Artes Plásticas

Mundo das coisas

Por Paulo Varella - agosto 7, 2012
2718 0
Pinterest LinkedIn

Quem é o artista? Ana Durães
O que vai ter na exposição?
Pinturas inéditas em técnica mista inusitada, e projeções de trabalhos de outras fases de sua produção
Quantas obras serão expostas?
Cerca de 35
Até quando?
07 de outubro

Espaço Cultural Eletrobras Furnas apresenta “Mundo das coisas”

Com pinturas e projeções, a exposição se estrutura em três segmentos:

Os anônimos”: uma série de 20 retratos feitos com estêncil, a partir de fotografia digitalizada, sobre um fundo de camadas descascadas de outdoors. Os retratados são pessoas de sua convivência. Alguns rostos são de reconhecimento público, mas a artista optou por “identificá-los” como anônimos. Daí o título da série.

Mundo das coisas”: pinturas com imagens criadas, reinventadas do cotidiano ou transpostas de fotografias. Uma delas tem como base um registro do húngaro George Brassaï [1899-1984]. Sobre fundo de densas camadas convivem manchas, traços nítidos e obscurecidos. Nesse conjunto, a artista usa, pela primeira vez, a tinta spray como base para a pintura a óleo. A poética reside no que não é aparente no mundo das coisas;

Heterônimos”: projeções de trabalhos de técnicas diversas que Ana Durães cria para o personagem grafiteiro “Rodinei” (Jayme Matarazzo), na novela “Cheias de charme” (TV Globo, 19h, 2012); as criações de “Lena Moretti”, interpretada por Débora Bloch, na minissérie “ Queridos amigos” (TV Globo, 2008), entre as quais um marcante retrato de Juca de Oliveira, pai de “Lena”, e as pinturas expressionistas de “Ingrid Hermanns”, heterônimo que Ana Durães criou para si própria. É uma pintora alemã, fascinada pela paisagem brasileira. Através de “Ingrid”, Ana se investiu de um olhar europeu e produziu telas de natureza tropical.

Heterodoxia estética

“Ana Durães sempre criou situações ambíguas entre fundo e figura, grafia e desenho, fotografia e pintura. Em suas obras ela retrata fragmentos do cotidiano, que, mergulhados em névoas e cores, transformam-se em evocações de um mundo real – repleto de irrealidade”, analisa a curadora Denise Mattar no texto de apresentação de “Mundo das coisas”.

A produção de Ana Durães transita da artesania à tecnologia, ousando aplicar técnicas das mais diversas em um mesma obra. Ela trabalha com tinta a óleo, spray, estêncil, fotografia, para transportar imagens, já existentes e recém criadas, para seu universo pictórico. “Cada técnica traz uma possibilidade e um desafio”, justifica a artista. A superposição de técnicas e camadas podem ter origem no barroquismo de Ana Durães, mineira de Diamantina, radicada no Rio de Janeiro. O resultado, porém, “é nitidamente Pop, na ação e na estética”, diz ela.

Formação

Ana Durães começou a pintar aos dez anos. Diferentemente de muitos de seus pares, escolheu ser artista plástica desde então. Estudou na Escola Guignard de Belo Horizonte, antes de se mudar para o Rio, para cursar a Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro, onde se graduou. Seu currículo registra uma ação inédita no Rio de Janeiro, quando, em 1999, ela substituiu as bandeiras dos postos BR backlights com imagens de anjos. Ana também assinou a ambientação da sala de promessas da igreja de Aparecida do Norte e da Igreja de Cosme e Damião, no Rio, tirando-lhes o aspecto soturno e imprimindo-lhes uma visualidade alegre. Desde 1983, a artista soma dezenas de exposições individuais e coletivas em várias cidades brasileiras, e em Buenos Aires, Washington, Berlim e Paris.

Abertura: quinta-feira, 09 de agosto, 19h

Não foi possível salvar sua inscrição. Por favor, tente novamente.
Sua inscrição foi bem sucedida.

Você quer receber informações sobre cultura, eventos e mercado de arte?

Selecione abaixo o perfil que você mais se identifica.

Estudou cinema na NFTS (UK), administração na FGV e química na USP. Trabalhou com fotografia, cinema autoral e publicitário em Londres nos anos 90 e no Brasil nos anos seguintes. Sua formação lhe conferiu entre muitas qualidades, uma expertise em estética da imagem, habilidade na administração de conteúdo, pessoas e conhecimento profundo sobre materiais. Por muito tempo Paulo participou do cenário da produção artística em Londres, Paris e Hamburgo de onde veio a inspiração para iniciar o Arteref no Brasil. Paulo dirigiu 3 galerias de arte e hoje se dedica a ajudar artistas, galeristas e colecionadores a melhorarem o acesso no mercado internacional.

Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários