Times

O museu não revisou os itens até 2019 e devolveu alguns deles apenas em 2023. Em setembro de 2022, a Unidade de Tráfico de Antiguidades da promotoria distrital de Manhattan apreendeu US$ 13 milhões em artefatos do Met; em março, os investigadores também removeram uma estátua de $ 25 milhões do imperador romano Septimus Severus. E em 9 de maio, o escritório do promotor distrital de Manhattan anunciou o retorno de duas esculturas de pedra funerárias do século VII, avaliadas em quase US$ 3,5 milhões para a China; os objetos estavam emprestados ao Met desde 1998.

Met Museum
Peças devolvidas ao governo indiano pelo Met Museum. Crédito: Polícia de Manhattan

O diretor do Met destacou a abordagem não combativa do museu em relação às reivindicações de restituição e apreensões pelas autoridades. “Estamos em diálogo constante e às vezes somos confrontados com evidências que não conhecíamos. Trabalhamos em parceria com as investigações” disse ele.

Leia também: Investigações apuram a origem das antiguidades do Met Museum

Não foi possível salvar sua inscrição. Por favor, tente novamente.
Sua inscrição foi bem sucedida.

Você quer receber informações sobre cultura, eventos e mercado de arte?

Selecione abaixo o perfil que você mais se identifica.

Inscrever
Notificar de
guest
1 Comentário
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários
Milton Faria
Milton Faria
11 meses atrás

A arte precisa ser preservada. Quanto aos desvios das artes plasticas é quase que notoriamente em todo o mundo. O guardar, também, faz parte das artes visuais.