Artigos Acadêmicos

Parnaso, um dos afrescos de Rafael

Rafael e o afresco Parnaso na Stanza della Segnatura

Por Fatima Sans Martini - agosto 29, 2019
1049 0
Pinterest LinkedIn

Contratado por Júlio II (pontificado de 1503 a 1513) para executar um ciclo de afrescos decorativos nas habitações eclesiásticas do Vaticano, Rafael Sanzio (1483-1520) transferiu-se de Florença para Roma, no mesmo período que Michelangelo (1475-1564) pintava o teto da Capela Sistina.

De acordo com Gombrich (2000) Rafael demonstrou seu total domínio do desenho construindo composições perfeitamente equilibradas na série de afrescos nas paredes e tetos das quatro salas[1], com a ajuda de seus discípulos entre 1508 e 1524. Rafael foi o artista que realizou o que a geração anterior se empenhou em conseguir: uma composição plena de perfeição e harmonia.

O primeiro salão pintado por Rafael foi a Stanza della Segnatura. A Sala do Selo ou Stanza dell sello, a pintura em afresco foi executada entre 1509 e 1511.

O espaço, com cenas capturadas de histórias mitológicas, executadas com extrema alegria e exuberância, levou o nome do mais alto tribunal da Santa Sé, presidido pelo Sumo Pontífice, que costumava sentar-se nesta sala em torno de meados do século XVI.

Os afrescos executados refletem a função do ambiente, estabelecido provavelmente por um teólogo, e representam as categorias mais altas do espírito humano. A teologia é descrita na Disputa do Santíssimo Sacramento e a filosofia, na Escola de Atenas. A justiça é expressa na representação do Cardeal, as virtudes teológicas e a lei, enquanto a poesia se encontra no Parnaso com Apolo e as musas.

Lunetas e cenas explicativas retangulares fazem parte da decoração das paredes, juntamente com a pintura da abóbada, que apresenta quatro tondi[2] com as alegorias: Teologia, Filosofia, Justiça e Poesia.


Parnaso – A Poesia e Apolo na Stanza della Segnatura

Localizada na parte norte da grande sala, a pintura representa o mitológico Monte Parnaso, a montanha sagrada.

No centro da composição, acima da relva molhada pelas águas da fonte Castália e da fonte Hipocrene[3], o deus Apolo toca a lira de braço, rodeado por poetas gregos e latinos e, pelas nove Musas, protetoras das artes. 

RAFAEL Sanzio (1483-1520) Parnaso – A Poesia e Apolo, 1509/10. Fresco, 6,70 metros de altura com a base. Stanza della Segnatura, Palazzi Pontifici, Vaticano, Itália. - afrescos
RAFAEL Sanzio (1483-1520) Parnaso – A Poesia e Apolo, 1509/10. Fresco, 6,70 metros de altura com a base. Stanza della Segnatura, Palazzi Pontifici, Vaticano, Itália.
Encontre em: http://warburg.chaa-unicamp.com.br/img/obras/parnass.jpg

Apolo, reconhecido como o sol da geração olímpica, é filho de Zeus e de Leto[4], e irmão gêmeo de Ártemis, a deusa da lua.

Com um rosto de beleza radiante e juventude eterna, uma cabeleira loura que cai em cachos graciosos sobre seus ombros, alto e desembaraçado, com uma atitude e um porte sedutores, Apolo é representado na maioria das vezes tocando uma lira de ouro inventada e outorgada como presente por seu irmão Hermes[5]

O deus de Delos[6] foi amplamente cultuado em Roma. A Antiguidade clássica, e artistas dos períodos Renascentista e Barroco mostraram-no como um deus de beleza perfeita, símbolo da harmonia entre corpo e espírito.

Deus da música, da poesia, da eloquência, das artes e notável flecheiro, Apolo “preside os concertos das nove Musas”. (COMMELIN, 2008, p. 35)

Rafael - afrescos
RAFAEL Sanzio (1483-1520) Parnaso – A Poesia e Apolo, 1509/10. Fresco, 6,70 metros de altura com a base. Stanza della Segnatura, Palazzi Pontifici, Vaticano, Itália.

De acordo com Hesíodo[7] (77-79, 2013, p. 35-37) as Musas foram concebidas após o pedido dos deuses para que Zeus criasse seres divinos para louvar os grandes feitos e o universo. Assim, Zeus se deitou com a deusa da memória (Mnemose), durante nove noites consecutivas.  Por volta de nove meses depois, a deusa deu à luz nove filhas: Calíope (poesia heroica e oratória), Clio (história), Euterpe (música), Melpómene (tragédia), Thália (comédia), Terpsícore (dança), Erato (poesia lírica), Polímnia (hino sagrado) e Urânia (astronomia). 

Propiciadoras de inspirações e habitantes do Monte Parnaso, local paradisíaco, terra da poesia e música, as nove Musas permanecem ali rodeando as nascentes d’água e riachos. Nesses locais dançam e cantam, acompanhadas pela lira de Apolo.

Rafael - afrescos
RAFAEL Sanzio (1483-1520) Parnaso – A Poesia e Apolo, 1509/10. Fresco, 6,70 metros de altura com a base. Stanza della Segnatura, Palazzi Pontifici, Vaticano, Itália.

Rafael representa nove poetas da antiguidade e contemporâneos outros nove. Os poetas representados conversam entre si e parecem ignorar o concerto do deus musicista.

No alto, à esquerda do Apolo, reconhecem-se quatro poetas épicos: Dante Alighieri (1265-1321), de perfil; Homero (ca. IX-VIII a.C.) de azul; Públio Virgílio (70-19 a.C.) e Angelo Poliziano (1454-1494), tradutor dos poemas de Homero. No entanto, segundo alguns, esse último apresenta o autorretrato de Rafael.

Na parte inferior, à esquerda, encontram-se quatro poetas líricos, segundo certos autores: o humanista e poeta romano, Francesco Petrarca (1304-1374), os poetas gregos: Alceo (621-560 a.C.) e Anacreonte (ca. 572-485 a.C) e as poetisas gregas: Corina (ca. 530-480 a.C.) e Safo (ca. 630-580 a.C.) vestida de azul, segurando um pergaminho, sobre o qual, inscrito em latim, está seu nome.

Do lado direito, alguns autores identificam: Ludovico Ariosto (1474-1533), poeta italiano; Píndaro (517-438 a.C.) poeta grego; Quinto Horácio Flaco (65-8 a.C.) poeta lírico e satírico romano, amigo de Virgílio.

Os poetas latinos: Publios Ovídio[8] Naso (43 a.C.- 17 d.C.), Albius Tibullus (ca. 55-19 a.C.), Gaius Catullus (ca. 84-57 a.C.) e Sextus Propercio (43 a.C-17). E, por último: Giovanni Boccaccio (1313-1375) o grande narrador italiano do século XIV, que imortalizou a Comédia de Dante Alighieri e a renomeou de A Divina Comédia.

Rafael Sanzio
RAFAEL Sanzio (1483-1520) Alegoria da Poesia. 1509/1511. 180 de diâmetro. Stanza della Segnatura, Palazzi Pontifici, Vaticano, Itália.

O tondo pintado na abóbada complementa o afresco Parnaso, e se liga às cenas retangulares com os temas de Apolo e Marsias[9] e a Contemplação da Esfera.[10]

A deusa alada está sentada em um trono entre nuvens e rodeada por dois putti[11] . Coroada com folhas de louro ela segura um livro e uma lira, símbolos de Apolo, o deus da música e da poesia.


[1]    A primeira sala é a Stanza della Segnatura. A segunda sala – A Stanza di Eliodoro – está decorada com quatro episódios da Bíblia e a história da igreja toma por tema a ajuda que Deus confere a seu povo nos tempos de dificuldade. O terceiro ambiente – Stanza dell‘Incendio di Borgo – trata dasaspirações políticas do Pontífice reinante, Leão X, em episódios anteriores, durante o império carolíngio ou de Carlos Magno (reinado de 768 a 814). A quarta sala – di Costantino – foi pensada em homenagem a Constantino I (306-337) o imperador romano que se converteu ao Cristianismo. Nas paredes estão representados quatro episódios de sua vida que testemunham a derrota do paganismo e o triunfo da religião cristã. A pintura dessa sala só foi terminada por seus auxiliares, após a morte do grande artista, aos trinta e sete anos.

[2]    Composição realizada no interior de uma forma circular, chamada de Tondo ou de Tondi, quando no plural. A forma foi usada por muitos artistas do Renascimento.

[3]    Nascente de água doce situada na encosta do Monte Hélicon, tradicionalmente consagrada a Apolo/Febo e às Musas, que teria brotado de uma pedra fendida por uma patada do cavalo Pégaso. Considerada a fonte de inspiração poética, por intermédio das Musas. 

[4]    Filha dos titãs Ceos e de Febe, amada por Zeus, Leto, chamada de Latona pelos romanos, e seus dois filhos pequenos foram perseguidos, incansavelmente, por Hera, ou Juno, pelos romanos.

[5]    Hermes, chamado de Mercúrio pelos romanos, é neto de Atlas. Uma de suas atribuições é transmitir mensagens dos deuses. Inventor da lira, Hermes trocou-a pelo caduceu de Apolo.

[6]    A ilha de Delos está localizada no centro do grupo de ilhas conhecido como Cíclades, no mar Egeu. Delos foi considerada como santuário de Apolo na Antiguidade Clássica.  

[7]    O poema Teogonia, de Hesíodo (ca. VIII-VII a.C.) descreve a origem e a genealogia dos deuses.  O poeta segue narrando a história de Zeus como governante do mundo, que tem o poder de unir e manter a existência da humanidade, por meio das batalhas e das uniões sagradas com deusas e mortais.

[8]    Em Metamorfoses, influenciado pelos poemas épicos e pela genealogia grega, Ovídio (43 a.C.- 17 d.C.), descreveu em cerca de doze mil versos, em latim, as histórias dos deuses e heróis.  A obra que abrange a cosmogonia e a etiologia, fundiu ficção e realidade, transformou personagens e deuses mitológicos em animais, plantas, rios e pedras, no princípio dos tempos e chegou até o tempo do poeta e de Augusto (63 a.C. -14 d.C.). Ovídio seguiu o conceito de Hesíodo na divisão cronológica da mitologia clássica e uniu os deuses aos mortais nas descrições sobre o amor, incesto, ciúme e morte. Os personagens ganharam humanidade e se afastaram das solenes divindades.

[9]    Apolo foi desafiado pelo sátiro Mársias, que tendo inventado a flauta (ou encontrado a flauta que pertencia à Atena), ficou muito orgulhoso do seu talento musical. Os dois acertaram que o vencedor poderia estipular o castigo ao perdedor. Mársias foi pendurado em uma árvore e esfolado vivo por Apolo, que venceu a disputa.

[10]    O tema se refere a Urânia, Musa da Astronomia, representada com o globo celeste. O retângulo, A Contemplação da Esfera, se liga também a Alegoria da Filosofia.

[11]    Crianças aladas ou anjos representados nas artes visuais são chamados pelos italianos de putti ou putto no singular.

Não foi possível salvar sua inscrição. Por favor, tente novamente.
Sua inscrição foi bem sucedida.

Você quer receber informações sobre cultura, eventos e mercado de arte?

Selecione abaixo o perfil que você mais se identifica.

Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários