Movimentos

Século de Ouro, Partenon e o Período Clássico ateniense

Durante esse período tivemos um processo criativo que não apenas dominaria a arte romana futura, mas também a Europa Renascentista 2.000 anos depois

Por Equipe Editorial - julho 8, 2019
1071 0
Pinterest LinkedIn

Arcaico foi um período de experimentação gradual. O Clássico, liderado por Péricles, representou o florescimento do poder grego continental e dominação artística. Por fim, o Helenístico, que começou com a morte de Alexandre, o Grande, testemunhou a criação da “arte de estilo grego” em toda a região, à medida que mais e mais centros de cultura foram estabelecidos em terras controladas pelos gregos. 


Cronologia

A prática da arte na Grécia antiga evoluiu em três períodos básicos

  • Período Arcaico (c.650 – 480 a.C.)
  • Período Clássico (c.480 – 323 a.C.)
  • Período Helenístico (c.323 – 27 a.C.)

Aqui, nos aprofundaremos no Período Clássico de produção artística.


Período Clássico (c.480 – 323 a.C.)

A vitória sobre os persas em 490 – 479 a.C. estabeleceu Atenas como a mais forte das cidades-estados gregas. Apesar das ameaças externas, ela manteve seu papel cultural de liderança nos próximos séculos.

Por volta de 450 a.C., o general ateniense Péricles consolidou seu poder utilizando o dinheiro público advindo das taxas cobradas a seus aliados da Liga Delos, para financiar os artistas e pensadores de sua cidade-estado. Acima de tudo, pagou artistas para construírem templos e outros edifícios públicos na cidade. Dessa forma, ele poderia ganhar o apoio do povo distribuindo muitos trabalhos e, ao mesmo tempo, aumentar o prestígio de Atenas, assim como o seu próprio, com a construção de tais obras grandiosas.

Durante esse período, conhecido também como o “Século de Ouro” ou, o “Século de Péricles”, haja vista o enorme desenvolvimento econômico e cultural ateniense, tivemos um processo criativo que não apenas dominaria a arte romana futura, mas também a Europa Renascentista 2.000 anos depois. Tudo isso mesmo com a destruição da maioria das pinturas e esculturas

Péricles (495/492 a.C. – 429 a.C.)

Artes

Cerâmica

Durante essa época, a arte da cerâmica, e consequentemente, a pintura em vasos, sofreram um declínio progressivo. O motivo exato não é possível saber, mas, a julgar pela falta de inovações e o crescente sentimentalismo dos projetos, o gênero parece ter se desgastado.

O desenvolvimento criativo final foi a técnica White Ground, que havia sido introduzida por volta do ano 500. Ao contrário dos estilos de figuras negras ou vermelhas, que se baseavam em tiras de argila para criar figuras, a técnica White Ground empregava tinta e douramento em um fundo de argila branca.

Além dessa única inovação, a cerâmica grega clássica declinou significativamente tanto em qualidade quanto em mérito artístico, e acabou se tornando dependente das escolas helenísticas locais.

Período clássico;  thanatos-and-hypnos-carrying-a-fallen-warrior-bm
Lekythoi — Cerâmica grega em técnica White Ground

Arquitetura

Como a maioria das artes visuais gregas, o design de edifícios alcançou seu apogeu durante o período clássico. Os dois principais estilos (ou “ordens”) da arquitetura grega, o dórico e o iônico, definiram um padrão universal harmonioso e intemporal de beleza arquitetônica.

Seu destaque era a Acrópole, colina sagrada de topo plano nos arredores de Atenas. Os primeiros templos, erigidos aqui durante o período arcaico, foram destruídos pelos persas em 480, mas quando a cidade-estado entrou em sua idade de ouro (c.460 – 430), seu governante Péricles nomeou o escultor Fídias para supervisionar a construção de um novo complexo.

Além do monumental Partenon (que será melhor explorado abaixo), outros exemplos famosos da arquitetura grega clássica incluem:

  • Templo de Zeus em Olímpia (468 – 456 a.C.);
  • Templo de Hefesto (c.449 a.C.);
  • Templo de Bassae, Arcadia (c.430 a.C.), que continha a primeira capital coríntia;
  • Teatro de Delfos (c.400 a.C.);
  • O Mausoléu de Harnicarnassus, (353 a.C.);
  • O Monumento dos Lisicratos, Atenas (335 a.C.);
  • Templo de Apolo em Delfos (330 a.C.)
Templo de Hefesto
Templo de Hefesto

Partenon

O resultado mais notável da campanha pública de Péricles foi o magnífico Partenon, um templo em homenagem à deusa padroeira da cidade, Atena. Os arquitetos Iktinos e Kallikrates e o escultor Fídias começaram a trabalhar nele em meados do século V a.C. Com sua plataforma de pedra retangular, varandas frontais e traseiras, e filas de colunas, o Partenon era o maior exemplo da arquitetura do templo grego.

Nesse período, as obras arquitetônicas compartilhavam o mesmo padrão: filas de colunas sustentando um entablamento horizontal (um tipo de moldagem decorativa) e um telhado triangular. Em cada extremidade do telhado, acima do entablamento, havia um espaço triangular conhecido como frontão, no qual os escultores espremiam cenas elaboradas. No Partenon, por exemplo, as esculturas do frontão mostram o nascimento de Atena em uma extremidade e uma batalha entre Atena e Poseidon na outra.

Período clássico; Parthenon

Normalmente, as pessoas da Grécia antiga não adoravam dentro de seus templos como fazemos hoje. Em vez disso, o quarto interior (o naos ou o cella) era relativamente pequeno, abrigando apenas uma estátua da divindade que o templo foi construído para homenagear. Adoradores se reuniram do lado de fora, entrando apenas para trazer oferendas à estátua.

Para que as pessoas que estavam no chão pudessem vê-las, essas esculturas de frontão geralmente eram pintadas de cores vivas e estavam dispostas em um sólido fundo azul ou vermelho. Esta pintura desapareceu com o passar do tempo. Como resultado, as peças de templos clássicos que sobrevivem parecem ter sido feitas apenas de mármore branco.

Escultura

Durante a era Clássica em sua totalidade, houve uma enorme melhoria na habilidade técnica dos escultores gregos em retratar o corpo humano em uma postura naturalista, em vez de rígida. A anatomia tornou-se mais precisa e, como resultado, as estátuas começaram a parecer muito mais realistas. Além disso, o bronze tornou-se o principal meio de trabalho independente devido à sua capacidade de manter a sua forma, o que permitiu a criação de poses ainda mais naturais.

Os artistas trabalhavam principalmente em mármore, bronze, ocasionalmente madeira, osso e marfim. A escultura de pedra foi esculpida à mão a partir de um bloco de mármore ou calcário de alta qualidade, usando ferramentas de metal; a de bronze foi considerada superior a anterior; mais cara era a escultura criselefantina, reservada para as principais estátuas de culto. O entalhe de marfim, assim como em madeira, era outro gênero especializado, para trabalhos pessoais de pequena escala.

O Partenon foi um exemplo típico de como os gregos usaram a escultura para decorar e realçar seus edifícios religiosos. Originalmente, as esculturas do Parthenon caíram em três grupos.

  • Nos frontões triangulares em cada extremidade havia grupos autônomos em larga escala contendo numerosas figuras de deuses e cenas mitológicas.
  • Ao longo de ambos os lados foram quase 100 relevos de figuras em dificuldades, incluindo deuses, humanos, centauros e outros.
  • Ao redor de todo o prédio havia outro relevo, com cerca de 150 metros de comprimento, que retratava a Grande Panathenia – um festival religioso de 4 anos em homenagem à Atena.

Apesar de muito danificada, as esculturas do Partenon revelam a suprema habilidade artística de seus criadores. Acima de tudo, eles — assim como muitas outras esculturas gregas clássicas — revelam uma sensação espantosa de movimento, bem como um notável realismo do corpo humano.

Período clássico; Apolo Belvedere
Apollo Belvedere (c. 325 a.C.) feita por Leocarés

Pintura

A pintura grega clássica revela uma compreensão linear da perspectiva e da representação naturalista que permaneceria insuperável até a Alta Renascença italiana. Além da pintura em vaso, todos os seus tipos floresceram durante o período Clássico. A forma mais alta era a pintura em painel, feita em encáustica ou tempera. Os assuntos incluíam cenas figurativas, retratos e naturezas-mortas, e exposições — por exemplo, em Atenas e Delphi —. Infelizmente, devido à natureza perecível destes painéis, somados a séculos de saques e vandalismo, não sobreviveu nem um único painel de pintura clássica grega de qualquer qualidade, nem qualquer cópia romana.

A pintura a fresco era um método comum de decoração mural em templos, prédios públicos, casas e túmulos, mas essas obras de arte maiores geralmente tinham uma reputação inferior à das pinturas em painel. O mais célebre exemplo existente de pintura de parede grega é o famoso Túmulo do Mergulhador em Paestum (c.480), uma das muitas decorações tão graves nas colônias gregas na Itália. Outra obra famosa foi criada para a Grande Tumba em Verfina (c.326 aC), cuja fachada foi decorada com uma grande pintura de parede de uma caça ao leão real.

Grande Tumba em Verfina (c.326 a.C.)

A pintura de pedra, terracota e escultura em madeira foi outra técnica especialista dominada por artistas gregos. Esculturas de pedra eram tipicamente pintadas em cores fortes; embora usualmente, apenas as partes da estátua que mostravam roupas, ou cabelos, fossem coloridas, enquanto a pele era deixada na cor da pedra natural, mas na ocasião toda a escultura era pintada. A pintura de escultura era vista como uma arte distinta – um tipo inicial de mídia mista – em vez de meramente um aprimoramento escultural. Além de pintar, a estátua também pode ser adornada com materiais preciosos.

Durante o final do período clássico (400 – 323 a.C.), que viu o florescimento do Império Macedônio sob Filipe II e seu filho Alexandre, o Grande, Atenas continuou a ser o centro cultural dominante da Grécia continental. Este foi o expoente da pintura grega antiga, com artistas como o talentoso e influente Apelles de Kos — pintor oficial de Filipe II e seu filho — acrescentando novas técnicas de destaque, sombreamento e coloração.


Veja mais sobre o assunto


Você gostaria de receber nossos e-books sobre o mercado de arte?

[sibwp_form id=1]


Fontes

Deixe um comentário

avatar
  Inscrever  
Notificar de