Curiosidades

Por que tantas estátuas gregas e romanas não têm nariz?

Por Thais de Albuquerque - maio 28, 2024
31 0
Pinterest LinkedIn

As estátuas gregas e romanas muitas vezes estão com os narizes desgastados. Às vezes sem cabeças, pernas, braços e dedos. Se você já parou para pensar sobre isso, provavelmente já presumiu que a falta de nariz e outras extremidades dessas obras de arte antigas é apenas o resultado inevitável do tempo – que elas foram desgastadas por milhares de anos ou foram quebradas por algum vândalo.

Em muitos casos, isso provavelmente é verdade. “As estátuas que vemos hoje nos museus são quase sempre espancadas, surradas e danificadas pelo tempo e pela exposição aos elementos”, escreveu Spencer McDaniel, pesquisador graduado do Departamento de Estudos Clássicos da Universidade Brandeis e autor do site Tales of Times. Esquecido, em 2019 . 

“As partes salientes das esculturas, como narizes, braços, cabeças e outros apêndices, são quase sempre as primeiras a se romperem”, explicou McDaniel. “Outras partes que estão fixadas com mais segurança, como pernas e torsos, geralmente têm maior probabilidade de permanecer intactas.” 

Faz sentido. Em caso de uma queda, os narizes, como saliências relativamente delicadas situadas quase o mais alto possível do chão, irão atingir o chão com força e rapidez. Mas será que todas as estátuas sem narizes têm explicações tão inocentes?

Quem tirou todos os narizes?

Parafraseando Oscar Wilde: perder um nariz pode ser considerado uma desgraça; perder dois parece descuido. Perca alguns milhares e as pessoas podem começar a pensar que você está fazendo isso de propósito. E de acordo com Mark Bradley, professor de clássicos da Universidade de Nottingham, foi exatamente isso que aconteceu com algumas dessas estátuas. 

“Um número esmagador [de narizes] foi deliberadamente alvejado”, escreveu ele num artigo de 2016 para o blog histórico Effaced From History. “Uma cabeça de basalto negro do sobrinho do imperador Tibério, Germânico, no Museu Britânico, mostra um nariz que foi claramente cinzelado, provavelmente ao mesmo tempo em que os primeiros cristãos esculpiram uma cruz na testa deste retrato pagão.”

Um destino semelhante parece ter acontecido com uma estátua de Afrodite no Museu Arqueológico Nacional de Atenas: sem nariz e com uma grande cruz esculpida na testa. Evidentemente, pelo menos nestes casos, a remoção do nariz fazia parte de algum destronamento ritualístico de um falso ídolo.

estátuas gregas e romanas
A cabeça de Afrodite, agora notavelmente sem nariz. Crédito da imagem: George E. Koronaios via Wikimedia Commons ( CC BY-SA 4.0 )

Mas isso ainda não responde à pergunta: por que o nariz? 

Em civilizações anteriores, como os egípcios, a resposta pode ter sido a crença de que a estátua continha alguma “essência” ou “alma” da entidade que representava – e assim vandalizar a figura seria literalmente enfraquecer a pessoa ou divindade que ela representava. Este tipo de crença também pode ser muito específico: pensava-se que a mutilação do nariz, em particular, “matava” o espírito do ícone, uma vez que, teoricamente, eliminaria a capacidade de respiração da figura.

Mas algumas dessas estátuas romanas e gregas sem nariz são muito posteriores. Certamente a razão da sua mutilação não foi tão esotérica assim.

Punição por procuração

Uma pista, segundo Bradley, pode estar nos antigos sistemas de justiça romano e grego – e, em particular, nos tipos de punição aplicados aos considerados culpados.

estátuas gregas e romanas
Antínous, datada de c. 130-138. Crédito: Deiadameian via Wikimedia Commons

“A iconoclastia antiga é uma coisa, mas esta destruição desenfreada de retratos antigos leva às tradições de mutilação facial da vida real que são evidentes em todo o mundo antigo”, escreveu ele, “da Grécia homérica, do Império Persa, da Grécia Clássica e Helenística, e Roma Republicana e Imperial até o período bizantino.” 

Tanto no mundo antigo quanto mais tarde durante o Império Bizantino, a mutilação e remoção do nariz era aparentemente uma punição bastante comum, aplicada a qualquer pessoa, desde adúlteros até governantes depostos. “No Egito havia até um assentamento chamado Rhinokoloura (‘a cidade dos narizes cortados’) onde criminosos banidos, cujos narizes haviam sido cortados, eram enviados para o exílio”, destacou Bradley.

Além desses exemplos do mundo real, existem inúmeros mitos e lendas que caracterizam a remoção do nariz como punição ou humilhação: Hércules foi apelidado de “cortador de nariz”.

Desfigurar uma estátua desta forma, então, era punir simbolicamente a figura que ela representava – e as sentenças não se limitavam de forma alguma à mera mutilação.

Por que retirar a cabeça de uma estátua?

“Embora eu não tenha ideia das estatísticas precisas”, disse Kenneth Lapatin, curador de antiguidades do Museu J. Paul Getty em Los Angeles, ao New York Times em 2023, “hoje temos muito mais partes (cabeças sem corpo e corpos sem cabeça), do que estátuas completas.” 

“Isso fica claro em qualquer galeria de arte grega e romana”, acrescentou Lapatin. E embora as razões para isso sejam por vezes inocentes – quedas, por exemplo, ou antigos comerciantes transformando um artefacto vendável em dois – muitas destas decapitações foram, tal como os narizes perdidos, propositadamente removidas como forma de minar a autoridade da figura representada pela estátua.

“Todas as culturas do mundo antigo parecem fazer isso”, disse Rachel Kousser, professora de arte antiga na City University de Nova York, ao Times. “A cabeça é realmente poderosa e o dano à cabeça é visto como uma forma particularmente eficaz de danificar o poder, seja ele um governante, um deus ou mesmo apenas uma pessoa morta.”

estátuas gregas e romanas

Portanto, embora muitas estátuas realmente não tenham o nariz – ou a cabeça , os braços ou a genitália – simplesmente por causa da devastação do tempo, em muitos casos, é uma evidência de que quem quer que a estátua tenha mostrado foi sobrevivido por alguns inimigos mesquinhos ou altamente motivados. 

Ao “punir” a figura de acordo com a moral de sua época, quem veio depois poderia criar uma ruptura simbólica com o passado e com a suposta corrupção daquela pessoa – e se tal conceito lhe parece estranho, tenha em mente que nós meio que ainda fazemos isso hoje em dia. 

“Os manifestantes na Martinica derrubaram duas estátuas do abolicionista do século XIX, Victor Schoelcher recentemente, condenando-o por ser o autor de um decreto que compensava os proprietários de escravos pelas suas perdas”, apontou Jean-François Manicom, curador de escravatura transatlântica e legados da International Slavery. Museu em Liverpool, em 2020 . 

“Em Bristol, uma estátua do traficante de escravos do século XVII, Edward Colston, foi jogada no porto. Um monumento em Antuérpia em homenagem a Leopoldo II, o rei belga que saqueou o Congo, será transferido para um museu depois de ter sido desfigurado pelos manifestantes. E nos Estados Unidos, estátuas em homenagem ao explorador Cristóvão Colombo e ao presidente confederado Jefferson Davis estavam entre as que foram derrubadas ou, no caso de Colombo, decapitadas.”

No Brasil, em 2021, um monumento que homenageava o bandeirante Borba Gato, que desbravou territórios no interior do país capturando e escravizarando indígenas e negros, foi incendiado em manifesto contra sua figura.

estátuas gregas e romanas
Estátua do Bandeirante Borba Gato incendiada em São Paulo em 2021.

“Derrubar estátuas é […] um ataque a uma réplica realista e simbólica de uma pessoa”, escreveu Manicom. “Os linchamentos simbólicos, ao que parece, ainda são necessários para passar de uma época para outra.”

Fonte: IFL Science

Não foi possível salvar sua inscrição. Por favor, tente novamente.
Sua inscrição foi bem sucedida.

Você quer receber informações sobre cultura, eventos e mercado de arte?

Selecione abaixo o perfil que você mais se identifica.

Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários