Dossiê

Janduari Simões: o fotógrafo da cultura popular brasileira

Saiba mais sobre seus trabalhos e da conversa exclusiva com nós do ArteRef

Por Equipe Editorial - março 2, 2020
717 0
Pinterest LinkedIn

Nascido em Itabuna-Ba, (07/09/1949), Janduari Simões começou a fotografar em 1975 no Museu Paraense Emílio Goeldi, ficando lá até 1978. Durante esse período, além do trabalho científico e documental, fotografou o Projeto Pixinguinha durante dois anos, sendo convidado a expor esse trabalho na FUNARTE no Rio de Janeiro.

Em 1980 foi estudar no Istituto Europeo di Design em Roma-Itália. Na volta, fixou residência em Salvador-BA e começou a trabalhar para a imprensa local: primeiro no jornal A Tarde; depois, no Jornal da Bahia. Tornou-se freelancer após esse período e passou a atender a revista Veja Bahia.

Ao retornar a Belém em 1989, desenvolveu trabalhos de documentação com o livro Iconografia da Pesca Ribeirinha e Marítima na Amazônia”; e, paralelamente, retomou o registro da Feira do Ver-O-Peso e seus mercados, no ano de 2000. Até 2002, em parceria com o jornalista Klester Cavalcanti, Janduari Simões voltou a fotografar para Veja com reportagens sobre a região amazônica. Após esse período, passou a contribuir com diversas revistas tanto brasileiras (Caminhos da Terra, Época, Você S.A, Nossa História, PZZ) quanto estrangeiras (Altair, Espanha; Travessia e Cidades, Portugal). Contribuiu também com o catálogo da exposição Unknown Amazonia do British Museum, Inglaterra.

Em 2019, voltou a participar do Prêmio Diário de Fotografia Contemporânea a convite da curadoria do Prêmio numa coletiva com artistas de outras edições no Museu da Universidade Federal do Pará (MUFPa).


Conversa com o ArteRef

Em resposta ao “que tem feito ultimamente?” Janduari nos respondeu: “Desacelerando, fazendo macro fotos no meu quintal, natureza. Além disso, fazendo a curadoria de um trabalho de dez anos sobre a Marujada Bragantina, que acontece no interior do Pará na cidade de Bragança. Essa curadoria é feita com um amigo, curador, da cidade. A ideia é a produção de um livro e uma expo, possivelmente intinerante”.

Janduari Simões; Marujada Bragantina-PA
Marujada Bragantina-PA
Crédito: Janduari Simões

“Sempre gostei dessas manifestações populares desde quando morava na Bahia mas, naveguei por outras ondas, principalmente fotojornalismo. Queria um tema para desenvolver um trabalho visual e encontrei a Marujada. Fiz também durante cinco anos um trabalho sobre Tambor de Mina, manifestação afro-religiosa que incorpora elementos do candomblé e caboclos e seres da floresta. Inclusive, fiz algumas publicações desse material ilustrando a matéria em jornais da Espanha e México”, completa o fotógrafo.

Procissao Marujada Bragantina - PA
Procissão Marujada Bragantina – PA
Crédito: Janduari Simões

Veja mais sobre o trabalho de Janduari Simões

Janduari Simões; Imagem do quintal
Imagem do quintal
Crédito: Janduari Simões

Atividades profissionais

  • Fotógrafo e laboratorista do mpeg 1975/1978;
  • fotógrafo no jornal “a tarde”, Salvador-BA 1982/1985;
  • fotógrafo no jornal da Bahia, Salvador-BA 1987;
  • freelancer para o jornal “amicizia-stuenti esteri” revista ucsei/4, Roma-Itália, 1981;
  • freelancer para Editora Abril (Veja, Exame, Superinteressante, Nova Escola, Veja Bahia);
  • freelancer da Editora Bloch (manchete, amiga, pais&filhos, ele&ela);
  • freelancer para Revistas: Visão, Afinal, Jornal “ O Globo”;
  • fotógrafo parceiro da Folha-Press – São Paulo.
BELEM, PARA, BRASIL - Gilberto Gil, Ginasio de Educaçao Fisica da UFPa, turne Ogum/Xango do disco com Jorgr Ben que estava no ginasio e fez show individual. 1976.
BELÉM, PARA, BRASIL — Gilberto Gil, Ginásio de Educação Física da UFPA, turnê Ogum/Xangô do disco com Jorge Ben que estava no ginásio e fez show individual (1976).
Crédito: Janduari Simões

Ilustrações

  • Cartaz promocional e capa do disco “Nativo”, de Paulo André Barata, Belém/Pará, 1978;
  • cartaz do show “Artistas” de Marisa Gata Mansa, Funarte-RJ, 1978;
  • capa do disco do cantor Gerônimo,  Salvador-BA, 1987 – 88              
  • cartaz promocional do show de João Gilberto, Salvador-BA, 1988;
  • reprodução fac-similar do livro “A monograph of the rhamphastidae or family of toucans”, de john gould, 1854, reeditado pelo mpeg, patrocinado pela Jari, CIA Florestal Monte Dourado, Belém-PA, 1992;
  • reprodução fac-similar do livro “plantarum brasiliae, icones et descriptiones” de joanne emanuelle pohl, 1827, reeditado pelo mpeg, patrocinado pela jari, cia florestal monte dourado, belém/pará, 1993;
  • capa do livro Plantas medicinais na amazonia de Maria Elisabeth Van Den Berg, coleção adolpho ducke, Museu Paraense Emílio Goeldi, Belém-PA, 1993;
  • capa do disco “Não peguei o ita” de Nilson Chaves, Belém-PA, 1994;
  • capa do livro Frutas Comestivéis da Amazônia de Paulo B. Cavalcanti, coleção adolpho ducke, cnpq/Museu Paraense EmÍlio Goeldi, Belém-PA, 1996;
  • catálogo de Obras Sobre Papel do Museu de Arte de Belém, Belém-PA, 1997;
  • catálogo do acervo do Museu de Arte de Belém, “Tempo passado, Tempo presente”, Belém-PA, 1997;
  • catálogo da coletiva anual da associação dos artistas plásticos do Pará, “Antes e depois da chuva”, Museu de Arte de Belém, Belém-PA, 1998;
  • catálogo do acervo do Museu de Arte de Belém, “Ver o Peso – o que se narra, o que se vê”, Belém-PA, 1998;
  • ilustrações fotográficas na publicação Arte da Terra-Resgate da Cultura Material e Iconografica do Pará, publicado por Museu Paraense Emílio Goeldi/sebrae, Belém-PA, 1999;
  • ilustrações fotográficas do catalogo da III Rodada Brasileira de Artesanato, sebrae, Belém-PA, 2000;
  • ilustrações fotográficas no Guia philips, Amazônia/Brasil, publicado por Horizonte Geográfico, São Paulo, 10/2001;
  • ilustração de capa, miolo e artigo científico do catálogo da exposição Unknown Amazon, editado por Colin MCewan, Cristiana Barreto e Eduardo Neves, publicado por the British Museum Press/British Museum Company Ltd, Londres-Inglaterra, 2001;
  • iconografia da Pesca Ribeirinha e Marítima na Amazônia, livro de fotografias com texto da drª. Lourdes Furtado, editado pelo Museu Paraense Emílio Goeldi, Belém-PA, 2002;
  • ilustração de capa e miolo do livro “Direto da selva, as aventuras de um reporter na amazonia” de Klester cavalcanti, editora geração editorial 2002;
  • ilustração de capa e miolo do livroViúvas da terra, morte e impunidade nos rincões do Brasil” de Klester Cavalcanti, ganhador do prêmio jabuti – categoria reportagem, 2004;
  • catálogo Fauna e flora do Parque Zoobotanico Getúlio Vargas, secretaria do meio ambiente da Bahia, 2008;
  • livro Parques da Bahia, patrimônio natural da Bahia, secretaria do meio ambiente da Bahia, 2009.

Não foi possível salvar sua inscrição. Por favor, tente novamente.
Sua inscrição foi bem sucedida.

Você quer receber informações sobre cultura, eventos e mercado de arte?

Selecione abaixo o perfil que você mais se identifica.

Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários