Arte Moderna

Pablo Picasso: conheça sua vida, trajetória e principais obras

Conheça mais sobre o pintor, escultor, gravurista, ceramista e cenógrafo espanhol, considerado um dos maiores artistas do século XX.

Por Equipe Editorial - outubro 15, 2020
126 0
Pinterest LinkedIn

Com certeza você já ouviu falar do artista Pablo Picasso (1881-1973). Ele teve uma grande influência na arte do século XX e foi um artista revolucionário, que experimentou e inovou durante seus mais de 92 anos na terra. Viveu duas guerras mundiais, gerou quatro filhos, apareceu em filmes e escreveu poesia.

Seu trabalho é notável na pintura, mas também teve grande destaque como escultor, gravador, ceramista, gravador e escritor. Suas obras amadureceram desde o naturalismo de sua infância até o cubismo, o surrealismo e muito mais, moldando a direção da arte moderna e contemporânea ao longo das décadas.

Pablo Picasso é considerado um dos fundadores do Cubismo juntamente com Georges Braque, que foi um movimento artístico que tinha o intuito de desconstruir a imagem por meio das figuras geométricas. O artista teve grande influência das máscaras africanas, que inspiraram a fase inicial desse movimento, juntamente ao lado do artista francês Paul Cézanne.


A vida pessoal de Pablo Picasso

Pablo Picasso nasceu em Málaga na Espanha, em 25 de outubro de 1881; sua mãe era Doña Maria Picasso y Lopez e seu pai era Don José Ruiz Blasco, pintor e professor de artes. 

Embora fosse um estudante relativamente pobre, Picasso demonstrou um talento prodigioso para o desenho desde muito jovem. Segundo a lenda, suas primeiras palavras foram “piz, piz”, sua tentativa infantil de dizer “lápiz”, a palavra espanhola para lápis.

O pai de Picasso começou a ensiná-lo a desenhar e pintar quando ele era criança e, aos 13 anos, seu nível de habilidade ultrapassou o de seu pai. Logo, Picasso perdeu todo o desejo de fazer qualquer trabalho escolar, optando por passar os dias de escola rabiscando em seu caderno.

“Por ser um mau aluno, fui banido para o ‘calabouço’, uma cela vazia com paredes caiadas de branco e um banco para sentar”, lembrou mais tarde. “Eu gostava de lá, porque levava um bloco de desenho e desenhava sem parar … Eu poderia ter ficado ali para sempre, desenhando sem parar.”


Sua trajetória como artista

Em 1895, quando Picasso tinha 14 anos, sua família se mudou para Barcelona, ​​na Espanha, e ele rapidamente se inscreveu na prestigiosa Escola de Belas Artes da cidade. Embora a escola normalmente só aceitasse alunos vários anos mais velhos, o exame de admissão de Picasso foi tão extraordinário que ele recebeu uma exceção e foi admitido.

Em 1897, um Picasso de 16 anos mudou-se para Madrid para frequentar a Royal Academy of San Fernando. No entanto, ele novamente ficou frustrado com o foco singular de sua escola em assuntos e técnicas clássicas.

Durante esse tempo, ele escreveu a um amigo: “Eles simplesmente continuam falando sobre as mesmas velhas coisas: Velázquez para pintura, Michelangelo para escultura.” Mais uma vez, Picasso começou a faltar às aulas para passear pela cidade e pintar o que observava: ciganos, mendigos e prostitutas, entre outras coisas.

Em 1899, Picasso voltou para Barcelona e se juntou a uma multidão de artistas e intelectuais que estabeleceram sua sede em um café chamado El Quatre Gats (“Os Quatro Gatos”).

Inspirado pelos anarquistas e radicais que conheceu lá, Picasso rompeu decisivamente com os métodos clássicos nos quais havia sido treinado e deu início ao que se tornaria um processo vitalício de experimentação e inovação.


15 curiosidades sobre o maior pintor do século XX

Seus principais estilos artísticos

Período Azul (1901-1904)

Diversos historiadores e críticos de arte dividem a carreira adulta de Picasso em períodos distintos. O primeiro é conhecido como “Período Azul” e é possível perceber a predominância da cor em quase todas as suas pinturas ao longo desses anos. 

Na virada do século 20, Picasso mudou-se para Paris (França), que naquele contexto era considerado o centro da arte europeia, para abrir seu próprio estúdio. Solitário e profundamente deprimido com a morte de seu amigo próximo, Carlos Casagemas, ele pintou cenas de pobreza, isolamento e angústia, quase exclusivamente em tons de azul e verde. As pinturas mais famosas de Picasso do Período Azul incluem  “Nu Azul (1902)” e “O Velho Guitarrista (1903)”. Confira:

Pablo Picasso. Nu Azul, 1902
Pablo Picasso. Nu Azul, 1902
Pablo Picasso. O Velho Guitarrista, 1903
Pablo Picasso. O Velho Guitarrista, 1903

Período Rosa (1904-1906)

Em 1905, Picasso havia superado em grande parte a depressão que o havia debilitado anteriormente, e a manifestação artística do melhor ânimo de Picasso foi a introdução de cores mais quentes – incluindo bege, rosa e vermelho – no que é conhecido como seu “Período Rosa”.

Não só estava perdidamente apaixonado por uma bela modelo, Fernande Olivier, como também prosperou graças ao generoso patrocínio do negociante de arte Ambroise Vollard. Veja algumas obras desse período:

Pablo Picasso. Menino com um cachimbo, 1905
Pablo Picasso. Menino com um cachimbo, 1905
Pablo Picasso. Retrato de Gertrude Stein, 1905
Pablo Picasso. Retrato de Gertrude Stein, 1905

O Cubismo  (1909-1912)

O cubismo foi um estilo artístico iniciado por Picasso e seu colega, o pintor Georges Braque. 

Nas pinturas cubistas, os objetos são separados e remontados em uma forma abstrata, destacando suas formas geométricas compostas e retratando-os de múltiplos pontos de vista simultâneos para criar efeitos de colagem que desafiam a física. Ao mesmo tempo destrutivo e criativo, o cubismo chocou, horrorizou e fascinou o mundo da arte.

Les Demoiselles d'Avignon
Pablo Picasso. Les Demoiselles d’Avignon (1907) | Museum of Modern Art

“Me fez sentir como se alguém estivesse bebendo gasolina e cuspindo fogo”, disse Braque, explicando que ficou chocado quando viu “Les Demoiselles” de Picasso pela primeira vez. Braque rapidamente ficou intrigado com o cubismo, vendo o novo estilo como um movimento revolucionário.  


7 características sobre o Cubismo de Picasso que você precisa saber

Picasso: do Neoclassicismo ao Surrealismo (1918-1930)

Durante esse período, a obra de Pablo Picasso sofre uma mudança estilística considerável, marcada por um momento de grande experimentação artística. A eclosão da Primeira Guerra Mundial marcou o início da próxima grande mudança na arte de Picasso. 

Ele ficou mais sombrio e, mais uma vez, preocupado com a representação da realidade. Seus trabalhos mais interessantes e importantes desse período incluem “Três mulheres na primavera” (1921), “Duas mulheres correndo na praia / A corrida” (1922) e “Os cachimbos de Pan” (1923).

Pablo Picasso. Duas mulheres correndo na praia (a corrida), 1922
Pablo Picasso. Duas mulheres correndo na praia (a corrida), 1922
Três Dançarinos, 1925.
Pablo Picasso. Três Dançarinos, 1925.

Guernica (1937):

A partir de 1927, Picasso se envolveu em um novo movimento filosófico e cultural conhecido como Surrealismo , cuja manifestação artística era produto de seu próprio cubismo. A pintura surrealista mais conhecida de Picasso, considerada uma das maiores pinturas de todos os tempos, foi concluída em 1937, durante a Guerra Civil Espanhola: “Guernica”. Depois que bombardeiros nazstas alemães apoiando as forças nacionalistas de Francisco Franco realizaram um ataque aéreo devastador na cidade basca de Guernica em 26 de abril de 1937, Picasso, indignado com o bombardeio e a desumanidade da guerra, pintou esta obra de arte.

Guernica (1937)
Guernica (1937)

Em preto, branco e cinza, a pintura é um testamento surrealista dos horrores da guerra e apresenta um minotauro e várias figuras humanas em vários estados de angústia e terror. “Guernica” continua sendo uma das pinturas anti-guerra mais comoventes e poderosas da história.

Após a Segunda Guerra Mundial , Picasso tornou-se mais abertamente político, juntando-se ao Partido Comunista. Ele foi homenageado duas vezes com o Prêmio Internacional Lênin da Paz, primeiro em 1950 e novamente em 1961. 


7 fatos curiosos sobre a vida política do artista

Os últimos anos de Pablo Picasso

Em seus últimos anos de vida, ele criou mais do que em qualquer outro período comparável de sua vida. Seu instinto de vida tornou-se o desejo de pintar. A incompletude grosseira de suas formas valia-se de uma paleta quase infantil: rosa e azul-claro mesclados com tons leitosos entre bege e ocre, e mais uma vez, cores puras direto do balde, aplicadas com pincel largo.

Auto-retrato, 1971.
Pablo Picasso. Auto-Retrato encarando a morte” (Self Portrait Facing Death), 1971.

Picasso criou o quadro, usando lápis e giz de cera, um ano antes de sua morte. O sujeito autobiográfico, desenhado com técnica tosca, aparece como algo entre um humano e um macaco, com rosto verde e cabelos rosa. 

No entanto, a expressão em seus olhos, capturando uma vida inteira de sabedoria, medo e incerteza, é a obra inconfundível de um mestre no auge de seus poderes. 

Pablo Picasso é com certeza uma das maiores influências na arte do século 20 e conseguiu misturar vários estilos para criar interpretações totalmente novas do que viu. Ele foi uma grande força no desenvolvimento de novos estilos artísticos. Na visão do público, ele há muito tempo é a personificação do gênio da arte moderna que consegue canalizar fenômenos diversos e muitas vezes caóticos da cultura, que parecem expressar a vida artística de sua época em uma pessoa.


Veja também:




Não foi possível salvar sua inscrição. Por favor, tente novamente.
Sua inscrição foi bem sucedida.

Você quer receber informações sobre cultura, eventos e mercado de arte?


Selecione abaixo o perfil que você mais se identifica 

(Atenção: Os e-mails podem ir para sua caixa de promoções)


Fontes


Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários