Movimentos

Como os futuristas usaram a arte para alimentar o fascismo

Por Equipe Editorial - abril 19, 2017
5894 3
Pinterest LinkedIn

A conexão entre o futurismo italiano e o fascismo foi conhecida. Aqui falaremos um pouco da psicologia dos intelectuais italianos no período antes e durante a Primeira Guerra Mundial que deu origem a esse fenômeno singular. É uma lição objetiva sobre como arte e política podem se conectar, e como essa mistura surge de uma base definida de classe e social.

Mas antes, é importante entendermos quem foi um dos principais idealizadores do futurismo e o que ele pensava.


Quem foi Filippo Tommaso Marinetti ?

filippo-tommaso-marinetti
Filippo Tommaso Marinetti foi um escritor, poeta, editor, ideólogo, jornalista e ativista político italiano.

Martinett nasceu no Egito em 1876 e foi um escritor, poeta, editor, ideólogo, jornalista e ativista político italiano. Foi o fundador do movimento futurista, cujo manifesto foi publicado no jornal parisiense Le Figaro, em 20 de fevereiro de 1909.

Suas primeiras obras foram poemas que escreveu para revistas literárias e, mais tarde. para sua própria revista – Poesia.

revista poesia de marinetti

Publicou no jornal Le Figaro (1909), de Paris, um famoso manifesto em que mostrou sua oposição às fórmulas tradicionais e acadêmicas, expondo a necessidade de abandonar as velhas fórmulas e criar uma arte livre e anárquica, capaz de expressar o dinamismo e a energia da moderna sociedade industrial, que é considerado o texto fundador do movimento futurista. Este não foi o único movimento italiano de vanguarda, tendo sido no entanto o mais radical de todos, por pregar ruidosamente a anti-tradição. Indicava que as artes demolissem o passado e tudo o mais que significasse tradição, e celebrassem a velocidade, a era mecânica, a eletricidade, o dinamismo, a guerra.


O manifesto de fundação futurista:

manifesto futurista

Data do primeiro manifesto: 5 de fevereiro de 1909

  1. Nós queremos cantar o amor ao perigo, o hábito da energia e do destemor.
  2. A coragem, a audácia, a rebelião serão elementos essenciais de nossa poesia.
  3. A literatura exaltou até hoje a imobilidade pensativa, o êxtase, o sono. Nós queremos exaltar o movimento agressivo, a insônia febril, o passo de corrida, o salto mortal, o bofetão e o soco.
  4. Nós afirmamos que a magnificência do mundo enriqueceu-se de uma beleza nova: a beleza da velocidade. Um automóvel de corrida com seu cofre enfeitado com tubos grossos, semelhantes a serpentes de hálito explosivo… um automóvel rugidor, que correr sobre a metralha, é mais bonito que a Vitória de Samotrácia.
  5. Nós queremos entoar hinos ao homem que segura o volante, cuja haste ideal atravessa a Terra, lançada também numa corrida sobre o circuito da sua órbita.
  6. É preciso que o poeta prodigalize com ardor, fausto e munificência para aumentar o entusiástico fervor dos elementos primordiais.
  7. Não há mais beleza, a não ser na luta. Nenhuma obra que não tenha um caráter agressivo pode ser uma obra-prima. A poesia deve ser concebida como um violento assalto contra as forças desconhecidas, para obrigá-las a prostrar-se diante do homem.
  8. Nós estamos no promontório extremo dos séculos!… Por que haveríamos de olhar para trás, se queremos arrombar as misteriosas portas do Impossível? O Tempo e o Espaço morreram ontem. Nós já estamos vivendo no absoluto, pois já criamos a eterna velocidade onipresente.
  9. Nós queremos glorificar a guerra – única higiene do mundo – o militarismo, o patriotismo, o gesto destruidor dos libertários, as belas ideias pelas quais se morre e o desprezo pela mulher.
  10. Nós queremos destruir os museus, as bibliotecas, as academias de toda natureza, e combater o moralismo, o feminismo e toda vileza oportunista e utilitária.
  11. Nós cantaremos as grandes multidões agitadas pelo trabalho, pelo prazer ou pela sublevação; cantaremos as marés multicores e polifônicas das revoluções nas capitais modernas; cantaremos o vibrante fervor noturno dos arsenais e dos estaleiros incendiados por violentas luas elétricas; as estações esganadas, devoradoras de serpentes que fumam; as oficinas penduradas às nuvens pelos fios contorcidos de suas fumaças; as pontes, semelhantes a ginastas gigantes que cavalgam os rios, faiscantes ao sol com um luzir de facas; os piróscafos aventurosos que farejam o horizonte, as locomotivas de largo peito, que pateiam sobre os trilhos, como enormes cavalos de aço enleados de carros; e o voo rasante dos aviões, cuja hélice freme ao vento, como uma bandeira, e parece aplaudir como uma multidão entusiasta.

É da Itália, que nós lançamos pelo mundo este nosso manifesto de violência arrebatadora e incendiária, com o qual fundamos hoje o “futurismo”, porque queremos libertar este país de sua fétida gangrena de professores, de arqueólogos, de cicerones e de antiquários. Já é tempo de a Itália deixar de ser um mercado de belchiores. Nós queremos libertá-la dos inúmeros museus que a cobrem toda de inúmeros cemitérios.

Quando Marinetti pediu “guerra” em seu Manifesto, ele não estava pedindo por uma guerra real, como em confrontos entre nações. O poeta estava exigindo uma rebelião contra o status quo, uma insurreição de classes oprimidas e um reconhecimento de que o passado era passado e morto e uma exigência de que o futuro seria reconhecido. Para Marinetti, o futuro estava presente; estava aqui, mas o futuro precisava ser compreendido.

O “movimento” que exigia um “manifesto” para explicar foi chamado primeiramente de Elettricismo ou Dinamismo, afirmando que o poeta estava exigindo uma “limpeza utópica”, ou um novo modo de vida para o futuro.

A distinção entre “Futurismo” e seus dois nomes anteriores foi significativa, não porque Marinetti acabou decidindo pelo “Futurismo”, mas porque esses nomes iniciais indicam que, para ele, a metáfora do futuro era a máquina, o que não era natural e mecânico e desumano.

O dinamismo (dinamismo) da máquina em movimento rápido, frequentemente alimentado por eletricidade (Elettricismo), que iluminava sistematicamente as grandes cidades e alimentava a indústria, era um significante do futuro, para todas as coisas que viriam.


O partido político futurista italiano

O Partido Político Futurista (também conhecido como o Partido Futurista Italiano) foi um partido político fundado por Filippo Tommaso Marinetti em 1918, com o objetivo de ampliar e traduzir os ideais do movimento futurista para o campo político. O partido tinha um programa radical que incluía promover a paridade de gênero e abolir o casamento e a herança. A festa aderiu ao Fasci italiani di combattimento.


O nascimento do partido

Mesmo antes da Grande Guerra, os futuristas estavam envolvidos no debate político e em três manifestos políticos: a primeira vez nas eleições gerais de 1909, pela segunda vez em 1911, a favor da guerra da Líbia; e pela terceira vez em 1917.

Somente depois do pós-guerra, pode-se falar de um partido “organizado” verdadeiro e apropriado, com um líder (Marinetti, é claro) e acima de tudo um órgão de imprensa: o jornal Roma Futurista, co-dirigido por Marinetti, Emilio Settimelli e Mario Carli: este último é aquele entre os futuristas e os Arditi, que por sua vez se organizam numa formação política e paramilitar.


jornal roma futurista

O partido futurista e o fascismo

Em dezembro de 1914 muitos facistas participaram da fundação do Fascio d’azione rivoluzionaria, que era intervencionista e com inspiração sindicalista revolucionária. Depois que a Itália entrou na guerra, ele foi dissolvido e muitos expoentes em seguida, ingressaram no Partido futurista.

Em 23 de março de 1919 os representantes da “Fasci politici futuristi” e da Associação de Arditi envolvidos foram convidados por Benito Mussolini para a reunião da Piazza San Sepolcro em Milão.

Isso é quando o Partido Futurist adere ao Fasci di combattimento, apesar de manter uma fisionomia própria. Após a derrota eleitoral do Fasci di combattimento, em novembro de 1919, Marinetti perder gosto pela política, e vai se esforçar para transformar o Roma Futurista em um jornal cultural, sem “os artigos políticos monótonos e chatos”.

Marinetti volta ao fascismo político alguns anos mais tarde, após o sucesso da marcha sobre Roma.


Futurismo x fascismo

O manifesto do Partido futurista italiano centra-se nas coordenadas políticas do movimento futurista. Em primeiro lugar, há a educação patriótica do proletariado, a luta contra o analfabetismo, o ensino luta clássica, educação esportiva, obrigatório o ensino técnico em oficinas, a liberdade de greve, de reunião, organização, “abolição da polícia política, a justiça livre, a transformação da caridade na assistência e segurança social… Mais do que um programa do partido é o espelho do espírito vitalista e estética futurista avant-garde que em muitas maneiras alimentada pelo fascismo. Marinetti justamente citou ” o fascismo nasceu de intervencionismo e futurismo é alimentado princípios de futuristas “.

para aqueles que têm um sentido de conexões históricas, o ideal de origem do fascismo é encontrado no Futurismo “.

Benedetto Croce (filósofo, historiador e político italiano)

O futurismo com sua ideologia agressiva apoiava a guerra e o fascismo da Itália. O desenvolvimento da ideologia fascista depois da primeira guerra tivera sua origem em alguns aspectos distintos do futurismo, anterior a ela: como a preocupação revolucionária com a reestruturação da sociedade e em seu culto a guerra e sua adoração da máquina. Com tudo isso em comum, os aspectos futuristas poderiam ser facilmente empregados na retórica fascista, mas a guerra havia sido um desastre, destrutivo até mesmo para o futurismo.

O que é tão notável no Futurismo é que, Marinetti e seus companheiros produziram um trabalho que transcende a causa italiana e as glórias da guerra. O trabalho é muito superior às mentes estreitas que o invocaram.


https://arteref.com/arte/o-que-foi-o-futurismo-e-os-artistas-que-fizeram-parte-do-movimento/


A idéia de uma cultura da máquina passou a ser vista com ceticismo, mas já antes disso, reações contra o futurismo já haviam surgido, primeiro com a filosofia como ciência do espírito, que insistia no domínio exclusivamente formal da arte e depois com a pintura o enigma da hora, uma imagem metafísica para prefigurar a nova tradição italiana.

Influenciadas pelo novecento a vanguarda arquitetônica milanesa começou-se a reinterpretar formas clássicas do mediterrâneo como uma antítese consciente do culto futurista a máquina.

aeropinttura
Prima che si a paracadute, de Tullio Crali, 1939. Óleo em painel. Casa Cavazzini, Museu da Arte Moderna e Contemporânea, Udine, Itália. Foto: Claudio Marcon, Udine, Museu Cívico e Galeria de História e Arte.

Consciente de que o futurismo não podia representar uma ideologia nacionalista, o poder fascista optou, em 1931 por um estilo clássico simplificado e facilmente reprodutível e pressupunha uma monumentabilidade totalmente distante da realidade social.

Fontes: Futurismostoria XXI secolo. Wikipedia, The futurista go to war (part 1), Forbes

Não foi possível salvar sua inscrição. Por favor, tente novamente.
Sua inscrição foi bem sucedida.

Você quer receber informações sobre cultura, eventos e mercado de arte?

Selecione abaixo o perfil que você mais se identifica.

Inscrever
Notificar de
guest
3 Comentários
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários
Kelvin
Kelvin
2 anos atrás

Gostaria de saber as referências usadas para este artigo.

Prof. Camila
Prof. Camila
1 ano atrás

Muitos equívocos aqui. Em primeiro lugar, a citação que você faz do manifesto é de uma data muito anterior à primeira guerra mundial, logo a guerra mencionada no manifesto está sendo colocada de forma metafórica. Em segundo lugar o movimento futurista é extremamente amplo e não se reduz apenas a figura de Marinetti. A maioria dos artistas futuristas nunca apoiou a primeira guerra mundial ou o fascismo. Quando o movimento fascista consolidou-se no poder na Itália, o movimento futurista, que é um movimento artístico, já estava estabelecido há muito tempo. O futurismo não é arte oficial de estado do regime… Leia mais