Gente de Arte

Joan Miró: biografia, obras e curiosidades

Saiba mais sobre o artista que queria redescobrir as fontes do sentimento humano

Por Equipe Editorial - agosto 14, 2019
1778 0
Pinterest LinkedIn

Joan Miró i Ferrà (Barcelona, 20 de abril de 1893 — Palma de Maiorca, 25 de dezembro de 1983) foi um influente pintor, escultor, ceramista e gravurista do século XX, nascido em Barcelona. Começou a desenhar quando era menino, e, mais tarde, frequentou uma escola de negócios, assim como a Escola de Belas Artes de La Lonja.

Na última escola, ele foi incentivado por dois professores; alguém o encorajou a reviver o espírito da primitiva arte catalã, combinando-a com descobertas e técnicas modernas. (Isso se deu no começo do século XX, quando a arte moderna estava apenas começando na Europa e o clima criativo era enérgico e progressivo).

Quando jovem, foi exposto ao rico folclore da Catalunha, que mais tarde influenciou suas imagens.

Joan Miró
Miró por Yousuf Karsh

Na arte catalã é comum o uso de cores primárias, todas fortemente delineadas em preto, com um campo ao redor sombreado, bem como também o tratamento moderno do espaço como uma superfície plana, em vez da tradicional ilusão de profundidade em uma imagem (perspectiva, etc.).

Todos esses elementos podem ser vistos no trabalho de Miró, bem como o uso de diferenças de escala, em que uma forma é desproporcionalmente maior do que outras, um método frequentemente usado pelas crianças quando elas tornam os objetos mais importantes para eles os maiores objetos no mundo.


Uma breve história de Joan Miró

Quando jovem, frequentou a Real Academia Catalana de Belles Arts de Sant Jordi da capital catalã e a Academia de Gali. Em 1919, depois de completar os seus estudos, esteve em Paris, onde conheceu Pablo Picasso e entrou em contato com as tendências modernistas como o fauvismo e o dadaísmo.

No início da década de 1920, conheceu o fundador do movimento surrealista André Breton entre outros artistas.


A transformação do estilo

As pinturas O Carnaval de Arlequim (1924), e Maternidade (1924), inauguraram uma linguagem cujos símbolos remetem a uma fantasia, sem as profundezas das questões psicanalistas surrealistas.

Maternidade (1924)
Maternidade (1924)

Em 1928, viajou para Holanda, tendo pintado as duas obras Interiores holandeses I Interiores holandeses II. Em 1937, trabalhou em pinturas-mural e, anos depois, em 1941, concebeu uma de suas mais conhecidas e radiantes obras, senão a maior: Números e constelações em amor com uma mulher.

Interiores Holandeses I
Interiores Holandeses I
Números e constelações em amor com uma mulher (1941)
Números e constelações em amor com uma mulher (1941)

Mais tarde, em 1944, iniciou-se em cerâmica e escultura. Miró era conhecido por trabalhar com várias formas de arte e utilizar todos os tipos de métodos de trabalho para produzir novas peças. Ele experimentou materiais distintos como embalagens, sucatas, restos de madeira e até mesmo fogo para fazer suas obras.

Vários anos depois, viajou pela primeira vez aos Estados Unidos e nos anos seguintes; durante um período muito produtivo, trabalhou entre Paris e Barcelona.

No fim da sua vida reduziu os elementos de sua linguagem artística a pontos, linhas, alguns símbolos e reduziu a cor, passando a usar basicamente o branco e o preto.

Joan Miró.
Joan Miró foto: Ida Kar, 1954

Algumas obras revelam grande espontaneidade, enquanto em outras se percebe a técnica feita com muito cuidado, e esse contraste também aparece em suas esculturas.


Curiosidades

1) Infância

Apesar dele se interessar pela arte desde a infância, aos 14 anos Miró é pressionado para largar os estudos de artes e trabalhar como balconista em uma Farmácia, entrando em depressão agravada por um ataque de febre tifoide pouco tempo depois. Quando ele tinha 19 anos seus pais permitiram que voltasse aos estudos.

Paisagem Catalã (1924)
Paisagem Catalã (1924)

2) Miró e o surrealismo

Mesmo sob forte influência do Surrealismo, Miró não teve tanto contato com o círculo de artistas do movimento; ele criou seu próprio estilo, distinto em relação aos demais surrealistas como Salvador Dalí, por exemplo. Uma de suas principais realizações, é o quadro O carnaval do arlequim (1924).

O carnaval do arlequim (1924)
O carnaval do arlequim (1924)

3) Mural na UNESCO

O artista tem um mural de cerâmica na sede da UNESCO em Paris, o qual venceu o Prêmio Internacional da Fundação Guggenheim.

Mural do Sol e da Lua
Mural do Sol e da Lua

4) Os exercícios de Miró

Durante os seus estudos de arte, por orientação dos seus professores, ele treinava desenhar objetos que conhecia apenas pelo tato e pintar paisagens gravadas na mente. Ia a um lugar, observava e depois voltava ao ateliê para trabalhar.

La Granja (1922)
La Granja (1922)

5) A fama

Por volta dos anos 1930, Miró tornou-se mundialmente famoso, expondo regularmente em galerias francesas e americanas. Ilustrou livros, fez cenários para balé, passou a interessar-se por colagem e murais.

Livro de Arte de Paul Éluard ilustrado por Joan Miró
Livro de Arte de Paul Éluard ilustrado por Joan Miró

6) A inspiração de Miró

No livro Painters on Painting, o artista é citado em uma entrevista de 1947, dizendo que suas escolas favoritas de pintura são representadas pelos primitivos pintores das cavernas.

Ele alegou que desde a era da pintura rupestre, “a arte não fez nada a não ser degenerar”. Além disso, acrescentou que a direção que a pintura deveria tomar era a de “redescobrir as fontes do sentimento humano”.

Joan-Miró
Joan Miró ao lado de sua obra

7) O prêmio

Em 1980, ele recebeu a Medalha de Ouro de Belas Artes, do Rei da Espanha Juan Carlos.


Veja também


Você gostaria de receber nossos e-books sobre o mercado de arte?


Fontes

Deixe um comentário

avatar
  Inscrever  
Notificar de