Cinema

O que faz um filme se tornar “cult”?

Como um "clássico cult" nasce

Por Paulo Varella - abril 10, 2019
3751 0
Pinterest LinkedIn

Quer saber como um “clássico cult” nasce? Veja aqui.

Filmes como “E o Vento Levou” e “O Poderoso Chefão” são saudados como obras-primas desde o primeiro momento em que foram para as telas, e seu sucesso crítico e de bilheteria refletem isso.

Mas há outros filmes que conseguiram conquistar multidões por um longo período de tempo, ganhando lentamente fãs e admiração através do boca-a-boca de quem se sente apaixonado pelo filme.

O termo “filme de cult” (e depois “clássico cult” conforme o filme envelhece) é usado para descrever um filme que desenvolveu uma base de fãs pequena, mas significativa e completamente dedicada, que cresce com o tempo.

Embora as franquias de grande sucesso como “Star Wars” e “Harry Potter” tenham fãs tão entusiasmados que os filmes parecem ter influência de culto, o termo “filme de cult” refere-se especificamente a filmes que apesar de serem muito menos bem sucedidos financeiramente têm fãs apaixonados por eles.

Embora hajam filmes que fracassaram ou têm desempenho ruim nas bilheterias eles quase todo fim de semana ainda conseguem conquistar alguns fãs, poucos filmes inspiram tanta devoção que desenvolvem seguidores dedicados.

Os “cultos” dedicados a esses filmes em particular crescem à medida que os fãs apaixonados espalham a notícia sobre esse filme imperdível (na opinião deles).

A história dos filmes cult


Na era do clássico de Hollywood, poucos filmes tiveram a oportunidade de desenvolver sucessos cults devido à rotatividade regular nos cinemas e à falta de distribuição subsequente em mídias como televisão ou home video que permitissem ao público ver filmes fora de suas primeiras apresentações nos cinemas.

No entanto, alguns filmes não de primeira linha alcançaram notoriedade em exibições de fim de noite, como o polêmico filme de terror “Freaks”, de 1932, da MGM.

Em um circo de atrações bizarras, Cleópatra é uma bela trapezista que é cortejada por um anão. Ao descobrir que ele é herdeiro de uma fortuna, ela arquiteta um plano com o seu amante, Hércules, de casar-se com o anão e depois envenená-lo. Só que no dia do casamento, Cleopátra repudia os amigos do circo do seu futuro marido, chamando-os de nojentos e sujos. As aberrações se juntam para se vingar de Cleópatra, transformando-a em uma pessoa metade mulher, metade galinha, sem as pernas e quase cega.

Anos depois, a televisão seguiria o exemplo. Buscando programação barata, muitos canais de televisão produziam obscuros filmes de terror, suspense ou simplesmente esquisitos durante a madrugada ou como “filmes da meia-noite”.

Parte dessa programação incorporaria um “host” macabro como Vampira, de Los Angeles, e Zacherley, de Filadélfia.

No início dos anos 1970, os cinemas de várias grandes cidades começaram a exibir filmes “underground” como “filmes da meia-noite”, muitas vezes por longos meses ou anos se os ingressos continuassem sendo vendidos.

pink flamingos
Uma mulher obesa e bizarra e sua família desajustada competem com um casal envolvido com pornografia e narcotráfico pelo título de `Pessoa mais Repugnante do Mundo’, concedido por um tabloide americano

Por exemplo, “El Topo” (1970), “Pink Flamingos” (1972) e “The Harder They Come” (1972), que tiveram longas períodos de projeção em teatros como o famoso Elgin Theatre de Nova York.

Elgin-Theatre
Os Teatros Elgin e Winter Garden são os primeiros cinemas gêmeo na America do Norte localizados em Toronto, Ontário, Canadá. O Winter Garden Theatre está a sete andares acima do Elgin Theatre. Eles foram os últimos cinemas deste tipo com uma arquitetura Edwardiana no mundo

Na verdade, o mais famoso filme da meia-noite de todos os tempos, “The Rocky Horror Picture Show”, está em edição limitada desde 1976. Participantes regulares recitam o diálogo junto com o filme, vestem-se como seus personagens favoritos e jogam objetos na tela (para a irritação de proprietários de teatro e pessoal de limpeza).

Enquanto a popularidade dos filmes da meia-noite diminuiu com a introdução da mídia doméstica, isso não mudou o entusiasmo que o público tinha pelos filmes cult. Na verdade, o VHS ajudou a espalhar a popularidade de um número incontável de filmes deste gênero, o que deu a muitos filmes pouco apreciados uma nova vida.

Enquanto filmes cult variam de ficção científica exagerada a filmes de terror altamente gráficos há algumas características que a maioria dos filmes de culto compartilha.

Fora do Mainstream

O único critério que todos os filmes cult têm em comum é que eles não são populares entre o público em geral ou nas bilheterias … pelo menos não inicialmente.

Afinal, a própria definição de “cult” significa que esses filmes têm seguidores pequenos, mas dedicados.

Em muitos casos, os filmes cult são de baixo orçamento em lançamento limitado. Em outros, são de grandes orçamentos de estúdio que não venderam ingressos durante sua exibição teatral.

Em ambos os casos, o público que tem a oportunidade de ver esses filmes divulga o que viu. Em breve, a popularidade do filme cresce de formas inesperadas e não intencionais, até mesmo entre o público que ignorou o filme da primeira vez.

São tão ruins que eles são bons

Enquanto muitos filmes cult inspiram o apoio dos fãs por serem menosprezados pelo público em geral, outros se tornam sucessos cult pela razão oposta: porque são filmes horríveis.

“Reefer Madness” (1936), “Plan 9 do Outer Space” (1959) e “The Room” (2003) são considerados três dos piores filmes já feitos, mas é precisamente por isso que alguns fãs os consideram tão divertidos. . Estes três filmes são apenas alguns exemplos de filmes hilariantes que são filmes populares da meia-noite.

The Room (2003)
The Room é um filme independente americano de 2003 de drama romântico, estrelado, escrito, produzido e dirigido por Tommy Wiseau. O longa é centrado no triângulo amoroso melodramático entre um banqueiro chamado Johnny, sua futura esposa Lisa e seu melhor amigo Mark. Data de lançamento: 27 de junho de 2003 (Los Angeles) Direção: Tommy Wiseau Bilheteria: US$1.800. Orçamento: US$ 6 milhões

Outros filmes cult são populares apesar dos baixos orçamentos e da baixa qualidade de produção. A Troma Entertainment lançou dezenas de filmes que são amplamente considerados como cult clássicos, apesar de muitos dos filmes terem orçamentos extremamente baixos.

O filme mais famoso da Troma, “The Toxic Avenger”, de 1984, foi tão bem-sucedido que o estúdio independente mudou o foco de comédias sexuais para filmes de terror (tanto assustadores quanto cômicos) após seu lançamento, na tentativa de recriar seu sucesso.

Toxic-Avenger
O jovem Melvin Junko é um faxineiro atrapalhado que é constantemente desprezado e humilhado pelos frequentadores de uma academia de ginástica da cidade de Tromaville, até o dia em que cai em um tanque de lixo químico e torna-se o Vingador Tóxico.

Por outro lado, filmes cult como “A Noite dos Mortos Vivos” (1968) e “The Evil Dead” (1981) tornaram-se favoritos dos fãs por serem ótimos filmes que não receberam o reconhecimento que mereciam quando foram originalmente lançados. De fato, é possível argumentar que ambos os filmes, desde então, superaram seu status de cult, já que o reconhecimento de sua qualidade é agora generalizado.

Vá aos extremos

The Rocky Horror Picture Show
Os namorados Brad e Janet têm um pneu furado durante uma tempestade e descobrem a misteriosa mansão do louco cientista Dr. Frank-N-Furter. Eles encontram uma casa cheia de personagens selvagens, incluindo um motociclista e um mordomo assustador

Muitos filmes cult se tornam populares por causa de sua natureza controversa ou “underground”. Filmes como “The Rocky Horror Picture Show” (1975) quebraram tabus sexuais, enquanto “The Boondock Saints” (1999) se tornou um enorme sucesso em DVD após um lançamento malsucedido em apenas cinco salas por conta do seu conteúdo violento.

Enquanto o público e os críticos do mainstream podem achar tal conteúdo desagradável ou mesmo perturbador, outros aceitam esses filmes por oferecer ao público algo diferente.

Por exemplo, antes da distribuição digital, filmes de terror de cineastas trabalhando em países como Japão, Espanha e Itália eram comercializados em VHS e DVDs por fãs do gênero, incluindo filmes que nunca viram um lançamento oficial no país. Entre os fãs de cinema, ser “conhecedor” de filmes raros e pouco conhecidos tornou-se um símbolo de orgulho em si mesmo.

Legados

Enquanto muitos filmes populares desaparecem dos olhos do público após a conclusão de seus lançamentos no cinema, a popularidade dos filmes cult continua a crescer.

Embora a popularidade destes filmes se espalhasse nas exibições da meia-noite nas cidades e muitas vezes em cópias emprestadas de VHS ou DVD, a internet e a transmissão digital aumentaram exponencialmente a admiração de certos filmes.

Hoje os fãs desses filmes em todo o mundo podem compartilhar seu entusiasmo. Por exemplo, “The Big Lebowski” (1998) teve bilheteria decepcionante em seu lançamento inicial, mas sua popularidade duradoura desde então tem inspirado uma “Lebowski Fest” anual que celebra todos os aspectos do filme e até mesmo uma religião chamada “Dudeism” depois o apelido do personagem principal.

The Big Lebowski
Jeff Lebowski é um boa vida que acaba se envolvendo com a história de um milionário com o mesmo nome. O ricaço pede ajuda a Jeff para entregar o dinheiro do resgate de sua esposa, que foi sequestrada por bandidos perigosos.

Poucos filmes podem ter esse tipo de efeito sobre o público e inspirar tal dedicação de seus fãs, o que faz com que os filmes cult talvez sejam o melhor tipo de filme – diversão sem fim para seus fãs mais dedicados!

Veja Também:

Avatar

Estudou cinema na NTFS (UK), Administração na FGV e Química na USP. Trabalhou com fotografia, cinema autoral e publicitário em Londres nos anos 90 e no Brasil nos anos seguintes. Sua formação lhe conferiu entre muitas qualidades, uma expertise em estética da imagem, habilidade na administração de conteúdo e pessoas e conhecimento profundo sobre materiais. Por muito tempo Paulo participou do cenário da produção artística em Londres, Paris e Hamburgo de onde veio a inspiração para iniciar o Arteref no Brasil. Paulo dirigiu 3 galerias de arte e hoje se dedica a ajudar artistas, galeristas e colecionadores a melhorarem o acesso no mercado de arte internacional.

Deixe um comentário

avatar
  Inscrever  
Notificar de