Pintura

Natureza Morta: a arte que perdurou milênios

Entenda a definição, história e exemplos desse estilo.

Por Vagner Neves - maio 11, 2022
30 0
Pinterest LinkedIn

A natureza morta é categoria artística que possui objetos inanimados como temática central, normalmente dispostos sob uma mesa incluindo utensílios e alimentos organizados pelo artista de maneira única.

O termo “natureza morta” ganhou destaque durante o século XVI, mas sua prática remonta aos tempos antigos.

Nessa matéria, exploramos este gênero traçando sua história e analisando obras conhecidas para responder às perguntas: o que é a pintura de natureza morta e como ela evoluiu ao longo do tempo?


Definição de natureza morta

O termo “Natureza Morta” foi oficialmente usado para nomear um gênero por volta do final dos anos 1500 até os anos 1600 (séculos XVI e XVII  na Holanda. Sua definição alude a algo sem vida, sem movimento – um objeto inanimado.

Esse gênero era classificado hierarquicamente como “menos relevante” para membros da academia de artes naquele contexto. Acima dele tínhamos: pintura histórica, retratos e paisagens. De acordo com os intelectuais da época, a arte precisava comunicar uma mensagem.

Não atoa, obras de arte de cunho histórico / representativo eram maiores em dimensões e se destinavam a exposições em espaços públicos, enquanto pinturas de natureza morta, normalmente, possuíam tamanhos menores e serviam para uso pessoal.

Apesar da crítica, esse gênero artístico está longe de ser monótono. Ele apresenta uma grande diversidade de arranjos nos objetos, ambientes, paletas de cores, e assim por diante, proporcionando diversos modelos de composição cada qual particular ao olhar do artista.


História da natureza morta

Período Antigo

As primeiras pinturas de natureza morta conhecidas foram criadas pelos egípcios no século XV a.C.

Pinturas funerárias de alimentos – incluindo colheitas, peixes e carnes – foram descobertas em antigos cemitérios. A mais famosa natureza morta egípcia foi descoberta na Tumba de Menna, um local cujas paredes foram adornadas com cenas excepcionalmente detalhadas da vida cotidiana.

Um detalhe de uma cena de oferendas da câmara funerária de Menna (c. 1422-1411 aC); Maler der Grabkammer des Menna , Domínio público, via Wikimedia Commons
Um detalhe de uma cena de oferendas da câmara funerária de Menna (c. 1422-1411 aC); Maler der Grabkammer des Menna , Domínio público, via Wikimedia Commons

Os gregos e romanos também criaram representações semelhantes de objetos inanimados.

Enquanto reservavam principalmente o assunto de natureza morta para mosaicos, eles também o empregavam para afrescos, como Natureza morta com tigela de vidro de frutas e vasos, uma pintura de parede do século I de Pompéia.

Natureza morta com tigela de vidro com frutas e vasos  (c. 63 e 79 dC) de um pintor desconhecido de Pompeia; Museu Arqueológico Nacional de Nápoles , domínio público, via Wikimedia Commons
Natureza morta com tigela de vidro com frutas e vasos (c. 63 e 79 dC) de um pintor desconhecido de Pompeia; Museu Arqueológico Nacional de Nápoles , domínio público, via Wikimedia Commons

Idade Média

Durante a Idade Média, os artistas adaptaram a natureza morta para fins religiosos. Além de incorporar arranjos simbólicos em representações de cenas bíblicas, eles também os usavam para decorar manuscritos iluminados. Objetos como moedas, conchas e alqueires de frutas podem ser encontrados nas bordas desses livros, incluindo as Horas de Catarina de Cleves, elaboradamente decoradas, do século XV.


Transforme - Banner Instaarts

Renascimento

Artistas do Renascimento do Norte popularizaram a iconografia de natureza morta com suas pinturas de flores.

Elas ganharam destaque no início do século XVII, quando os pintores ficaram cada vez mais interessados ​​em criar estudos realistas de itens do cotidiano.

Artistas holandeses da Idade de Ouro levaram esse interesse pela arte floral detalhada um passo adiante com suas pinturas vanitas. As pinturas de Vanitas são inspiradas no memento mori, um gênero de pintura cujo nome latino significa “lembre-se da morte”.

Como as representações de memento mori, essas peças geralmente combinam flores cortadas com objetos como crânios humanos, velas minguantes e ampulhetas viradas para comentar sobre a natureza fugaz da vida.

Ao contrário da arte memento mori, no entanto, as pinturas de vanitas “também incluem outros símbolos, como instrumentos musicais, vinho e livros para nos lembrar explicitamente da vaidade dos prazeres e bens mundanos” (Tate).

Jan Brueghel, o Velho, “Flores em um vaso de madeira”, 1606 – 1607 (Foto: Google Art Project via Wikimedia Commons, domínio público)
Jan Brueghel, o Velho, “Flores em um vaso de madeira”, 1606 – 1607.
Pieter Claesz, “Vanitas – Still Life,” 1625 (Foto: Memory of the Netherlands via Wikimedia Commons, Public domain)
Pieter Claesz, “Vanitas – Still Life,” 1625.

Arte Moderna

A natureza morta moderna prevaleceu durante movimentos artísticos como o impressionismo e o pós-impressionismo. Notavelmente, durante o pós-impressionismo, Vincent van Gogh deu vida à pintura de natureza morta com suas pinturas expressivas e de flores e vasos. Um exemplo disso inclui sua peça, Girassóis (1889).

Outro artista francês do pós-impressionismo, Paul Cézanne , pintou naturezas-mortas com frutas, pão, garrafas e cestas em cima de uma mesa aparentemente tombada, como em  The Basket of Apples (c. 1895). A diferença entre essas pinturas e as pinturas de natureza morta holandesa mais realistas era que esses artistas modernos usavam pinceladas, cores e perspectivas mais expressivas.

Cézanne também incorporou elementos familiares que encontramos da era holandesa Vanitas , por exemplo, a caveira característica em sua obra intitulada Still Life with Skull (c. 1895 a 1900). Acompanhando o crânio em outra mesa aparentemente tombada estão várias frutas, uma delas com um pedaço cortado ou mordido, colocado diretamente na frente da boca do crânio.

Durante o movimento de arte cubista, artistas populares como Pablo Picasso e Georges Braque criaram pinturas de natureza morta em seu estilo abstrato e cúbico característico. Um exemplo disso está em Large Still Life de Picasso (1881 a 1973) e  Still Life with Metronome de Braque (1909)

  • Paul Cézanne, A Cesta de Maçãs (ca. 1895) (Foto via Wikimedia Commons Public Domain)
  • Paul Cézanne, “Natureza morta com caveira”, c. 1895 – 1900 (Foto: Arte somente via Wikimedia Commons, domínio público)
  • Vincent van Gogh, “Girassóis”, 1889 (Foto: Galeria Nacional via Wikimedia Commons, Domínio público)

Arte Contemporânea

Atualmente, a fotografia surge como uma mídia alternativa à pintura como meio de retratar objetos e alimentos do cotidiano. A evolução tecnológica permitiu um retrato hiper-realista desse tema.  

Das antigas tumbas egípcias aos murais romanos, do realismo das Vanitas holandesas ao hiper-realismo das fotografias contemporâneas – todas retratando objetos inanimados – a natureza morta ocupa um importante lugar no universo das artes visuais.


Veja mais sobre natureza morta


Fontes

artincontext.org/still-life-painting/

mymodernmet/what-is-still-life-painting-definition/


Não foi possível salvar sua inscrição. Por favor, tente novamente.
Sua inscrição foi bem sucedida.

Você quer receber informações sobre cultura, eventos e mercado de arte?

Selecione abaixo o perfil que você mais se identifica.

Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários