Artista da Semana

A arte do sul-africano William Kentridge

Por Equipe Editorial - setembro 10, 2013
5277 0
Pinterest LinkedIn

Muito bem reconhecido mundialmente, o artista sul-africano William Kentridge faz trajetória de exposições no Brasil em 2013, passando pelo Instituto Moreira Sales no Rio, na Oca e atualmente tem sua individual na “Fortuna” na Pinacoteca de São Paulo. O arte|ref traduziu uma entrevista feita para o blog OnePeople e disponibilizou aqui para vocês!

Você pode começar com uma introdução a si mesmo e seu trabalho?

WK : Eu sou artista. Eu moro em Joanesburgo. Todo o meu trabalho é sobre Joanesburgo, de uma forma ou de outra . Todas as minhas escolas – universidades, escolas de arte , todo o treinamento que eu tive, foi aqui em Joanesburgo – com exceção de um ano em Paris . Quanto a minha temática, eu acho que trabalho com o que está no ar, o que quer dizer que trabalho com a mistura de questões pessoais e questões sociais mais amplas . Questões deste ano, do ano passado, a responsabilidade, a retribuição, a recriminação, e todas as questões e histórias que estão escondidas na paisagem. Muitas vezes, eles são bastante amplas, mas geralmente elas chegam através de um bom ponto de partida pessoal ou particular.

 

Com que meios você geralmente trabalha?

WK : Bem, tudo é desenho. Meus desenhos são principalmente carvão sobre papel , mas (ocasionalmente) os desenhos se tornam uma sobreposição de desenhos. Às vezes eu filmo meu trabalho em andamento, fase-a-fase como o desenho é feito . . . o movimento é ajustado e torna-se a base para as peças que acabam como filmes . Duas dimensões que se deslocam através do tempo.

Nos últimos anos eu tenho trabalhado com Handspring Puppet Company – dirigido por Basil Jones e Adrian Cola em Joanesburgo – que utilizam figuras de madeira entalhadas na frente desses filmes de animação . Portanto, meu desenho torna-se um elemento que compõe uma peça de teatro . Para mim, tudo isso não deixa de ser um desenho independentemente da aplicação que ele recebe  no final .

O que você acha que a responsabilidade social do artista é ?

WK : Eu não acho que há uma responsabilidade social para um artista. Eu acho que a sua responsabilidade é de trabalhar da melhor maneira que se pode, e ir o mais longe que puder com o que fazem.  Ai eu acho que a natureza daquilo que emerge do trabalho será muito mais complicado e verdadeira.

Uma pergunta menos precisa também seria : ” é da responsabilidade do artista prever um belo futuro “? Absolutamente não ! Eu não acho que há qualquer outra responsabilidade para o artista além do seu trabalho. Estou interessado em arte política, mas precisamente na arte política que nega essa responsabilidade . Ao longo prazo, seu trabalho pode ser: (A) mais interessante (B) ter uma relação mais verdadeira com o mundo ao seu redor e (C) , a longo prazo , se tornar mais responsável em termos de ser parte de um desbloqueio permanente do que constitui a sociedade.

O seu trabalho foi criticado no exterior como uma metáfora contemporânea para este país?

WK : Sim. . . talvez um pouco demais às vezes. Você desenha uma íris e é visto como uma metáfora para o fim do Apartheid . Às vezes, uma íris é somente uma íris. Quando lemos um livro trazemos para o ato de ler uma quantidade enorme de nós mesmos, não é um objeto que você responde a de maneira neutra . Há um diálogo complicado entre suas opiniões, suas expectativas, esperanças e as coisas que pensamos totalmente independente do trabalho – que juntas formam uma malha complexa de significado e resposta. E assim, para algumas pessoas estamos saindo da África do Sul e ouvem os acordes de Khosi Sikelela tocando ao fundo do meu trabalho, ao mesmo tempo que há todo um outro contexto do trabalho que às vezes é ofuscado por esta pressão .

Todo o trabalho que é feito – se é um jogo, ou uma peça de música ou de um livro é muito dependente de um observador um ouvinte ou uma audiência simpática. O melhor trabalho nas mãos de um público antipático morre e no contexto certo, até um trabalho medíocre estabelece novo valor! Isso tem um poder e uma potência totalmente imprevisível .

O que você acha que o futuro de Arte Sul-Africano será?

WK : Quando estávamos na época do boicote cultural o contexto artístico funcionava como uma estufa real. Em outras palavras , no Festival de Artes em Grahamstown não havia nada de fora da África do Sul . Agora, há duas coisas que acontecem. Por um lado, existe uma real pressão para que as coisas tomem forma, cresçam e evoluem. Por outro lado, há uma espécie de nutrição muito limitada para as pessoas . . . agora que o boicote cultural não existe mais, deveria ser muito mais fácil ver uma variedade grande de trabalhos de outros países, bem como para o trabalho Sul-Africano ser visto por mais pessoas.

Há algumas pessoas que desafiam isso, pessoas que precisavam e precisam das condições e das estruturas estabelecidas pelo e apartheid para poder funcionar bem. . . e outras pessoas que floresceram. Então, eu acho que houve um curto apogeu. Um curto período em que o mundo esteve interessado, muito interessado pela África do Sul como África do Sul , porque era um exemplo de história moral do final do século XX. Esse momento obviamente passou. . . e tudo bem para mim. A história é bastante interessante: a básica história dos contos morais.

Quem foram algumas das pessoas na sua vida que realmente te inspirou a seguir o seu próprio trabalho ?

WK : Bem, a maior influência foi esse homem chamado Dumilia . No momento em que eu era estudante , ele já tinha ido a Nova York. Quando eu era adolescente – cerca de quatorze ou quinze anos – ele trabalhava na casa com Bill Ansley , um professor que eu tinha. Eu costumava ir lá à noite para minhas aulas de arte e eu via Dumilia trabalhando na casa, trabalhando em grandes desenhos figurativos de carvão. Isso, para mim, isso me revelou o que este tipo de desenho poderia ser, o que se pode fazer com esse material . Ele foi muito importante.

Há um grande número de pessoas que não ensinam nada no campo das artes plásticas. Eu aprendi mais sobre pintura e desenho com Jaque Lecoque, meu professor de teatro, do que com professores de artes. Da mesma forma , eu aprendi mais sobre as maneiras de fotografar a partir das aulas de política. Professores particulares, no departamento de política, mais do que as pessoas em particular, nas artes plásticas .

Você poderia compartilhar conosco um pouco de como vê a Internet?

WK : Eu nunca encontrei uma maneira confortável para ler a Internet. Todos os motores de busca que eu já experimentei por aí está tão cheio de ruídos . . . de lixo. . . eles sempre me fazem sentir como se eu estivesse lendo um livro muito mal publicado. É preciso um grande esforço para olhar para dentro, para encontrar algo que vale a pena ler . Estou fico sempre tão desanimado pela página de rosto, o sumário e a introdução . . . que acabo geralmente fechando o livro antes de entrar no primeiro capítulo .

Eu já tentei buscar ocasionalmente para partes específicas de informação na internet e as informações estavem tão desatualizadas. ,aos do que o material impresso! . . . E também há toneladas de informações que não se precisa saber. Eu ainda não encontrei um site que me desse vontade de voltar e olhar para ele de novo.

Tem sido útil pelas negociações com galerias que preciso tratar, posso mandar imagens do meu trabalho com facilidade. Eu sei que a internet tem sua funcionalidade, para os catálogos que venho trabalhando é a maneira mais eficiente de enviar informações. Eu penso  na internet como uma máquina de fax instantânea. O princípio da velocidade com que a informação é enviada é boa. Mas eu realmente não sei as suas outras funcionalidades.

Veja abaixo o artista se auto intrevistando:

 

9932Inventory18498-1020

KENTRIDGE 5.08 N17.tif

Adaptability/Compliance/Silence 1999 by William Kentridge born 1955

Terminal Hurt/Terminal Longing 1999 by William Kentridge born 1955

Untitled Artist and Model Drawing

william_kentridge_fortuna_05

emvideo-bliptv-4661559_0

767076-william-kentridge

Não foi possível salvar sua inscrição. Por favor, tente novamente.
Sua inscrição foi bem sucedida.

Você quer receber informações sobre cultura, eventos e mercado de arte?

Selecione abaixo o perfil que você mais se identifica.

Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários