Arte Contemporânea

Peter Blake | Um dos principais artistas do Pop Art

Através de assuntos do cotidiano, Peter Blake desenvolveu grandes obras que viraram marcos da Arte Pop.

Por Equipe Editorial - janeiro 3, 2020
478 0
Pinterest LinkedIn

Peter Blake (1932) passou sua infância em Kent, Inglaterra. Filho de eletricista, cresceu em uma família tradicionalmente operária. Durante sua trajetória, Blake sofreu uma interrupção em sua educação quando sua família foi evacuada durante a Segunda Guerra Mundial.

Aos 14 anos, começou a frequentar a Escola de Arte Júnior da Faculdade Técnica de Gravesend (Gravesend Technical College), onde aprendeu diversos fundamentos criativos, como habilidades para desenhar vidas, tipografia e marcenaria.

Foi lá que Peter Blake foi inserido pela primeira vez à cultura intelectual, como arte e música clássica. No entanto, ele nunca perdeu o contato com suas raízes da classe trabalhadora, e continuou a nutrir interesses em clubes de jazz, futebol, velocidade e luta livre, além de permanecer próximo de sua mãe e de sua tia.


A iniciação de Peter Blake no mundo da arte

Blake se inscreveu originalmente no Royal College of Art como designer gráfico. Após sua inscrição, ele enviou uma pintura com seu portfólio e, com base nisso, foi aceito no curso de pintura.

Peter Blake
Artista Pop Peter Blake, 29 de outubro 1981
(Créditos: Terence Donovan/Getty Images)

Seu professor, Ruskin Spear, um artista cuja obra inspirada no dadaísmo, utilizava objetos banais que Blake descreveu como “proto-pop”. Isso o encorajou a procurar a cultura popular para os assuntos de sua arte. Ele diz:

Por volta de 1954, percebi que podia pintar os temas de que gostava, como lutadores, strippers e todo o resto.

Enquanto estudava na RCA, o artista escreveu uma dissertação sobre performances nuas na cena do music hall. Em meados da década de 1950, os auditórios estavam diminuindo em popularidade, portanto, seus participantes tentaram aumentar a participação incluindo mulheres nuas. No entanto, eles não foram autorizados a se mover, mas tiveram que ficar parados durante o show.

No final de seus estudos, Blake recebeu uma bolsa para viajar por um ano. Ele observa que a maioria das pessoas usava esse tempo para estudar obras de arte ou fenômenos tradicionais, como “a luz nas capelas do norte da Itália”, enquanto ele tinha um gosto mais peculiar, concentrando-se na exploração da arte popular. Em vez de visitar museus, Blake assistiu a touradas, partidas de futebol e luta livre e até viajou com o circo por algumas semanas.


Retornando em 1957, Blake conseguiu vários empregos ensinando arte e desenho e começou a se concentrar na construção de sua prática e corpo de trabalho.


Percurso artístico

Após seus estudos, Peter Blake começou a se misturar com os círculos sociais que viriam a produzir Pop Art. Em 1958, ele participou de um jantar oferecido por Lawrence Alloway, um crítico de arte e importante membro do Grupo Independente de artistas pop britânicos, que teve origem no Instituto de Arte Contemporânea de Londres.


Em resposta à declaração de Blake sobre suas intenções artísticas, Alloway se tornou uma das primeiras pessoas a usar o termo “Arte Pop”.


Em 1961, Blake foi incluído na exposição “Jovens Contemporâneos” na Whitechapel Gallery, em Londres. A mostra foi fundamental no lançamento das carreiras de vários membros mais jovens da cena pop, e o trabalho de Blake foi mostrado ao lado de David Hockney e RB Kitaj. No mesmo ano, ele recebeu o Prêmio John Moores e, consequentemente, seu trabalho foi apresentado na primeira edição da famosa revista The Sunday Times.


Embora a essa altura o trabalho de Blake estivesse recebendo uma atenção relativamente grande do mundo da arte, ele foi apresentado ao público através de um programa de televisão da BBC feito em 1962 chamado “Pop Goes the Easel”.

Em 1963, encontrou representação de Robert Fraser, o notório negociante de arte que mais tarde foi preso com Mick Jagger por posse de drogas. Isso colocou Blake no centro do cenário da Londres dos anos 1960, ao lado de figuras importantes da cultura popular.


Foi Fraser quem apresentou Blake a Paul McCartney e o recomendou para o design da capa icônica do álbum da banda The Beatles, intitulado Sgt Pepper’s Lonely Hearts Club Band. Embora esse trabalho tenha posicionado Blake no centro das atenções internacionais, ele frequentemente lembra que recebeu uma quantia muito baixa em dinheiro e não recebeu direitos autorais ou royalties na capa final.


A mudança no estilo

No final da década de 1960, após o fechamento da galeria de Fraser, Blake mudou-se para Wellow, Avon (uma pequena vila perto de Bath) com sua a sua esposa, que também era artista, Jann Haworth, com quem se casou em 1963.

Lá, ele formou um grupo chamado The Ruralists que buscavam um estilo diferente e mais naturalista de pintura. Blake recebeu muita publicidade negativa por deixar a criatividade e o caos de Londres para trás.

Na época, ele criou muitas imagens de fantasia e mito, incluindo muitas obras que retratavam fadas. Ele também ilustrou Through the Looking Glass, de Lewis Carroll, com o artista Graham Ovenden.


Análise das obras de Peter Blake

Girlie Door, 1959


Em Girlie Door, Blake recria uma cena universal que pode ser encontrada no quarto de qualquer adolescente comum. Uma base de madeira parecida com uma porta é pintada de vermelho, da cor do desejo adolescente corado e frustrado, sobre o qual é colada uma coleção casual de belas mulheres da tela grande.

Sophia Loren timidamente cheira uma flor e Marilyn Monroe mostra seus incríveis movimentos. As mulheres balançam e posam, olhando diretamente para o espectador; a maçaneta da porta sombreava seu convite implícito dizendo “me abra”.

A peça reflete um santuário construído com imagens acessíveis de mulheres da cultura popular da época, os desejos normais de um garoto na puberdade, ansiando por dentro o conforto de seu próprio isolamento. A porta reflete simultaneamente a entrada potencial em um mundo de glamour e fantasia, além de permanecer fechada de forma proibitiva.

Enquanto outros artistas pop costumavam usar imagens de mulheres em seus trabalhos de forma abertamente sexualizada, na peça de Blake, encontramos um hálito refrescante de inocência que lembra a maravilha semi-embaraçosa da luxúria crescente.


On the Balcony, 1956-7

peter blake
Peter Blake | On the Balcony, 1956-7

Nesta famosa pintura, Blake combina imagens de pessoas comuns, em suas vidas cotidianas com uma infinidade de referências ao tema “Na varanda”. Eles variam de revistas e telas facilmente encontradas em museus e galerias. Por exemplo, a figura do lado esquerdo contém uma cópia de The Balcony (1868), de Edouard Manet, enquanto uma cópia da revista LIFE obscurece a cabeça de outra figura (ao todo, aproximadamente 32 versões de imagens de varandas estão na imagem).

Os assuntos juvenis parecem adolescentes e podem ser vistos como símbolos de uma nova geração aberta aos princípios-chave da Pop Art, que foram: o declínio dos entendimentos tradicionais do objeto e das fontes da arte e a reavaliação da distinção entre arte e vida.

Como cada uma das referências da pintura é mostrada como parte de um todo coerente, carregada de figuras representando a juventude, podemos apurar o convite provocador de Blake para considerar tudo em nosso meio como objetos de arte válidos. De fato, Blake fez muitas imagens de jovens e crianças ao longo da década de 1950. Argumentou-se que os olhares de frente eram mais diretos e naturais do que os perfis de rostos considerados mais sofisticados.

Embora On the Balcony possa parecer uma colagem, na verdade é uma pintura a óleo. Este é um excelente exemplo da técnica de assinatura de Blake para fazer metapictures (fotos sobre fotos) ou pinturas de figuras com as próprias figuras.


Veja também

https://arteref.com/arte-contemporanea/damien-hirst-reflexoes-polemicas-sobre-a-mortalidade/

Você quer receber e-books, informações sobre cursos, palestras e mercado de arte?


Fonte

Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários