Movimentos

Arte Bizantina: história, obras e características

Estilo presente em catedrais ortodoxas até hoje pode ser percebido como influência sobre a arte oriental

Por Equipe Editorial - julho 6, 2019
1080 0
Pinterest LinkedIn

O que foi o Império Bizantino?

Para entendermos a Arte Bizantina, inicialmente, temos de compreender melhor sobre o Império Bizantino.

Ele foi a continuação do Império Romano na Antiguidade Tardia e Idade Média. Sua capital, Constantinopla (atual Istambul), originalmente era conhecida como Bizâncio. Inicialmente a parte oriental do Império Romano (comumente chamada de Império Romano do Oriente no contexto), sobreviveu à fragmentação e ao colapso do Império Romano do Ocidente no século V e continuou a prosperar, existindo por mais de mil anos até sua queda diante da expansão dos turcos otomanos, em 1453.

Como a distinção entre o Império Romano e o Império Bizantino é, em grande parte, uma convenção moderna, não é possível atribuir uma data de separação. Vários eventos do século IV ao VI marcaram o período de transição durante o qual as metades oriental e ocidental do Império Romano se dividiram. Em 285, o imperador Diocleciano (r. 284–305) dividiu a administração imperial em duas metades. 


Definição de Arte Bizantina

Arte Bizantina é a produção artística da Roma Oriental feita durante e depois do reinado do imperador Constantino, que estabeleceu a religião cristã como a oficial. Apesar desta associação histórica as obras de arte nem sempre obedecem rigidamente aos acontecimentos. Muitas nações ortodoxas e muçulmanas preservaram diversos aspectos da arte e da cultura deste império durante séculos depois.

Também podem ser incluídos alguns estados não-ortodoxos como a República de Veneza, que se separou do Império Bizantino no século 10, e o Reino da Sicília, que tinha laços estreitos com o Império Bizantino e, portanto, tinha sido uma nação bizantina até o século 10 com uma grande população de língua grega.

Outros estados de tradição artística bizantina oscilaram durante a Idade Média entre ser parte do império Bizantino ou ter independência, como a Sérvia e Bulgária. Após a queda da capital bizantina de Constantinopla em 1453, a arte produzida por cristãos ortodoxos que viveram no Império Otomano, continuou a ser chamada de “pós-bizantina.”

Os três reis magos
Os três reis magos

Certas tradições artísticas que tiveram origem no Império Bizantino, particularmente no que diz respeito à pintura icônica e a arquitetura de igrejas, são mantidas na Grécia, Chipre, Sérvia, Bulgária, Roménia, Rússia e outros países ortodoxos orientais até os dias atuais.

A arte bizantina originou-se e evoluiu da cultura grega cristianizada do Império Romano do Oriente. O conteúdo do cristianismo e da mitologia grega clássica foi artisticamente expresso através de modos helenísticos de estilo e iconografia. A arte de Bizâncio nunca perdeu de vista sua herança clássica; a capital bizantina, Constantinopla, foi adornada com um grande número de esculturas clássicas, embora elas eventualmente tenham se tornado objeto de alguma perplexidade para seus habitantes (entretanto observadores bizantinos não mostraram sinais de perplexidade em relação a outras formas de mídia clássica tais como pinturas murais).

A base da arte bizantina é uma atitude artística fundamental mantida pelos gregos bizantinos que, como seus antigos antecessores gregos, nunca se satisfaziam apenas com um jogo de formas, eram estimulados por um racionalismo inato, dotavam as formas de vida associando-as à sua identidade.

Embora a arte produzida no Império Bizantino fosse marcada por reavivamentos periódicos de uma estética clássica, ela foi marcada sobretudo pelo desenvolvimento de uma nova estética definida por seu caráter “abstrato” ou anti-naturalista. Se a arte clássica foi marcada pela tentativa de criar representações que imitam a realidade da forma mais próxima possível, a arte bizantina parece ter abandonado essa tentativa em favor de uma abordagem mais simbólica.


O que dizem os especialistas

A natureza e as causas dessa transformação, que ocorreram em grande parte durante a antiguidade tardia, têm sido objeto de debate acadêmico por séculos. Giorgio Vasari atribuiu isso a um declínio nas habilidades e padrões artísticos, que por sua vez foram revividos por seus contemporâneos no Renascimento italiano.

Embora este ponto de vista tenha sido ocasionalmente revivido, mais notavelmente por Bernard Berenson, estudiosos modernos tendem a ter uma visão mais positiva da estética bizantina. Alois Riegl e Josef Strzygowski, escrevendo no início do século XX, foram responsáveis, acima de tudo, pela reavaliação da arte Antiguidade tardia. Riegl via isso como um desenvolvimento natural de tendências pré-existentes na arte romana, enquanto Strzygowski via como um produto de influências “orientais”.

arte bizantina;
Jesus Cristo

Notáveis contribuições recentes para o debate incluem as de Ernst Kitzinger, que traçaram uma “dialética” entre as tendências “abstratas” e “helenísticas” no final da antiguidade, e John Onians, que viu um “aumento na resposta visual” no final da antiguidade, através do qual um espectador “poderia olhar para algo que era, em termos do século XX, puramente abstrato e encontrá-lo cheio de significado”.

Em todo caso, o debate é puramente moderno: é claro que a maioria dos espectadores bizantinos não considerou sua arte abstrata ou antinatural. Como Cyril Mango observou, “nossa própria apreciação da arte bizantina decorre em grande parte do fato de que esta arte não é naturalista; no entanto, os próprios bizantinos, julgando por suas declarações existentes, a consideravam altamente naturalista e como estando diretamente ligadas à tradição de Fídias, Apeles e Zeuxis. “

Afrescos em Nerezi perto de Skopje (1164), com sua mistura única de alta tragédia, humanidade gentil e realismo caseiro, antecipam a abordagem de Giotto e outros artistas italianos proto-renascentistas.

Afrescos em Nerezi perto de Skopje (1164)
Afrescos em Nerezi perto de Skopje, 1164

O tema da arte bizantina era primariamente religioso e imperial: os dois temas são frequentemente combinados, como nos retratos de imperadores bizantinos posteriores que decoravam o interior da igreja do século VI da Hagia Sophia em Constantinopla. Essas preocupações são, em parte, resultado da natureza piedosa e autocrática da sociedade bizantina e, em parte, de sua estrutura econômica: a riqueza do império estava concentrada nas mãos da igreja e do escritório imperial, que tinha a maiores condições de empreender comissões artísticas monumentais.

arte bizantina; Jesus no colo da Virgem Maria entre duas figuras da realeza
Jesus no colo da Virgem Maria entre duas figuras da realeza

A arte religiosa não se limitava, no entanto, à decoração monumental dos interiores das igrejas. Um dos gêneros mais importantes da arte bizantina era o ícone, uma imagem de Cristo, a Virgem, ou um santo, usado como objeto de veneração em igrejas ortodoxas e casas particulares. Os ícones eram mais religiosos do que estéticos por natureza: especialmente depois do fim da iconoclastia, entendia-se que eles manifestavam a “presença” única da figura representada por meio de uma “semelhança” com aquela figura mantida através de cânones de representação cuidadosamente mantidos.

As iluminuras dos manuscritos era outro gênero importante da arte bizantina, hoje conhecidas como letra capitular. Os textos mais comumente ilustrados eram religiosos, tanto as próprias escrituras (particularmente os Salmos) quanto textos teológicos (como a Escada da Ascensão Divina de João Clímaco ou as homilias de Gregório de Nazianzo). Textos seculares também foram iluminados: exemplos importantes incluem o romance de Alexandre e a história de John Skylitz.

Os bizantinos herdaram o medo do cristianismo primitivo em relação à escultura monumental na arte religiosa. Eles produziram apenas relevos, dos quais pouquíssimos sobreviveram, em nítido contraste com a arte medieval do Ocidente, onde a escultura monumental ressurgiu da arte carolíngia em diante. Pequenos pedaços de marfim também estavam em grande parte em relevo.

arte bizantina; Díptico de Flavius Anastasius Probus
Díptico de Flavius Anastasius Probus

As chamadas “artes menores” foram muito importantes na arte bizantina. Itens de luxo incluem marfins esculpidos em relevo como apresentação formal, dípticos consulares (códice feito de duas placas enceradas, sobre as quais se escrevia com um estilete) ou caixões, como o caixão Veroli, esculturas de pedra, esmaltes, vidrarias, jóias, metais e sedas estampadas foram produzidos em grandes quantidades em toda a era bizantina. Muitos deles eram de natureza religiosa, embora um grande número de objetos de decoração ou não-representacional fossem produzidos: por exemplo, marfins representando temas da mitologia clássica. As cerâmicas bizantinas eram relativamente rudes, pois a cerâmica nunca era usada nas mesas dos ricos, que comiam em pratarias.


Principais características da arte bizantina:

  • Recebeu influências da cultura greco-romana e oriental (principalmente da Síria e Ásia Menor), realizando uma mistura destes diferentes aspectos culturais;
  • Estilo artístico teve presença marcante do uso de cores;
  • Presença marcante de temas religiosos (forte influência do cristianismo).

O que são os ícones bizantinos?

Ícone, termo derivado do grego εἰκών, (eikon, imagem), no campo da arte pictórica religiosa identifica uma representação sacra pintada sobre um painel de madeira. No Ocidente, ícone pode também ser qualquer imagem (seja estátua ou pintura) de representação religiosa, e não pode ser confundida com o ídolo.

O ícone é a representação da mensagem cristã descrita por palavras nos Evangelhos. Se trata de uma criação bizantina do século V, quando da oferta de uma representação da Virgem, atribuída pela tradição a São Lucas. Quando da queda de Constantinopla em 1453, foi a população dos Bálcãs que contribuiu para difundir e incrementar a produção desta representação sacra, sendo na Rússia o local onde assume um significado particular e de grande importância. O simbolismo e a tradição não englobam somente o aspecto pictórico, mas também aquele relativo à preparação espiritual e aos materiais utilizados.


A origem dos ícones Bizantinos

As imagens sempre foram muito defendidas pela Igreja, como sendo a “bíblia dos que não sabem ler”. São João Damasceno foi um dos maiores iconófilos de todos os tempos, que defendia o culto aos ícones, no século VIII. Os primeiros ícones, surgiram no século II, como mostram as catacumbas de Santa Priscila em Roma. Provavelmente, os cristãos incorporaram dos judeus, a arte dos ícones e mosaicos, já que na época que o Cristianismo estava se formando, muitas sinagogas judias como a Sinagoga de Dura Europo e Beth-Alpha, começaram a utilizá-los.

O maior pintor russo de ícones foi Andrei Rublev (1360 ou 1370 – 1427 ou 1430).

Se você gosta de filmes soviéticos, aqui vai um filme da vida do artista

Fonte

https://en.wikipedia.org/wiki/Byzantine_art

Deixe um comentário

avatar
  Inscrever  
Notificar de