Podcasts

A globalização da arte. Até que ponto ela ocorre de forma igualitária?

Por Paulo Varella - agosto 10, 2021
1072 0
Pinterest LinkedIn

Para falar sobre a globalização da arte, eu conversei com a Amélia Siegel Corrêa. A inspiração para gravar esse tema veio de seu trabalho super interessante sobre uma exposição de 1989 no Centro Pompidou (Paris).

Chamada de “Magiciens de la Terre”, essa exposição teve como princípio a seleção de artistas de diferentes países, visando apresentar um caráter globalizante.



Ouça esse podcast na Apple Store

Ouça esse podcast no Spotify


Amélia Siegel Corrêa

Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Paraná (2002), mestrado em Sociologia pela UFPR (2006) e doutorado em Sociologia pela Universidade de São Paulo (2012).

Foi pós-doutoranda do Programa de Pós Graduação em Sociologia da UFPR, professora do curso de Especialização em História Social da Arte da PUC-PR,Professora da Pós-Graduação Fotografia e Imagem em Movimento da Universidade Positivo, professora substituta de Sociologia na UTFPR e também no Setor de Educação da UFPR.

É pesquisadora do Núcleo de Estudos de Gênero da UFPR e professora convidada da Pós-Graduação História da Arte e Curadoria da PUC-PR. Atualmente é Pós-doutoranda em Antropologia pela Universidade de Copenhagen, onde é pesquisadora no projeto ‘Global Europe: Constituting Europe from the outside in through artefacts’.

Atua também como consultora na área de projetos culturais, museus e curadorias.


Veja também


Não foi possível salvar sua inscrição. Por favor, tente novamente.
Sua inscrição foi bem sucedida.

Você quer receber informações sobre cultura, eventos e mercado de arte?


Selecione abaixo o perfil que você mais se identifica 

(Atenção: Os e-mails podem ir para sua caixa de promoções)

Não foi possível salvar sua inscrição. Por favor, tente novamente.
Sua inscrição foi bem sucedida.

Você quer receber informações sobre cultura, eventos e mercado de arte?

Selecione abaixo o perfil que você mais se identifica.

Estudou cinema na NFTS (UK), administração na FGV e química na USP. Trabalhou com fotografia, cinema autoral e publicitário em Londres nos anos 90 e no Brasil nos anos seguintes. Sua formação lhe conferiu entre muitas qualidades, uma expertise em estética da imagem, habilidade na administração de conteúdo, pessoas e conhecimento profundo sobre materiais. Por muito tempo Paulo participou do cenário da produção artística em Londres, Paris e Hamburgo de onde veio a inspiração para iniciar o Arteref no Brasil. Paulo dirigiu 3 galerias de arte e hoje se dedica a ajudar artistas, galeristas e colecionadores a melhorarem o acesso no mercado internacional.

Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários