Vídeo

Como criar a sua marca e encontrar seu público

Por Paulo Varella - dezembro 1, 2020
102 0
Pinterest LinkedIn

Esse vídeo faz parte de uma série sobre Dicas para Artistas. Nele, eu explico o que é, a importância e como um artista pode criar uma marca. Além disso, menciono a importância de encontrar um público-alvo.

Não se esqueça de se inscrever no nosso canal Art Talks para não perder nenhuma novidade.


Não foi possível salvar sua inscrição. Por favor, tente novamente.
Sua inscrição foi bem sucedida.

Você quer receber informações sobre cultura, eventos e mercado de arte?


Selecione abaixo o perfil que você mais se identifica 

(Atenção: Os e-mails podem ir para sua caixa de promoções)


Veja também outros vídeos de dicas

Conte histórias e aproxime-se de seus seguidores

Como precificar uma obra de arte?


Transcrição do vídeo sobre como criar uma marca

O universo da arte é tão grande e competitivo quanto qualquer outro.

Ser talentoso e criativo é importante, mas não é suficiente para se destacar nele.

A gente precisa entender tanto o funcionamento do mercado, quanto a cabeça dos potenciais compradores.

Por isso eu fiz alguns vídeos com dicas para te ajudar a se destacar neste universo.

Neste vídeo eu vou falar sobre como criar a sua marca e encontrar o seu público.

(VINHETA)

Defina e seja a sua própria marca

Para se destacar no sistema da arte, um artista precisa ter a sua identidade própria; uma marca! Mas o que é uma marca?

A sua marca não é um logotipo, um símbolo, uma assinatura…

A marca são as emoções que os colecionadores sentem quando pensam sobre você e sua arte. Ela tem origem na experiência das pessoas com o que você tem a oferecer.

Através dela, as pessoas passam a te enxergar e se lembrar de você de uma forma automática.

O que os outros falam do seu trabalho quando você não está por perto, é a sua marca. A marca é a conexão emotiva entre você, artista, e o público.

Ter talento é importante, mas as pessoas precisam se lembrar de você. De uma forma ou outra, todos nós precisamos chamar atenção. No caso de um artista, que as pessoas se associem a ele através da obra ou da técnica.

Então, como ter uma marca?

Defina quem você é como artista.

Eu sei que esta pode ser uma grande pergunta filosófica sem resposta. Nem eu mesmo sei exatamente quem eu sou.

Talvez a melhor pergunta seja: o que eu faço?

Somos tudo aquilo que fazemos com consistência. E a excelência surge a partir da formação de um hábito. Tudo é uma questão de treino.

Outras perguntas importantes são:

O que queremos expressar através da nossa arte? O que torna esta arte única? 

Estas respostas também não são fáceis. Principalmente porque todos nós já sofremos da síndrome do impostor pela apropriação dos trabalhos de outros artistas.

Para ninguém ficar com peso na consciência, aqui vai uma frase:

Um bom artista copia, um grande artista rouba – Pablo Picasso.

A função do artista é exatamente esta: se apropriar de um monte de coisas, mastigar tudo e cuspir uma coisa absolutamente nova que vai ser a sua arte!

Então, vamos fazer o mesmo com a nossa marca, já que fazemos isto com a nossa arte. E… a nossa arte é a nossa marca…

Olhe para as pessoas e obras que você admira e veja no que você se identifica. Isto é o começo da formação da sua própria identidade.

Se concentrar na sua habilidade é o melhor caminho. As vezes a gente dá tiros em todas as direções procurando um retorno rápido, mas este não é um caminho confiável.

O melhor método é o da consistência e perseverança (Acho que falo isto em todos os meus vídeos).

Quando a gente se dedica em muitas frentes ao mesmo tempo, a gente acaba não se destacando em nenhuma delas. Ter objetivos claros vai facilitar nesse processo.

Fortalecer e promover a nossa identidade através dos nossos sites, nas redes sociais, marketplaces e galerias termina dando frutos muito antes do que você pode imaginar.

Depois de definir o que você faz, vamos pra dica 2: Encontre seu público.

É impossível agradar a todos, infelizmente.

Procure pensar para quem a sua arte vai fazer mais sentido. São essas  pessoas que vão falar sobre você e comprar seus trabalhos.

Existem alguns pontos muito importantes aqui:

Se concentre em um público mínimo viável.

Se você tiver 1000 pessoas interessadas em comprar o seu trabalho, já é mais que o suficiente para tornar a sua profissão rentável.

Procure também pelos seus super-fans.

São aquelas pessoas que realmente acreditam em você e que te acompanham em tudo o que você faz.

Uma vez encontradas estas pessoas, se dedique a elas. Todos nós temos uma tendência a caçar novos contatos e usar pouco do nosso tempo cultivando os clientes que a gente já tem.

Cace menos e se dedique mais a agricultura. Os resultados vão ser melhores.

Existem várias formas de se organizar esta sua lista de potenciais colecionadores e pessoas influentes que poderão ajudar você a alavancar a sua carreira, desde uma planilha de Excel até programas online como o hubspot.

Se você quiser se aprofundar um pouco nisto, entre em contato comigo nos comentários, Linkedin ou mesmo pelo meu perfil no Instagram.

Espero que essas dicas possam te ajudar a ser um artista mais completo e que você consiga se conectar mais profundamente com seu público.

Obrigado e até a próxima.

Avatar

Estudou cinema na NFTS (UK), administração na FGV e química na USP. Trabalhou com fotografia, cinema autoral e publicitário em Londres nos anos 90 e no Brasil nos anos seguintes. Sua formação lhe conferiu entre muitas qualidades, uma expertise em estética da imagem, habilidade na administração de conteúdo, pessoas e conhecimento profundo sobre materiais. Por muito tempo Paulo participou do cenário da produção artística em Londres, Paris e Hamburgo de onde veio a inspiração para iniciar o Arteref no Brasil. Paulo dirigiu 3 galerias de arte e hoje se dedica a ajudar artistas, galeristas e colecionadores a melhorarem o acesso no mercado internacional.

Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários