Galerias e Eventos

Exposição “Nise da Silveira: a revolução pelo afeto” em SP

Após passar pelo Rio de Janeiro e Belo Horizonte, exposição em homenagem a grande nome da psiquiatria brasileira chega à capital paulista, onde fica aberta ao público até 26 de março.

Por Equipe Editorial - janeiro 6, 2023
40 0
Pinterest LinkedIn

A exposição “Nise da Silveira: a revolução pelo afeto” celebra e discute o legado da psiquiatra alagoana responsável por uma profunda transformação no campo da saúde mental brasileira. A mostra está em cartaz desde o dia 8 de dezembro, no Sesc Belenzinho.

A curadoria do Estúdio M’Baraká, com consultoria do psiquiatra Dr. Vitor Pordeus e do museólogo Eurípedes Júnior, propõe uma experiência a partir de três eixos principais: contexto, dor & afeto, que levanta questões do debate sobre loucura e “normalidade”, assim como pontua o princípio da resistência aos métodos violentos dos hospitais psiquiátricos; ser mulher, ser revolucionária, que enfoca a trajetória pioneira e combativa de Nise da Silveira; e Engenho de Dentro: inconsciente e território, com maior ênfase nas obras realizadas pelos artistas-pacientes de Nise na instituição carioca e os caminhos abertos pela psicologia analítica.

A expografia de Diogo Rezende, designer e sócio do Estúdio M’Baraká, traz ambientes preenchidos por sobreposições que contrastam a frieza da instituição de clausura – sob constante vigilância – com o calor, a humanidade e a liberdade do trabalho que a doutora Nise realizou nos ateliês do Engenho de Dentro, hospital psiquiátrico na capital do Rio de Janeiro, hoje renomeado em sua homenagem. Esse tensionamento é perceptível, por exemplo, ao se percorrer um trecho da mostra em que os precursores da arteterapia e os tratamentos psiquiátricos agressivos aparecem enquanto contemporâneos de uma mesma época.

Atenta às discussões e pesquisas não só da psiquiatria, mas dos estudos científicos ligados à subjetividade, Nise da Silveira contribuiu para reposicionar o debate sobre internação e tratamento da esquizofrenia. Para isso, incluiu as práticas com materiais expressivos na rotina dos internos que estavam sob sua responsabilidade, observando tanto o modo como manejavam ferramentas artísticas e realizavam suas obras quanto as imagens que surgiam desse trabalho criativo. “A Nise criou um método clínico centrado no afeto.

Ela é herdeira de Juliano Moreira, de Baruch Espinoza, de Sigmund Freud, de Carl Gustav Jung. Jung foi aluno de Freud e professor da Nise, na Suíça. Homens revolucionários, que abandonaram a ideia do corpo máquina e trabalharam com a abordagem centrada na subjetividade, na emoção, na identidade, na simbologia, nas narrativas que restauram as memórias. A nossa dificuldade hoje é não deixar o afeto se apagar em um momento em que tudo virou máquina”, situa o consultor Dr. Vitor Pordeus, que trabalhou no Instituto Municipal Nise da Silveira, de 2009 a 2016, e é um dos fundadores do Hotel da Loucura. Além de conhecer a trajetória de Nise, condecorada como Heroína da Pátria em 2022 pelo Congresso Nacional, os visitantes do Sesc Belenzinho vão apreciar de perto as obras deemblemáticos artistas do acervo do Museu de Imagens do Inconsciente, como Adelina Gomes, Emygdio de Barros, Carlos Pertrius e Fernando Diniz. Junto a elas, também há produções de artistas contemporâneos como Lygia Clark e Carlos Vergara. Dentre as novidades desta edição da mostra em São Paulo, estão quatro obras de Aurora Cursino dos Santos e três obras de Ubirajara Ferreira Braga, todas do acervo do Museu Osório César.

exposição Nise da Silveira
Exposição reúne cerca de 90 obras do Museu de Imagens do Inconsciente – Tânia Rêgo/Agência Brasil

Para Isabel Seixas, produtora e sócia do Estúdio M’Baraká, “a exposição busca apresentar
essa personagem e sua importância simbólica ontem e hoje. Nise é uma mulher revolucionária e representa um pensamento vanguardista brasileiro na ciência e, pela especificidade de seu trabalho, consequentemente, nas artes. Nise da Silveira (devemos reverberar esse nome) permitiria múltiplas abordagens – valorizar seu gesto revolucionário, a partir do afeto, é potente nos dias de hoje”.


Sobre Nise da Silveira

Nise da Silveira nasceu em Maceió, no dia 15 de fevereiro de 1905, filha de um professor de matemática e jornalista com uma pianista. Desse modo, cresceu em uma casa que prezava pela cultura e pelo afeto, frequentada por gente da imprensa, estrangeiros e artistas. A futura psiquiatra estudou no Liceu alagoano e, em 1921, foi para a Faculdade da Bahia, em Salvador. Ingressou no
curso de medicina aos 15 anos e se formou em 1926, sendo a única mulher entre 157 homens daquela turma. Nessa época, também se casou com o médico sanitarista Mário Magalhães, colega de faculdade com quem viveria até o fim da vida. Juntos, optaram por não ter filhos e, assim, dedicar-se prioritariamente à medicina.

Em 1927, já sem a mãe e sofrendo pelo falecimento do pai, Nise decidiu se mudar para o Rio de Janeiro com seu companheiro, pois lá teriam melhores oportunidades de trabalho. No ano de 1933, enquanto finalizava sua especialização em psiquiatria, colaborou com a clínica neurológica de Antônio Austregésilo. Ao concluir essa etapa de formação, foi aprovada em concurso e começou a trabalhar no Serviço de Assistência a Psicopatas e Profilaxia Mental do Hospital da Praia Vermelha.
Na década de 1930, militou no Partido Comunista Brasileiro, mas foi expulsa da célula sob a acusação de trotskismo. Seu engajamento levou a uma denúncia por posse de livros marxistas, o que ocasionou a prisão de Nise da Silveira em 1936. Dessa época até meados da década de 1940, permaneceu com o marido em condição semiclandestina, afastada do serviço público.
Ao retomar suas atividades, em 1944, foi integrada ao Centro Psiquiátrico Nacional Pedro II, no Engenho de Dentro, no Rio de Janeiro, onde combateu técnicas agressivas utilizadas nos pacientes da saúde mental. Nesse contexto, criou ateliês de pintura e modelagem para estimular a vinculação dos sujeitos por meio da expressão simbólica. Assim, tornou-se revolucionária em seu
campo de atuação, alcançando resultados reconhecidos internacionalmente pela comunidade médica e científica.

Em 1952, Nise fundou o Museu de Imagens do Inconsciente, no Rio de Janeiro, espaço que ainda hoje exerce a função de resguardar o legado da visionária e de ser um centro de estudo e pesquisa que preserva os trabalhos produzidos nos ateliês psiquiátricos. Em 1956, surgiu ainda a Casa das Palmeiras, clínica voltada à reabilitação de antigos pacientes de instituições psiquiátricas.

Nesse percurso, a médica também se aproximou dos estudos jungianos das mandalas, uma vez que essas imagens eram recorrentes na produção dos internos que acompanhava. Já em 1954, iniciou uma troca de correspondência com Carl Gustav Jung que resultaria em um diálogo bastante produtivo para seu trabalho. Jung deu importante estímulo a Nise para que ela realizasse uma mostra com a obra de seus pacientes.

Assim, em 1957, ocorreu a exposição “A arte e a esquizofrenia”, que ocupou cinco salas do II Congresso Internacional de Psiquiatria, realizado em Zurique. Na ocasião, o mentor da psicologia analítica incentivou Nise a estudar mitologia como forma de ampliar as ferramentas de leitura de seu trabalho. A psiquiatra então embarcou em um período formativo no Instituto Carl Gustav Jung, na Suíça, que ocorreu em duas fases – de 1957 a 1958, e de 1961 a 1962.

Ao retornar ao Brasil, criou o Grupo de Estudos Carl Jung, que presidiu até 1968. Nesse mesmo ano, publicou a primeira edição do livro Jung: vida e obra.

Ainda em vida, Nise da Silveira recebeu diversas homenagens e prêmios, como a Ordem de Rio Branco, pelo Ministério das Relações Exteriores, em 1987; o Prêmio Ciccillo Matarazzo, na categoria Personalidade do Ano, da Associação Brasileira de Críticos de Arte, em 1992; a Medalha Chico Mendes, do Tortura Nunca Mais, em 1993; e a Ordem Nacional do Mérito Educativo, pelo Ministério da Educação e do Desporto, em 1993.

Já aos 94 anos, em 1999, a alagoana veio à óbito devido a uma pneumonia, deixando um imenso legado para humanidade, que nunca será esquecido.


Serviço

Nise da Silveira: A Revolução pelo Afeto
Local: Sesc Belenzinho
Período expositivo: até 26 de março de 2023
Horário de funcionamento: Terça a sábado, das 10h às 21h. Domingos e Feriados, das 10h às 18h
Acessibilidade: Rampas, elevadores, pisos tátil, banheiros adaptados e outros equipamentos
acessíveis.
Classificação indicativa: Livre
Entrada gratuita


Leia também:
Museu Casa de Portinari em SP ganha galeria multimídia


Não foi possível salvar sua inscrição. Por favor, tente novamente.
Sua inscrição foi bem sucedida.

Você quer receber informações sobre cultura, eventos e mercado de arte?

Selecione abaixo o perfil que você mais se identifica.

Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários