Exposições e Eventos

Mestre Dicinho: Escultórico tropical abstrato animal na Sé Galeria, em SP

Por Equipe Editorial - agosto 23, 2023
255 0
Pinterest LinkedIn

Mestre Dicinho (Jequié, 1945), artista que passa a ser representado pela Sé, realiza exposição individual em São Paulo, na sede da galeria, na Vila Modernista de Flávio de Carvalho. Expoente tropicalista e figura destacada da contracultura brasileira, Dicinho irá apresentar uma série de relevos e esculturas com enfoque em suas abstrações e figurações de animais. Mestre Dicinho: Escultórico tropical abstrato animal tem abertura no sábado, 26 de agosto, das 12h às 19h.

Sobre Mestre Dicinho

Adilson Costa Carvalho, o Mestre Dicinho, é um dos protagonistas da grande revolução cultural da Tropicália, movimento que inovou o panorama artístico brasileiro com a fusão de tradição, vanguarda e cultura pop. A produção visual do artista, extensa e diversa, atravessa pintura, ilustração, escultura, cenografia, figurino e performance. Destacam-se, contudo, as chamadas “esculto-pinturas”, esculturas feitas em uma massa, a Copageti (acrônimo para cola, papel, gesso e tinta), desenvolvida por ele em anos de pesquisa. Posteriormente pintadas, as peças revelam uma estética associada à tropicalidade e à psicodelia, apresentando temáticas distintas que vão de representações figurativas de animas e humanos a elementos da cultura popular e abstrações geométricas. Com mais de 50 anos de produção, Dicinho possui uma poética visual singular, sendo um artista auto exilado em seu ateliê na cidade de Salvador, mas que segue ativo, produzindo novos trabalhos e vendo sua obra ser redescoberta.

Mestre Dicinho
Obras de Mestre Dicinho na Sé Galeria

Para o artista, curador e professor Ayrson Heráclito, autor do texto crítico da exposição, Dicinho foi fundamental na construção da visualidade tropicalista. Ele conta, em entrevista a Lisette Lagnado, André Pitol e Yudi Rafael, para o catálogo da mostra A parábola do progresso (Sesc Pompeia, 2022): “A primeira vez que vi o trabalho de Dicinho […] fiquei impressionado com a maneira como ele articula o tridimensional, a escultura com a superfície pictórica, e a construção de padrões visuais obsessivamente psicodélicos. Ali estava todo um espírito de uma época que eu não tinha vivido”.

Mestre Dicinho
Obras de Mestre Dicinho na Sé Galeria

Entre as décadas de 1960 e 1980, Dicinho trabalhou com figuras de vulto da cultura brasileira, como Lina Bo Bardi, Rogério Duarte, Edinízio Primo, Waly Salomão, Gilberto Gil, Gal Costa, Jards Macalé e José Celso Martinez Corrêa. Ele é o autor da emblemática capa do álbum de Gal de 1969, o mais experimental da cantora. No mesmo ano, participou da execução dos figurinos da montagem de Na selva das cidades, de Brecht, pelo Teatro Oficina, e vestiu Macalé na antológica apresentação de Gotham City, no IV Festival Internacional da Canção. Nos anos seguintes, mergulhou de cabeça na contracultura e, como muitos de sua geração, teve a consciência expandida por alucinógenos, meditação e macrobiótica – prática alimentar a qual é adepto até hoje. Ilustrou publicações “clássicas” da imprensa alternativa como Flor do Mal e Verbo Encantado. Também foi próximo do casal Bardi, que costumava convidá-lo para performar sua coreografia O quebra, ao som de Jimi Hendrix, Rolling Stones e Janis Joplin, na Casa de Vidro, a residência do casal. Em 1983, Lina curou uma mostra de trabalhos do artista no Sesc Pompeia. A renomada arquiteta era grande admiradora de seus bichos escultóricos.

Exposição “Mestre Dicinho: Escultórico tropical abstrato animal”

É justamente essa vertente de seu trabalho – ao lado de um conjunto de obras abstratas – que poderá ser vista em Mestre Dicinho: Escultórico tropical abstrato animal, primeira exposição do artista na Sé galeria. Arara, tatu, gato, cavalo, galo, coruja… As esculturas de Mestre Dicinho impressionam pelo humor e a leveza. A estética psicodélica é notável no detalhado acabamento pictórico sobre a superfície das obras, que são feitas utilizando a massa Copageti e ferramentas também criadas por ele. Exemplar é a escultura Cachorro (2019). A peça, que parece saída de um filme de animação dos Beatles, apresenta um divertido cão de “pele” verde texturizada, com rabo e pescoço espiralados e patinhas curvas que simulam com perfeição o passo do bicho.

Mestre Dicinho
Obras de Mestre Dicinho na Sé Galeria

As abstrações estabelecem diálogo não apenas com os grandes mestres modernos estudados com dedicação pelo artista, mas também com sua própria produção figurativa, já que há algo de geométrico e abstrato na estruturação de seus animais. Cores puras e formas orgânicas também são elementos presentes em toda sua obra. “A obra do Mestre Dicinho está completamente fora de qualquer outro registro de visualidade, sobretudo, na tradição tridimensional da arte brasileira”, pondera Heráclito. “Acho que ele pode contribuir muito na formação das novas gerações e é um nome canônico para pensar a diversidade da arte contemporânea no Brasil.”

Serviço

Mestre Dicinho: Escultórico tropical abstrato animal
De 26 de agosto a 21 de outubro
Sé Galeria. Endereço: Alameda Lorena, 1257, casa 2, Vila Modernista – Jardim Paulista – São Paulo

Não foi possível salvar sua inscrição. Por favor, tente novamente.
Sua inscrição foi bem sucedida.

Você quer receber informações sobre cultura, eventos e mercado de arte?

Selecione abaixo o perfil que você mais se identifica.

Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários