artes tradicionais

5 curiosidades sobre Michelangelo que o ajudarão a entender a sua obra

Conheça a vida e a obra do artista que pintou o teto da Capela Sistina

Por Equipe Editorial - julho 11, 2019
659 0
Pinterest LinkedIn

Michelangelo di Lodovico Buonarroti Simoni nasceu em 6 de março de 1475 em Caprese, República de Florença e morreu em 18 de fevereiro de 1564, em Roma. Era escultor, pintor, arquiteto e poeta italiano do Renascimento que exerceu uma influência inigualável no desenvolvimento da arte ocidental.

O artista foi considerado o maior profissional vivo de sua época, e desde então ele tem sido visto como um dos maiores artistas de todos os tempos. Várias de suas obras em pintura, escultura e arquitetura estão entre as mais famosas da existência. Embora os afrescos no teto da Capela Sistina sejam provavelmente os mais conhecidos de seus trabalhos hoje, o artista se considerava primeiramente um escultor.

Sua prática de várias artes, no entanto, não era incomum em seu tempo, quando todos os artistas eram pensados como desenhistas. Michelangelo trabalhou em esculturas de mármore durante toda a sua vida e nas outras artes apenas durante certos períodos. A alta valorização do teto da Capela Sistina é, em parte, um reflexo da atenção excessiva dada à pintura no século XX e também porque muitos dos trabalhos do artista em outras mídias permaneceram inacabados.

1. Pelo que Michelangelo é mais conhecido?

Os afrescos no teto da Capela Sistina (1508–1512) no Vaticano, que incluem a representação icônica da criação de Adão interpretada a partir do livro de Gênesis, são provavelmente os trabalhos mais famosos de Michelangelo hoje em dia. Suas esculturas mais conhecidas incluem o David (1501), agora na Academia de Florença, e a Pietá (1499), que se encontra na Basílica de São Pedro, na Cidade do Vaticano.

homem-no-teto-da-capela-sistina-900x402
Criação de Adão detalhe do teto da Capela Sistina

2. Por que Michelangelo é tão famoso?

Michelangelo se destacou aos 20 anos por suas esculturas da Pietá (1499) e David (1501) e cimentou sua fama com os afrescos do teto da Capela Sistina (1508-1512). Ele foi exaltado pela complexidade de sua arte, realismo físico, tensão psicológica e noção de espaço ponderada, e bom uso de luz e sombra. Muitos escritores comentaram sobre sua capacidade de transformar pedra em carne e encher de energia suas pinturas. O talento de Michelangelo continuou a ser reconhecido nos séculos que seguiram e, assim, a sua fama perdurou até o século XXI.

Capela Sistina de Michelangelo
Capela Sistina de Michelangelo

3. Como Michelangelo pintou o teto da Capela Sistina?

Michelangelo pintou os afrescos no teto da Capela Sistina, não deitado como às vezes é descrito, mas de pé sobre um andaime alto, estendendo a mão e esticando o pescoço. Como ele nunca havia trabalhado em afrescos antes, trabalhou junto com seus assistentes em centenas de seus esboços para transferir contornos para uma superfície recém-rebocada. Para adicionar cor, Michelangelo usou a técnica buon fresco, na qual o artista pinta rapidamente em gesso molhado antes de secar. Alguns estudiosos acreditam que, para trabalhos detalhados, como o rosto de uma figura, Michelangelo provavelmente usou a técnica Secco Secco, na qual o artista pinta em uma superfície seca de gesso.

4. Como Michelangelo era como pessoa?

Muitos escritores descreveram Michelangelo como o arquétipo de um artista pensativo e difícil e, embora ele fosse de fato temperamental, seu caráter era muito mais complexo do que o estereótipo de pintor soturno.

Michelangelo
Retrato de Michelangelo

Ele também era profundamente religioso e poderia ser muito generoso com seus assistentes. Tem havido alguma especulação de que Michelangelo poderia ser gay, mas os estudiosos não podem confirmar sua preferência sexual. Ele levou uma vida especialmente solitária com poucos relacionamentos íntimos conhecidos.

5. O que faz de Michelangelo um homem da Renascença?

O homem da Renascença é um ideal que se desenvolveu na Itália através de um de seus representantes mais talentosos, Leon Battista Alberti. Ele afirmou que “um homem pode fazer todas as coisas se quiser”. Isso levou à noção de que os homens deveriam tentar abraçar todo o conhecimento e desenvolver suas próprias capacidades da forma mais completa possível, e assim os talentosos do Renascimento procuraram aprimorar habilidades em todas as áreas, no desenvolvimento físico, nas realizações sociais e nas artes. Michelangelo exemplificou o ideal através de suas realizações em escultura, pintura, arquitetura e poesia.

Sibila Délfica, detalhe do afresco da Capela Sistina
Sibila Délfica, detalhe do afresco da Capela Sistina

Um efeito colateral da fama de Michelangelo em sua vida foi que sua carreira foi mais documentada do que a de qualquer artista da época ou anterior. Ele foi o primeiro artista ocidental cuja biografia foi publicada enquanto ele ainda estava vivo. Na verdade, havia duas biografias rivais. A primeira foi o capítulo final da série de vidas de artistas (1550) do pintor e arquiteto Giorgio Vasari. Foi o único texto do livro que tratava sobre um artista vivo e apresentou explicitamente as obras de Michelangelo como a perfeição culminante da arte, superando os esforços de todos aqueles que o antecederam.

O Nascimento de Vênus Michelangelo
O Nascimento de Vênus de Michelangelo

Apesar de tal elogio, Michelangelo não ficou inteiramente satisfeito e providenciou para que seu assistente, Ascanio Condivi, escrevesse um breve livro separado em 1553. Provavelmente baseado nos comentários falados pelo próprio artista, a biografia mostra como ele queria ser retratado. Após a morte de Michelangelo, Vasari em uma segunda edição (1568) ofereceu uma refutação.

Enquanto os acadêmicos muitas vezes preferiram a autoridade de Condivi, a escrita animada de Vasari, a importância de seu livro como um todo e sua reimpressão frequente em muitas línguas tornaram a base mais usual de ideias populares sobre Michelangelo e outros artistas da Renascença.

A fama de Michelangelo também levou à preservação de inúmeros registros, incluindo centenas de cartas, esboços e poemas, mais do que qualquer artista de sua época. No entanto, apesar do enorme benefício, o que resultou de tudo isso foram questões controversas e muitas vezes apenas um lado de Michelangelo é conhecido.

Vida e Obra de Michelangelo

Michelangelo Buonarroti nasceu de uma família que durante várias gerações pertenceu a pequena nobreza de Florença, mas que, na época em que o artista nasceu, perdeu seu patrimônio e status. Seu pai tinha apenas empregos ocasionais no governo e, na época do nascimento de Michelangelo, ele era administrador da pequena cidade de Caprese.

Alguns meses depois, no entanto, a família retornou à sua residência permanente em Florença. Foi um passo social descendente para se tornar um artista, e Michelangelo se tornou um aprendiz relativamente atrasado, aos 13 anos, talvez depois de superar as objeções de seu pai.

Ele foi aprendiz do pintor mais proeminente da cidade, Domenico Ghirlandaio, por um período de três anos, mas ele saiu depois de um tempo, porque não tinha, como conta Condivi, nada mais para aprender. Vários desenhos, cópias de figuras de Ghirlandaio e grandes pintores de Florença, como Giotto e Masaccio, sobreviveram graças a isso. Tal cópia era padrão para os aprendizes, mas poucos exemplos perduraram como os de Michelangelo.

Obviamente talentoso, ele foi levado sob a asa do governante da cidade, Lorenzo de ‘Médici, conhecido como o Magnífico. Lorenzo cercou-se de poetas e intelectuais, e Michelangelo foi incluído. Mais importante, ele teve acesso à coleção de arte Médici, dominada por fragmentos da antiga estatuária romana. (Lorenzo não era um patrono da arte contemporânea como a lenda o fez; a arte moderna que ele possuía era para enfeitar sua casa ou para fazer declarações políticas).

Retrato de Lourenzo de Médici, O Magnífico
Retrato de Lourenzo de Médici, o Magnífico

O escultor de bronze Bertoldo di Giovanni, amigo de Medici estava encarregado da coleção e foi o mais próximo que o pintor teve de um professor de escultura. Mas Michelangelo não seguiu seu estilo ou de qualquer maneira a sua abordagem.

Ainda assim, uma das duas obras de mármore que sobrevivem desde os primeiros anos do artista é uma variação da composição de um antigo sarcófago romano, e Bertoldo produziu um semelhante em bronze. Esta composição é a Centauromaquia (1492). A ação e o poder das figuras predizem muito mais os interesses posteriores do artista do que a Madonna da Escada (1491), um delicado baixo relevo que reflete as modas recentes entre esses escultores florentinos como Desiderio da Settignano.

Florença era nessa época considerada o principal centro de arte, produzindo os melhores pintores e escultores da Europa, e a competição entre artistas era estimulante. A cidade era, no entanto, menos capaz do que antes de oferecer grandes comissões, e artistas de origem florentina, como Leonardo da Vinci e a professora de Leonardo, Andrea del Verrocchio, haviam se mudado para buscar melhores oportunidades em outras cidades. Os Médici foram derrubados em 1494, e mesmo antes do fim do tumulto político, Michelangelo partiu.

David-Michelangelo
David de Michelangelo

Em Bolonha, ele foi contratado para suceder um escultor recentemente falecido e esculpir os últimos pequenos números necessários para completar um grande projeto, o túmulo e o santuário de São Domingos (1494-1495).

As três figuras de mármore são originais e expressivas. Partindo da agilidade fantasiosa de seu predecessor, ele impôs seriedade às suas imagens através de uma compactação de forma que deve muito à Antiguidade Clássica e à tradição florentina de Giotto em diante.

Essa ênfase na seriedade também se reflete sua escolha do mármore como seu material, enquanto a simplificação das massas que o acompanha está em contraste com a tendência, mais usual na época, de deixar as representações combinarem tão completamente quanto possível a textura e os detalhes dos corpos humanos. Certamente, embora sejam qualidades presentes na arte de Michelangelo, elas são temporariamente abandonadas ou modificadas por outros fatores, como as funções específicas das obras ou as criações de outros artistas.

Este é o caso da primeira grande estátua sobrevivente de Michelangelo, o Baco, produzido em Roma (1496-1497), após um breve retorno a Florença. (Um crucifixo de madeira, descoberto recentemente, atribuído por alguns estudiosos a Michelangelo e agora abrigado na Casa Buonarroti em Florença, também foi proposto como o antecedente do Baco no design por aqueles que o creditam como um trabalho do artista.)

Baco de Michelangelo
Baco de Michelangelo

O Baco teve as antigas figuras romanas nuas como ponto de partida, mas é muito mais móvel e mais complexo em linhas gerais. A instabilidade consciente evoca o deus do vinho e Dionísio se revela com extraordinário virtuosismo. Feito para um jardim, também é único entre os trabalhos de Michelangelo já que a obra exige observação de todos os lados e não principalmente da frente.

Você gostaria de receber nossos e-books sobre o mercado de arte? Envie o seu nome e e-mail:


Fonte

https://www.britannica.com/biography/Michelangelo

Leia também

Comentários

Please enter your comment!
Please enter your name here