A maratonas fazem mal a sua saúde e a Netflix não quer falar a respeito

0
2364
maratona de tv

A Netflix tem muito a ver com a popularidade da frase “maratona” ou “binge”, que significa: compulsão, em inglês.

Nos Estados Unidos a Netflix até criou uma variação do termo “Binge watching” e chamou de “binge racer”. Um “binge racer” é um espectador que quer terminar uma temporada completa de um show dentro 24 horas de seu lançamento, de acordo com um comunicado à imprensa da Netflix.

Mais recentemente, a empresa parece ter recuado no uso de ambos os termos e não incentivar a prática.

O novo normal

Especialistas têm se convencido dos perigos das maratonas normais e principalmente das corridas compulsivas (binge races). O Reader’s Digest fez uma lista (em inglês) abrangente dos perigos potenciais das maratonas, incluindo o aumento do risco da saúde, isolamento social e um sério desperdício de horas preciosas.

No entanto, as maratonas viraram hábito, tanto como termo quanto como hábito. Pessoas falam sobre o assunto com um certo orgulho.

Em meados de 2018, a PCMag.com publicou (em inglês) “22 dicas para aumentar sua visibilidade”, aparentemente para ajudar as pessoas que ficaram paralisadas pela grande quantidade de conteúdo digno de diversão disponível para elas.

Este termo está no dicionário on-line de Oxford desde 2014. Inúmeras revisões de novas séries as classificam de acordo com seu grau de merecimento. As listas de matérias com o título: “Melhores séries para “maratona” são abundantes.

binge-watching

Super fãs e Maratonistas compulsivos

Um comunicado de imprensa da Netflix em 2017 anunciou que o número de participantes na plataforma aumentou 20 vezes entre 2013 e 2016. Ela informou que pelo menos 8,4 milhões de assinantes já fizeram uma maratona compulsiva pelo menos uma vez. Estes dados não são apenas dos consumidores americanos.

Os assinantes no Canadá lideram a tendência, seguidos pelos dos EUA, Dinamarca, Finlândia e Noruega. Você notará que quatro em cada cinco desses países têm invernos longos e fortes.

Consciente de que esse assunto pode criar uma imagem sombria da vida de alguns assinantes, a Netflix diz: “… antes que você pense que os maratonistas são apenas viciados, saiba que para esses super fãs, a velocidade de assistir é um realização para se orgulhar e se gabar. A TV é a paixão deles e a “Binge Racing” é o esporte deles ”.

Este comentário é como o do fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, se vangloriando sobre como nunca mais precisaremos ver nossos amigos pessoalmente.

Uma tendência consolidada

A Netflix trabalhou duro para legitimar o comportamento que os pesquisadores descobriram que afeta a qualidade do sono e está ligada à baixa auto-controle, depressão e ansiedade.

E funcionou. Depois que seu comunicado à imprensa sobre as “Binge Racing” foi publicado, histórias sobre estas tendência apareceram no USA Today, na Fortune, na Entertainment Weekly, na Forbes, na Mashable, na Time, na Variety e em inúmeras outras publicações. Isso é significativo porque uma pesquisa de 2016 conduzida por pesquisadores da Universidade de Toledo mostrou que a influência da mídia e a aceitação social da observação compulsiva foram indicadores significativos da maratona compulsiva.

“Quanto mais as pessoas ouvem sobre os outros fazendo isto, mais provável é que se sintam bem em fazer o mesmo.”

Isto significa que esta matéria que você está lendo, provavelmente causará mais mal do que bem. (hum..)

O sono é o inimigo

Sabemos que a maratona compulsiva era, e presumivelmente ainda é, importante para a Netflix. O CEO Reed Hastings chamou o sono de o maior concorrente da empresa. A função de reprodução automática, que leva automaticamente os espectadores de episódio para episódio, é ativada por padrão.

Mas mais revelador é que a frase do CEO foram os conteúdos de suas comunicações. A palavra “compulsão” apareceu 15 vezes nos comunicados da Netflix até 2017.

A Netflix frequentemente usa seus dados para liberar insights relacionados à maratonas pela mídia para escrever sobre ela.

O termo “Binge” também surgiu em vários relatórios trimestrais de lucros e foi mencionado na estratégia de longo prazo da empresa para os seus investidores.

Alguns exemplos desses comunicados de imprensa são: “A Netflix declara que Binge Watching é a nova norma”, Series, Movie, Series, Repeat: A New Netflix Binge Routine e “Decoding the Defenders: Netflix Unveils the Gateway Shows That Lead to a Heroic Binge

O comunicado de imprensa “binge racer” foi parte de uma campanha da empresa em curso para remover qualquer vergonha atribuída a passar horas na frente de uma tela.

Ele até publicou dados de pesquisa que diziam que “67% das pessoas arriscariam constrangimento para assistir seus programas e filmes favoritos em público”.

maratona netflix

Os picos de tendência

Está claro que a Netflix estava antecipando que o excesso de visualizações poderia sofrer por muito tempo.

Um estudo financiado por ela em 2013 constatou que 73% das pessoas que assistiam TV tinham sentimentos positivos e não se sentiam culpados com a compulsão, e 76% a consideraram um refúgio bem-vindo de suas vidas diárias.

A metodologia indicou que mais da metade dos 3.078 adultos entrevistados não assistiam um programa de TV mais de uma vez por semana, o que nos leva a questionar se a opinião deles sobre a compulsão visual deveria realmente importar.

Um estudo realizado por um pesquisador da Trinity University descobriu que os telespectadores que relataram níveis mais altos de consumo de TV na semana anterior eram menos propensos a se sentirem culpados por fazerem maratonas compulsivas do que aqueles que assistiam menos à TV.

No mesmo comunicado à imprensa, o antropólogo Grant McCracken, contratado pela Netflix para estudar padrões de audiência, declarou que os streamers de TV de hoje não são os viciados em televisão do passado. De acordo com McCracken, eles são buscadores intencionais de novas experiências.

“Os telespectadores não estão mais vendo TV como uma forma de esquecer o dia, estão sintonizando, em sua própria programação, um mundo diferente. Ficar imerso em vários episódios ou até em várias temporadas de um show durante algumas semanas é um novo tipo de escapismo que é especialmente bem-vindo hoje ”, disse ele.

A maratona é o novo pão com manteiga

A Netflix promoveu o “binge watching” porque seus investidores foram informados de que é essencial para a existência da empresa.

Em 2011, o CEO Reed Hastings foi questionado sobre o raciocínio da empresa para disponibilizar temporadas inteiras de uma só vez. “A marca da Netflix para programas de TV é realmente sobre a compulsão”, disse ele. “É para acomodar e assistir episódios após episódios. É viciante, é emocionante, é diferente ”.

Durante uma teleconferência em outubro de 2014, o CEO chamou o desejo dos consumidores de assistir, de um “valor universal”.

A Netflix também disse aos investidores que a disposição do público para o “binge watch” é um indicador da qualidade de seu conteúdo, e que permite que seu conhecimento de quão rápido as pessoas assistem guie suas decisões de programação.

E foi útil de várias maneiras. “Recebemos muitos dados sobre como as pessoas assistem, a rapidez com que assistem, o que realmente impulsiona nossa programação”, disse Hastings durante uma teleconferência de resultados em julho de 2015.

Durante uma teleconferência com investidores em 2013, o COO Ted Sarandos disse: “… é uma aposta bastante segura que se alguém assiste todos os 13 episódios de um show em um curto espaço de tempo que eles adoram esse conteúdo, então é um bom indicador para nós que estamos fazendo com eles. ”

Não vamos falar mais sobre isso

Já em 2018, a Netflix não falou muito sobre a maratona compulsiva. Houve somente um comunicado de imprensa em fevereiro de 2018 relatando que demorava apenas 12 dias para que um novo assinante da Netflix entrasse de sua primeira maratona compulsiva. Mas houve relatos de que a empresa havia instruído os atores que promoviam seus novos programas para evitar a palavra “b” (de binge ou compulsão).

Certamente, não querem que seus shows sejam menos dignos, ou que seus assinantes gostem menos. Mas eles não queriam usar uma palavra que tivesse conotações negativas, pelo menos para alguns.

De qualquer forma, não é mais a palavra que a Netflix quer usar. Há muitos programas que não estão sendo oferecidos pela Netflix. Game of Thrones é uma série da HBO, por exemplo.

O fato é que ame ou odeie, parece que a maratona veio para ficar.

Referências:

  • Media Marathoning and Health Coping
  • Texto original baseado no texto de Debora DSouza (master em social Antropologia pela Oxford University e Jornalismo pela Columbia University)

Comente:

Please enter your comment!
Please enter your name here