Escultura

Doris Salcedo – Plegaria Muda

Por Equipe Editorial - novembro 28, 2012
2334 0
Pinterest LinkedIn

Quem é o artista? Doris Salcedo
O que vai ter na exposição? Esculturas
É um bom programa? Sim
A galeria é conceituada? Sim
Até quando? 03 de fevereiro 2013

Governo do Estado de São Paulo e Secretaria da Cultura Apresentam na Estação Pinacoteca Doris Salcedo – Plegaria Muda

A Pinacoteca do Estado de São Paulo, instituição da Secretaria da Cultura apresenta, na Estação Pinacoteca, a exposição Plegaria Muda, 2008-10, da artista colombiana Doris Salcedo (Bogotá, 1958), considerada uma das figuras mais importantes na cena artística contemporânea. Plegaria Muda é um ambicioso projeto da artista que se relaciona fortemente com episódios de violência política, debruçando-se sobre algumas tragédias públicas e chamando a atenção para os traumas pessoais das vítimas. Concebida originalmente para o Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian, sob encomenda da própria Fundação e do Moderna Museet Malmö, Plegaria Muda foi co-produzida pelo MUAC – Museo Universitario Arte Contemporáneo, Mexico; MAXXI – Museo nazionale delle arti del XXI secolo, Roma, e pela Pinacoteca do Estado de São Paulo. Com curadoria de Isabel Carlos, diretora do CAM – Fundação Calouste Gulbenkian e a curadora principal da itinerância da exposição Plegaria Muda

Abertura dia 08 de dezembro, sábado, a partir das 11h. Em cartaz até o dia 03 de fevereiro 2013.

Doris Salcedo – Plegaria Muda

A Pinacoteca do Estado de São Paulo, instituição da Secretaria da Cultura apresenta, na Estação Pinacoteca, a exposição Plegaria Muda (2008-10) da artista colombiana de Doris Salcedo (Bogotá, 1958). Exibida pela primeira vez no Brasil, Plegaria Muda, é um ambicioso projeto da artista, formado por 120 mesas de madeira (que correspondem a diferentes tamanhos de caixões funerários) e que se relaciona fortemente com episódios de violência política, debruçando-se sobre algumas tragédias públicas e chamando a atenção para os traumas pessoais das vítimas.

Doris é considerada uma das figuras mais importantes na cena artística contemporânea. Suas esculturas e instalações relacionam-se fortemente com episódios de violência política, debruçando-se sobre algumas tragédias públicas e chamando a atenção para os traumas pessoais das vítimas. Na última década, Doris Salcedo desenvolveu instalações de grande escala e intervenções arquitetônicas para museus, galerias e espaço urbano.

Para Doris Salcedo, a violência é um fenômeno universal; um padrão humano, ameaçando o tecido social. “Em Plegaria Muda procuro articular diferentes experiências e imagens que fazem parte da natureza violenta do conflito colombiano. Também pretendo conjugar uma série de eventos violentos que determinam a imparável espiral de violência mimética e fratricida que caracteriza os conflitos internos e as guerras civis em todo o mundo. Plegaria Muda procura confrontar-nos com o pesar contido e não elaborado, com a morte violenta quando reduzida à sua total insignificância e que faz parte de uma realidade silenciada como estratégia de guerra. Considero que a Colômbia é o país da morte insepulta, da vala comum e dos mortos anônimos. É, por isso, importante distinguir cada túmulo de forma individual, para assim articular uma estratégia estética que permita reconhecer o valor de cada vida perdida e a singularidade irredutível de cada túmulo. Cada peça, apesar de não estar marcada com um nome, encontra-se selada e tem um caráter individual, indicando um ritual funerário que aconteceu. A repetição implacável e obsessiva do túmulo enfatiza a dolorosa repetição destas mortes desnecessárias, além de enfatizar o seu caráter traumático, considerado irrelevante pela maioria da população. Ao individualizar a experiência traumática através da repetição, espero que esta obra consiga, de alguma forma, evocar e restituir a cada morte a sua verdadeira dimensão, permitindo assim o retorno à esfera do humano destas vidas dessacralizadas. Espero que, apesar de tudo, e mesmo em condições difíceis, a vida prevaleça…”

Segundo Isabel Carlos, curadora da mostra, Doris Salcedo sempre considerou as suas esculturas como criaturas e, em Plegaria Muda, essa ideia é levada ao limite porque a obra pode não apenas afetar seus espectadores, como ser afetada por eles. Plegária Muda é, em si mesma, vulnerável, frágil, finita e torna cada visitante também vulnerável ao se deparar com uma obra que fala de morte, do desaparecimento, de valas comuns.. Estamos, assim, frente a uma dupla vulnerabilidade: a do espectador e a da obra. Doris Salcedo reivindica para si o papel de pensadora, mas uma pensadora que deva ser capaz de produzir obras que não se reduzam a explicações psicológicas ou sociológicas e, acima de tudo, que não sejam ilustrações dos testemunhos das vítimas, mas, antes, que as redima do silêncio e da invisibilidade através de outros suportes, de outras percepções.

Não foi possível salvar sua inscrição. Por favor, tente novamente.
Sua inscrição foi bem sucedida.

Você quer receber informações sobre cultura, eventos e mercado de arte?

Selecione abaixo o perfil que você mais se identifica.

Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários