O Surrealismo e como ele moldou o curso da história da arte

O que você precisa saber sobre o surrealismo, além de Dalí

0
14366
magritte

O que é o Surrealismo

surrealismo foi um movimento artístico e literário nascido em Paris na década de 1920, inserido no contexto das vanguardas que viriam a definir o modernismo no período entre as duas Grandes Guerras Mundiais.

Ele reúne artistas anteriormente ligados ao dadaísmo ganhando dimensão mundial. Fortemente influenciado pelas teorias psicanalíticas do psicólogo Sigmund Freud (1856-1939).

O surrealismo enfatiza o papel do inconsciente na atividade criativa. Um dos seus objetivos foi produzir uma arte que, segundo o movimento, estava sendo destruída pelo racionalismo.

O poeta e crítico André Breton (1896-1966) era o principal líder e mentor deste movimento.

A palavra surrealismo supõe-se ter sido criada em 1917 pelo poeta Guillaume Apollinaire (1886-1918), jovem artista ligado ao cubismo, e autor da peça teatral As Mamas de Tirésias (1917), considerada uma precursora do movimento.

Um dos principais manifestos do movimento é o Manifesto Surrealista de (1924). Além de Breton, seus representantes mais conhecidos são Antonin Artaud no teatro, Luis Buñuel no cinema e Max Ernst, René Magritte e Salvador Dalí no campo das artes plásticas.

As características do Surrealismo

Uma combinação do representativo, do abstrato, do irreal e do inconsciente.

Entre muitas das suas metodologias estão a colagem e a escrita automática.

Segundo os surrealistas, a arte deve libertar-se das exigências da lógica e da razão e ir além da consciência cotidiana, procurando expressar o mundo do inconsciente e dos sonhos.

No manifesto e nos textos escritos posteriores, os surrealistas rejeitam a chamada ditadura da razão e valores burgueses como pátria, família, religião, trabalho e honra. Humor, sonho e a contra lógica são recursos a serem utilizados para libertar o homem da existência utilitária. Segundo esta nova ordem, as ideias de bom gosto e decoro devem ser subvertidas.

Os ícones do Surrealismo

Embora o Surrealismo seja de fato mais associado a figuras tão extravagantes e irreverentes como Dalí, Breton recrutou um amplo grupo de artistas e intelectuais já ativos em Paris para escrever e expor sob a sua bandeira.

Frida Kahlo: Magdalena Carmen Frida Kahlo y Calderón foi uma pintora mexicana que criou muitos retratos, auto-retratos e obras inspiradas na natureza e nos artefatos do México

Joan Miró i Ferrà:foi um pintor e escultor catalão

René Magritte: René François Ghislain Magritte foi um dos principais artistas surrealistas belgas.

André Breton:  foi um escritor francês, poeta e teórico do surrealismo. De origem modesta, iniciou sem entusiasmo estudos em Medicina sob pressão da família. Foi o fundador do movimento Surrealista

Méret Elizabeth Oppenheim: foi uma artista plástica e fotógrafa suíça.

Salvador Dalí i Domènech: foi um importante pintor catalão, conhecido pelo seu trabalho surrealista. O trabalho de Dalí chama a atenção pela incrível combinação de imagens bizarras, oníricas, com excelente qualidade plástica. Dalí foi influenciado pelos mestres do classicismo

Yves Tanguy: Raymond Georges Yves Tanguy foi um pintor surrealista francês

Max Ernst: foi um pintor alemão, naturalizado norte-americano e depois francês. Também praticou a poesia entre os surrealistas, movimento do qual fez parte. Seu filho foi Jimmy Ernst. Filho de Philipp Ernst, professor de artes e de Luise Kopp

O Surrealismo nas Americas

O Surrealismo foi um movimento que aconteceu entre as grandes guerras e teve início em Paris nos anos 1920.O movimento respondeu a um período de reconstrução das principais cidades francesas e o auge do império colonial francês no exterior e a ascensão do fascismo em toda a Europa.

Em 1937, a maioria das principais figuras do surrealismo foi forçada a deixar a Europa para escapar da perseguição nazista. A Europa de Max Ernst Depois da Chuva II (1940-1942) reflete esse momento carregado com uma visão pós-apocalíptica criada no auge da Segunda Guerra Mundial.

Uma obra parcialmente abstrata formada por “decalcomania” – uma técnica que exigia a pintura em vidro, pressionando o vidro pintado na tela para permitir que elementos aleatórios permanecessem. A pintura sugere edifícios bombardeados, cadáveres de humanos e animais, e formações geológicas erodidas no rescaldo de um grande cataclismo.

Europe after the Rain II, 1940-42

A imagração de surrealistas durante a Segunda Guerra Mundial espalhou a influência do movimento através do Atlântico, e encontrou raízes fortes nas Américas.

Como o surrealismo ganhou força nos anos 1930 e 40, aparecereu também  o interesse em psicologia e mitologia para uma nova geração de artistas.

Na América Latina, o Surrealismo encontrou sua voz no trabalho de artistas como Frida Kahlo, cujo estilo artístico altamente pessoal se assemelhava a aspectos do surrealismo, sem que fosse devido a qualquer dívida intelectual específica. Em Arbol de la Esperanza (1946), Kahlo não descreve uma árvore real, mas sim um duplo autorretrato em uma paisagem desconhecida, um quadro que sugere tanto o acidente de ônibus de 1925 que a deixou infértil e a possibilidade de renovação. Enquanto sua representação de temas fantásticos é uma reminiscência de obras de Magritte ou Dalí, a pintura de Kahlo celebra a arte cotidiana do tradicional mex mexicano ex-pintura.

Arbol de la Esperanza

Por que o Surrealismo é tão importante?

O surrealismo representa um conjunto de idéias e técnicas de vanguarda que os artistas contemporâneos ainda usam hoje, incluindo a introdução de elementos do acaso em obras de arte.

Esses métodos abriram um novo modo de prática pictórica seguido pelos expressionistas abstratos. O elemento do acaso também se mostrou integrante da arte performática, como nos Acontecimentos não-roteirizados.

Os Happenings, um tipo de arte performática promovida por Allan Kaprow no final dos anos 1950 que combinava poesia, dança, música,…seguindo na década de 1950, e até mesmo para a arte computacional baseada na randomização.

O foco surrealista em sonhos, psicanálise e imagens fantásticas forneceu subsídios para vários artistas que trabalham hoje, como Glenn Brown, que também se apropriou diretamente da arte de Dalí em sua própria pintura.

O cadáver exquis

O desejo do surrealismo de se libertar da razão levou-o a questionar o fundamento mais básico da produção artística: a ideia de que a arte é o produto da imaginação criativa de um único artista.

Como antídoto para isso, Breton promoveu o cadáver exquis, ou “requintado cadáver”, como uma técnica para a criação coletiva de arte, que ainda hoje é usada amplamente como um jogo. Isso envolve iniciar uma frase, um esboço ou uma colagem e depois dar a outra pessoa para continuar, sem permitir que essa pessoa veja o que já foi escrito, desenhado ou colocado.

O termo derivou de um simples jogo de criação de prosa coletiva que resultava em uma  sentença: “O requintado cadáver deve beber o vinho novo”.

Dado o método de abraçar o acaso e a tendência de produzir imagens humorísticas, absurdas ou perturbadoras, logo se tornou uma técnica viável para criar exatamente o tipo de trabalho coletivo inconsciente que os surrealistas buscavam.

Exquisite Corpse 27 (ca. 2011), um trabalho concluído por Ghada Amer, Will Cotton e Carry Leibowitz, é um exemplo contemporâneo do tipo de trabalho estilisticamente desconectado que pode surgir desse método surrealista.

O historiador e crítico musical Greil Marcus foi tão longe a ponto de caracterizar o surrealismo como um capítulo de uma série de tentativas revolucionárias de libertar o pensamento que se estende das blasfêmias dos hereges medievais até os anos 1960 e seguintes.

Sob essa luz, o surrealismo pode ser entendido como o progenitor do movimento de arte mais tarde inspirado no Marx, o situacionismo, os protestos contraculturais da década de 1960 e até o punk: um projeto de derrubar a ordem racional que a sociedade impõe aos indivíduos.

Cadavre Exquis with Yves Tanguy, Joan Miró, Max Morise, Man Ray (Emmanuel Radnitzky)

Comente:

Please enter your comment!
Please enter your name here