Gente de Arte

A Arte fala por si mesma em Esperanto

Por Equipe Editorial - julho 18, 2013
6532 0
Pinterest LinkedIn
Isto não é um cachimbo, 1928 por Magritte

No mundo secular em que vivemos, cada extensão de conhecimento e atividade humana é arquivado em pastas separadas, onde não há espaço para uma interdisciplinaridade, nem lugar para uma harmoniosa relação entre razão e sentimento. A ciência especializou-se e a religião busca constantemente homogeneizar. Mas há ainda o lugar da arte, que se fundou num espaço híbrido, onde um possível intercâmbio entre a razão e a sensibilidade se desenvolve,  abrindo espaço para uma rede de conexões inesgotáveis, entre diversas áreas do  conhecimento e das atividades humanas.

Porém, há muito mais do que se dizer sobre arte…

Durante toda a História, a religião foi o monopólio das atividades voltadas à mente e à alma. E a arte, por sua vez, seguia a serviço da Igreja. Na pintura e na escultura, os temas representados eram Deus, os anjos, os santos e, de modo geral, as cenas que instruíssem os fiéis a respeito dos conhecimentos morais e espirituais da doutrina cristã. Mas as atividades artísticas foram aos poucos se libertando e ganhando seu próprio espaço, não mais prestando serviço à Igreja. As religiões não tiveram problema em nos dizer qual é a função da arte: de nos lembrar de quem devemos amar, temer e odiar.  Mas e agora, qual seria a função da arte se não orientar nossa fé?

Em pleno século XXI há quem diz que os museus se tornaram as catedrais contemporâneas, que é na cultura que deveríamos buscar por orientação, consolação e moralidade…

É verdade que a sociedade contemporânea coloca a Arte em um pedestal acima de todas as outras ocupações, agregando valores como glamour, status econômico, sabedoria e alta cultura, desconectando-a de todas as suas funções primárias. Mas por uma série de relações e concepções que foram estabelecidas nos últimos séculos (depois da liberdade expressiva adquirida pela separação da Igreja), a arte se tornou uma atividade voltada aos especialistas.

Além de se direcionar a este público específico, há também duas concepções ruins que pairam sobre o mundo contemporâneo que inibem nossa capacidade de extrair a força da arte: a primeira delas é a ideia de que a arte deve ser auto expressiva e exclusiva – o que a mantém numa bolha hermética, não se relacionando com nada e nem atuando diretamente sobre o mundo.  A outra concepção é que a arte deve ser autoexplicativa, que os artistas não deveriam revelar o que fazem, pois se o fazem, a magia da obra de arte se quebra, banalizando-a. Então temos que nos condicionar a “ler” esta linguagem específica sozinhos, desvendando-a para somente depois nos relacionarmos com a obra.

Por isso uma experiência bem comum quando estamos num museu é a constante indagação; “O que isso significa?”. Mas pela mística do objeto artístico, não devemos jamais questioná-lo, ao contrário somos ridicularizados. Este senso de perplexidade é estrutural quando se trata da arte contemporânea.

Arte é um encontro visceral de nossas ideias mais importantes com a fé. Os museus deveriam aprender com os livros de religião e assegurar que quando entramos num museu, nos deparemos com uma sala reservada ao amor, uma à generosidade, etc. Todas as obras de arte falam sobre alguma coisa e se fôssemos capazes de aumentar os locais onde pudéssemos ver trabalhos que realmente nos dissessem algo, aprenderíamos muito mais com ela. A arte cumpriria a obrigação que costumava ter, que negligenciamos devido a certas ideias mal fundadas. Em sua capacidade plena, ela nos torna atentos ao mundo, às realidades dele. Portanto a arte deveria ser uma das ferramentas para  melhorarmos a sociedade, mas para isso, ela deve parar de ser auto-explicativa, de exigir do espectador um grau de familiaridade com a linguagem! Para isso ela deve ser também, didática.

A linguagem da arte não é universal, pois vive no campo da sensibilidade, e a sensibilidade é algo subjetivo. Os artistas e as instituições de arte só conseguirão devolver sua função primária, se pararem de considerar que sua linguagem é falada universalmente, como deveria ser o Esperanto. Porém, quem é fluente neste idioma criado para ser universal?

Devemos parar de considerar que a obra de arte fala por si só. O contexto, as ideias e as relações devem ser expostas, e não com um linguagem especializada que só curadores, artistas e experts entendam, mas de maneira com que o público geral ganhe instrumentos e ferramentas que acrescentem em sua experiência estética. Devemos retornar ao papel didático da arte.

por Clarissa Ximenes

Não foi possível salvar sua inscrição. Por favor, tente novamente.
Sua inscrição foi bem sucedida.

Você quer receber informações sobre cultura, eventos e mercado de arte?

Selecione abaixo o perfil que você mais se identifica.

Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários