Não categorizado

Por que a avaliação de arte é tão importante?

Por Paulo Varella - fevereiro 17, 2022
242 0
Pinterest LinkedIn

Existem muitos fatores por trás da avaliação ou precificação de obras de arte. Para se obter bons resultados de análise, os profissionais que exercem esse trabalho precisam de informações detalhadas a respeito das obras que têm em mãos.

Para fazer bem este trabalho, eles precisam de informações atualizadas sobre os preços das obras de arte que estão avaliando. E os melhores recursos para isso são uma série de profissionais conhecedores de belas artes. Infelizmente, alguns desses “insiders” do mundo da arte não são muito cooperativos e, às vezes, preferem a opacidade à assistência quando se trata de responder às perguntas dos avaliadores.

E quando os profissionais de arte optam por não cooperar, determinar valores precisos torna-se mais difícil, às vezes muito mais difícil.

Infelizmente, o sigilo do preço da arte continua a ser um jogo divertido que muitos insiders adoram jogar, e isto é um obstáculo para o resto de nós, esse jogo de “eu sei quanto vale e você não”.

Considerando que ninguém de fora da “panela” precise saber quanto vale a arte, os insiders podem jogar todos os jogos de preço que quiserem entre si e podem ser tão secretos quanto quiserem. Eles podem ignorar completamente o resto do mundo se isso for importante para eles, e muitas vezes eles o fazem.

avaliação de arte

Mas às vezes as informações de arte se espalham para o mundo exterior, além dos limites excludentes das panelinhas. Algumas pessoas que sabem pouco ou nada sobre arte às vezes precisam saber quanto ela vale e por quê.

Quem são essas pessoas e por que elas precisam dessas informações? aqui estão alguns exemplos:

Companhias de seguros que precisam saber quanto vale a arte para escrever apólices para proprietários de belas artes.

  • Profissionais de seguros que precisam saber quanto pagar em reivindicações que estão sendo feitas por uma arte perdida, roubada, danificada ou destruída.
  • As seguradoras que precisam decidir se pagam ou contestam sinistros.
  • Advogados contratados para auxiliar nos casos envolvendo uma arte.
  • Juízes que precisam se pronunciar sobre casos envolvendo uma arte.
  • Advogados, mediadores ou particulares que estejam tentando resolver divergências ou disputas envolvendo uma arte.
  • Contadores e na declaração de impostos que precisam de informações precisas sobre o valor da arte para herança, doação ou outros fins contábeis.
  • Pessoas que herdam arte e precisam saber quanto vale para impostos, vendas ou outros fins transacionais.
  • Proprietários de obras que precisam saber se sua arte vale a pena doar e, se sim, podem precisar de avaliações formais de doação para serem preparadas para o imposto de renda.
  • Familiares que estejam dividindo bens que incluam o art.
  • Pessoas que desejam saber se sua arte danificada vale a pena ser reparada ou deve ser substituída.
  • Pessoas que desejam substituir uma arte roubada ou destruída por obras ​​de valor semelhante.

Os avaliadores não servem apenas para obter as informações necessárias, mas ainda mais importante, traduzir em uma linguagem para que pessoas menos ligadas ao mundo da arte possam entender, apreciar e tomar uma ação.

avaliador de arte

A fim de fazer o trabalho direito, os avaliadores, ocasionalmente precisam perguntar `a proprietários de galerias, artistas ou outros indivíduos conhecedores quanto valem certas obras de arte. Infelizmente, muitos deles forçam os avaliadores a passar por todos os tipos de obstáculos para obter essas informações ou dificultar os avaliadores em vez de cooperar.

Por exemplo, eles dizem que precisam checar os registros e retornarão com as respostas se ou quando puderem, dizem que o responsável pelos preços não está disponível, tornam-se difíceis de alcançar, param de responder às solicitações, ficam cozinhando os avaliadores por semanas ou até meses com promessas de que vão conseguir, eles pedem todos os tipos de informações pessoais sobre a arte que os proprietários podem não estar dispostos a compartilhar, ou pior de tudo, eles nunca se incomodam em responder às perguntas dos avaliadores em o primeiro lugar.

Todos os avaliadores precisam de respostas simples para perguntas simples, respostas que esses profissionais conhecem, respostas que quase sempre podem fornecer com facilidade, sem esforço e instantaneamente. Mas por qualquer motivo, eles não respondem.

Eu não acho que muitas dessas pessoas entendem os problemas que causam por não cooperarem. Então é importante falar. Ao não fornecer as informações de preços que os avaliadores precisam, você basicamente os força a fazer declarações ou incluir condições em suas avaliações de que certas fontes de informações precisas sobre preços não estavam disponíveis ou não estavam dispostas a ajudar.

Ao se recusar a fornecer aos avaliadores as informações de preço de que eles precisam, você os força a usar fontes menos confiáveis. E fontes menos confiáveis ​​geralmente levam a avaliações menos precisas. Por exemplo, em uma situação em que a galeria de um artista não está disposta a fornecer preços de varejo para uma avaliação de seguro, um avaliador pode ser forçado a confiar amplamente em qualquer informação de preço que possa obter na Internet.

Se os preços on-line forem muito baixos, a avaliação provavelmente subestimará a arte, o que significa que o seguro será insuficiente. Isso pode fazer com que o proprietário não consiga substituir o trabalho ou recuperar o valor total em dinheiro se tiver que fazer uma reclamação. Pode até resultar em perguntas sobre se a arte realmente vale o que foi vendida em primeiro lugar, ou o que está vendendo agora.

Galerias, artistas, consultores de arte e outros profissionais experientes que optam por manter segredo sobre o que vendem, representam, produzem ou conhecem, apenas criam problemas para si mesmos e introduzem incerteza nos mercados de sua arte.

Forçar outras pessoas, não importa quem sejam, a adivinhar os valores da arte quase sempre funciona em detrimento de todos os envolvidos. A falta de informações precisas não faz nada para manter a saúde do mercado de arte ou a confiança que as pessoas precisam ter nele para se sentirem confiantes ao comprar arte ou tomar quaisquer outras decisões monetárias que possam ser obrigadas a tomar.

Os avaliadores são uma ponte essencial entre o mundo da arte misterioso e muitas vezes opaco e todos os outros. Eles ajudam a todos nós a entender como o mundo da arte funciona e, ao fazê-lo, ajudam a fazer o mundo da arte fazer sentido. Toda vez que você coopera com seus pedidos e os ajuda com suas necessidades, todos se beneficiam.

Não foi possível salvar sua inscrição. Por favor, tente novamente.
Sua inscrição foi bem sucedida.

Você quer receber informações sobre cultura, eventos e mercado de arte?

Selecione abaixo o perfil que você mais se identifica.

Estudou cinema na NFTS (UK), administração na FGV e química na USP. Trabalhou com fotografia, cinema autoral e publicitário em Londres nos anos 90 e no Brasil nos anos seguintes. Sua formação lhe conferiu entre muitas qualidades, uma expertise em estética da imagem, habilidade na administração de conteúdo, pessoas e conhecimento profundo sobre materiais. Por muito tempo Paulo participou do cenário da produção artística em Londres, Paris e Hamburgo de onde veio a inspiração para iniciar o Arteref no Brasil. Paulo dirigiu 3 galerias de arte e hoje se dedica a ajudar artistas, galeristas e colecionadores a melhorarem o acesso no mercado internacional.

Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários