Curiosidades

Mondrian: 7 fatos curiosos sobre o artista

Por Thais de Albuquerque - novembro 1, 2022
64 0
Pinterest LinkedIn

Mondrian foi um dos artistas mais relevantes do período Modernista no início do século XX, reconhecido como um dos pioneiros da arte abstrata desse período. Suas primeiras pinturas eram figurativas, retratando paisagens serenas com cores escuras. Ao longo de sua carreira, foi mudando sua direção artística para um estilo cada vez mais abstrato, até chegar a um ponto em que suas obras traziam formas simples e cores puras.

Mondrian

Para falar mais sobre a carreira desse artista tão interessante, selecionamos 7 fatos sobre sua vida:

1. Mondrian cresceu em uma família religiosa

Pieter Cornelis Mondrian nasceu na Holanda em 1872 em ambiente rural, dentro de uma família calvinista – movimento religioso ligado ao protestantismo. Por influência de seu tio, um pintor, Mondrian se interessou pela carreira artística, contrariando os interesses de seu pai, que esperava vê-lo formado na área de educação. Assim, Mondrian convenceu sua família que estudaria artes e tornaria-se professor.

Mondrian

2. A teosofia influenciou as novas experiências artísticas de Mondrian

Já formado em Belas Artes, em 1908 Mondrian tem contato com a teosofia – corrente filosófica que aborda as origens e os mistérios do universo –  levando o artista um período simbolista, que determinaria seu futuro interesse pela abstração. A busca pela essência matemática e racional da natureza leva o artista ao início da desconstrução do figurativo e à geometrização.

Mondrian
“Evolução” 1910 – 1911

3. O Cubismo transforma sua percepção artística

Em 1911 Mondrian visitou uma exposição cubista em Amsterdã que marcou profundamente seu olhar artístico. Mudou-se para Paris, desenvolvendo interesse pelo cubismo de Pablo Picasso e Georges Braque. Assim, sua obra passa a demonstrar mais claramente os elementos geométricos, porém ainda usando formas figurativas.

Mondrian
“Árvore cinzenta”, 1911

4. Mondrian lançou o movimento “De Stijl” ou “O Estilo”

No início da primeira Guerra Mundial (1914), o artista volta para a Holanda e, ao lado de outros artistas como Theo van Doesburg, cria o movimento “De Stijl”, ou “O Estilo”, em 1917. O movimento acreditava numa arte pura e objetiva, com linhas e cores nítidas capazes de traduzir conceitos universais. Era o princípio do neoplasticismo, corrente artística abstrata que tem no artista o seu maior representante.

Mondrian
“Composição em tabuleiro de damas com cores claras”, 1919

5. A geometria abstrata trouxe visibilidade internacional a Mondrian

Para Mondrian, a arte deveria ter formas e cores puras em oposição às linhas orgânicas da natureza, assim como é possível observar no quadro “Composição com vermelho, amarelo e azul” de 1921.

Mondrian
Composição com vermelho, amarelo e azul (1921)

Mondrian fez exposições em Paris e Berlim, ganhando fama internacional. Em 1940 mudou-se para Nova York, onde seus quadros começaram a ganhar mais liberdade, deixando de lado as linhas negras para unir as áreas com cores vivas.
O artista morreu em 1944, aos 71 anos, em Nova York.

6. A obra de Mondrian influencia o mundo das artes em diferentes linguagens

Mondrian inspira a arte, o design, a moda, a arquitetura e a publicidade até os dias de hoje. Veja alguns exemplos:

Mondrian
Café L’Aubette projetado pelo o pintor e arquiteto Theo van Doesburg — contemporâneo de Mondrian e Rietveld, em 1926
Mondrian
Design de produtos inspirados em Mondrian
Mondrian
Edifícios da Câmara Municipal de Haia nos Países Baixos

7. Um quadro de Mondrian passou quase 80 anos exposto de cabeça para baixo

Em outubro de 2022 foi descoberto que a obra  “New York City 1”, de 1941, exposta no museu Kunstsammlung Nordrhein-Westfalen, na Alemanha, está de cabeça para baixo há décadas. O local inaugurou uma grande retrospectiva do artista, com a tela “New York 1” como peça principal. 

Foi a curadora da mostra “Mondrian: Evolution” quem apontou o erro.“Em uma foto de 1944, vi que a tela estava posicionada no outro sentido sobre o cavalete. Isso me intrigou”, declarou a historiadora de arte Susanne Meyer-Büser, em entrevista ao jornal alemão Süddeutsche Zeitung.

Mondrian
Quadro ‘New York City I’, do pintor Piet Mondrian, no Museu de Arte Moderna de Nova York – Divulgação/ Youtube/ NBC News

Na atual posição, o que deveria ser uma representação abstrata do skyline de Nova York, por meio de uma combinação de linhas coloridas (vermelho, amarelo, preto e azul), está na parte inferior da tela. Susanne notou essa falha: a grade mais espessa deveria estar no topo, como um céu escuro.

Uma tela semelhante e com o mesmo título exposta no Centre Pompidou, em Paris (França), mostra a posição correta. Além disso, uma foto tirada no estúdio de Mondrian, em 1944, revela a pintura como foi concebida.

Mondrian
Lado esquerdo: A forma como o quadro ‘New York City I” está atualmente, lado direito: forma correta, segundo a historiadora. Crédito: Divulgação/NBC News

Entretanto, o quadro irá continuar do mesmo jeito que está, pois, segundo a historiadora, a obra pode ser danificada caso mude de posição. “As fitas adesivas já estão extremamente soltas. Se virarmos a pintura de cabeça para baixo agora, a gravidade as puxaria para outra direção”, disse Susanne.

Não foi possível salvar sua inscrição. Por favor, tente novamente.
Sua inscrição foi bem sucedida.

Você quer receber informações sobre cultura, eventos e mercado de arte?

Selecione abaixo o perfil que você mais se identifica.

Thais de Albuquerque é Relações Públicas, artista visual e criadora de conteúdo. Atua há mais de 15 anos em marketing e criação de identidade visual para empresas, projetos e instituições. Em seu Instagram, desenvolve conteúdos autorais ligados a curiosidades sobre o mundo das artes.

Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários