Curiosidades

Por que as pessoas vandalizam obras de arte? 

ataque à Mona Lisa aquece debate sobre depreciação de patrimônio cultural

Por Thais de Albuquerque - junho 2, 2022
62 0
Pinterest LinkedIn

Em maio de 2022, as redes sociais e os noticiários da TV exibiram cenas da Mona Lisa sendo atacada com uma torta arremessada por um visitante no museu do Louvre. De acordo com testemunhas, o responsável pela cena justificou seu ato como um ativismo em prol das mudanças climáticas que o planeta vem sofrendo.

Mona Lisa
Foto: Divulgação

Essa é a quinta vez que a Mona Lisa é atacada. As motivações dos agressores anteriores variam e a maioria delas é pessoal. O quadro não foi danificado pois é protegido por uma tela de vidro à prova de balas, um detalhe que – obviamente – o meliante do caso mais recente tinha conhecimento. Ou seja, mesmo sabendo que sua torta não traria danos reais ao quadro, ainda assim escolheu a Mona Lisa para protagonizar sua manifestação.

vandalização de obras de arte
Tela protetora da Mona Lisa. Foto: britannica.com

Levando em consideração que Mona Lisa, Museu do Louvre, Leonardo DaVinci e tortas  aparentemente não estabelecem conexão direta com as mudanças climáticas, nos resta questionar: por que as pessoas vandalizam obras de arte?

Patrimônio cultural

As obras de arte, assim como todas as linguagens artísticas, prédios e monumentos históricos, sítios arqueológicos, entre outras manifestações, representam nossa história e identidade enquanto sociedade, bem como os nossos laços com o passado, presente e futuro. São verdadeiras heranças culturais que demonstram a identidade da humanidade.
Por isso, tanto a conservação quanto a destruição de obras de arte e monumentos históricos podem ser consideradas uma veneração ou uma afronta à memória e à sociedade.

Vandalismo

O nome “vandalismo” deriva do povo vândalo, um dos povos germânicos cujas invasões e ataques ao Império Romano contribuíram para sua queda. Historicamente, o vandalismo foi definido pelo pintor Gustave Courbet como “a destruição de monumentos que simbolizam guerra e conquista”.
Hoje em dia, essa palavra é empregada com tom pejorativo contra grupos que atacam monumentos, prédios e instituições urbanas públicas e privadas, mas originalmente ativistas usavam a tática de destruição de patrimônio cultural como forma de protestos políticos e sociais.

O cenário

O local, o momento e as circunstâncias onde essas manifestações acontecem é relevante, pois são escolhas feitas para legitimar, fortalecer e amplificar a mensagem.

O Louvre é um monumento histórico, além de ser o maior e o mais visitado museu do mundo, com um acervo de aproximadamente 38 mil objetos.

vandalização de obras de arte
Fachada museu do Louvre. Foto: britannica.com

Considerada patrimônio cultural da humanidade, a Mona Lisa, por sua vez, ostenta o título de “obra de arte mais famosa do mundo” por um conjunto de fatores, incluindo seu autor – o italiano Leonardo DaVinci, além do episódio de seu roubo em 1911 e sua sátira feita por Duchamp que a fez cair na cultura popular de vez. A sala onde está exposta é a mais visitada de todo o Louvre.

Motivação

“Artistas pensam sobre a Terra, é por isso que eu fiz isso. Pense no planeta!” é o que gritava o mais recente agressor da Mona Lisa, enquanto era carregado por seguranças.
Não há dúvidas de que as preocupações com o futuro do planeta e das próximas gerações são absolutamente genuínas e comovem a maioria de nós. Inclusive existem diversos(as) artistas dedicando toda a sua criatividade e inovação para criar obras, performances e instalações espetaculares, capazes de despertar reflexões profundas sobre o tema na sociedade. Será que uma torta sobre um vidro nos faz refletir sobre aquecimento global?

Vandalização de obras de arte e monumentos históricos

O ataque à Mona Lisa está longe de ser um caso isolado e soma-se a um amplo e complexo debate que se estende aos questionamentos sobre monumentos históricos que vêm surgindo diante de uma série de protestos populares recentes no Brasil e no mundo.

O impulso que leva uma pessoa ou um grupo a depreciar um patrimônio cultural é um tema que requer estudos profundos que este artigo não tem intenção de desenvolver, mas é necessário analisar as ocorrências com uma perspectiva neutra, levando em consideração que esse tipo de manifestação pode ser vista como forma concreta de expressão. 

Não foi possível salvar sua inscrição. Por favor, tente novamente.
Sua inscrição foi bem sucedida.

Você quer receber informações sobre cultura, eventos e mercado de arte?

Selecione abaixo o perfil que você mais se identifica.

Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários