Educação

Como fazer um currículo perfeito: para artistas

Veja dicas importantes para se destacar no mercado das artes através de seu currículo.

Por Paulo Varella - outubro 21, 2019
1428 0
Pinterest LinkedIn

A profissão de artista não é muito diferente de qualquer outra. Você começa no mercado, avança em sua carreira e acumula, gradualmente, um histórico mais extenso de realizações. Não há maneira melhor de documentar essas conquistas do que enumerá-las em um CV ou currículo.

As palavras “currículo” ou “resumé” são usadas de forma bastante variável no mundo da arte, mas se você quiser ser específico sobre isso, um resumé é uma lista abrangente de tudo que você fez. Já um currículo é uma lista curta, geralmente resumindo as conquistas mais significativas em sua carreira.

Se você está comprometido a ser bem-sucedido como artista é necessário criar e manter um currículo. Ele também tem que ser facilmente acessível para quaisquer pessoas que queiram saber mais sobre você e sua arte, sejam elas fãs, seguidores, potenciais compradores, galerias, instituições, escritores de arte ou profissionais relacionados.

Hoje em dia, praticamente qualquer pessoa interessada procurará você online primeiramente e verificará seu currículo antes de entrar em contato.

Como fazer um currículo
Foto: Gayatri Malhotra

O melhor lugar para postar seu currículo é em seu site. Se você deixa seu site definhar em favor da mídia social, tome cuidado.

As plataformas de mídia social não são propícias à publicação de currículos e são difíceis de localizar por meio de pesquisas se estiverem apenas em seu Facebook ou LinkedIn.

Um currículo profissional inclui não apenas suas realizações mais importantes, mas também precisa estar atualizado.


Manter as coisas atualizadas mostra às pessoas que você está gerenciando sua carreira como um profissional.


É sem dúvida a melhor maneira de qualquer artista fornecer informações atualizadas sobre o que está acontecendo em sua carreira. Postar seus momentos nas redes sociais também é bom, mas sua durabilidade é restrita.

Infelizmente, CV’s não ficam nas manchetes por muito tempo e logo desaparecem para sempre no vasto buraco negro das notícias “de ontem”. Antes de seguirmos: nunca invente em seu currículo. Os analisadores profissionais sabem identificar possíveis problemas e podem descobrir rapidamente se um artista está sendo sincero ou não.

artista pintando 2
Foto por: Kendall Hoopes

Uma parte importante de contar sua trajetória está nos detalhes. Quanto mais específico você for, mais fácil será para as pessoas verificarem suas realizações. Qualquer profissional de negócios de arte dirá a você que currículos com falta de detalhes geralmente geram mais suspeitas e dúvidas do que informam.


Categorias encontradas em um currículo

Currículos de artistas são tradicionalmente divididos em categorias e organizados de acordo com protocolos e formatos padrão. Dependendo da carreira de um artista, essas divisões podem incluir:

  • Educação;
  • Mostras individuais;
  • Prêmios e distinções;
  • Mostras em grupo;
  • Resenhas e publicações;
  • Coleções que possuem sua arte;
  • Comissões;
  • Residências e experiências de ensino.
Artista
Foto por: Tim Mossholder

Com alguns artistas, categorias adicionais também podem ser necessárias. Quaisquer que sejam suas categorias de realizações, liste-as na ordem mostrada acima dentro de cada subdivisão.


A primeira coisa que os leitores querem ver é o que está acontecendo agora, não o que aconteceu no passado. Organize todas as entradas cronologicamente por ano, começando com o ano atual e trabalhando o caminho de volta, e não o contrário.


Talvez a única coisa que tenha mudado mais, com relação aos currículos tradicionais, é a quantidade de eventos de carreira significativos que agora ocorrem inteiramente on-line.

Estes incluem exposições, concursos, sendo representados por “galerias” ou plataformas que existem inteiramente on-line, realizações ou distinções de mídia social e muito mais.

Agora você pode incluir esses itens em seus segmentos tradicionais ou adicionar uma categoria totalmente nova dedicada exclusivamente às suas conquistas online.


Existe ordem de experiências indicada?

Além da ordem de suas categorias, as dicas a seguir ajudarão você a escrever seu currículo corretamente:

1: Exposições individuais

Esta é a parte mais importante de qualquer currículo. São pontos altos em sua carreira artística, onde você é a estrela e mais ninguém. Cada entrada deve incluir o nome da galeria/instituição ou local e o título da mostra. Ou, se ocorrerem online, o nome do site ou galeria online e o título do evento.

Como fazer um currículo

2: exposições coletivas

Quando você está apenas começando, faça uma lista tudo que você expõe, não importa quantos artistas estejam com você. Mesmo quando as apresentações são pequenas, quanto mais material tiver, melhor.

Conforme avançar em sua carreira, você pode reduzir essa seção de acordo com a necessidade, mantendo apenas os acontecimentos mais significativos. Nesse ponto você pode renomear a categoria como “Mostras coletivas seletas”, por exemplo.


3: prêmios

Estes podem incluir prêmios, honras, subsídios, associações organizacionais, honorários e formas de reconhecimento relacionadas.


4: críticas

Inclua críticas das suas exposições, entrevistas, artigos em que você é mencionado e assim por diante. Cada uma deve conter o nome da publicação ou site, o título do artigo ou resenha, o autor e a data publicada.


5: publicações

Aqui você lista livros, catálogos ou pesquisas que são apenas sobre você, bem como aqueles onde seu nome é mencionado ou incluído. Para cada publicação, inclua o título, autor, editor, lugar onde foi publicado e a data.

art work
Foto por: Marko Blazevic

6: coleções

Dependendo de quantas coleções seu trabalho faz parte, você pode agrupar tudo sob o título único de “Coleções” ou dividi-las por especialidade.

Essas categorias podem incluir: Coleções de Museus, Corporativas, Privadas, Comissões ou Coleções Institucionais. Forneça os títulos ou nomes de obras de arte individuais em certas coleções, se necessário.


7: experiências profissionais

Quando relevante, preencha seu currículo com experiências relacionadas à arte, como residências ou períodos sabáticos, trabalho educacional como cursos, seminários, palestras e assim por diante. Seja cuidadoso aqui, você quer que elas reflitam o que você fez de bom em sua carreira artística, e não o que precisa fazer.


8: educação

Em relação à sua educação, se você se formou recentemente em uma escola de arte ou está apenas começando e não tem muitas realizações, coloque sua educação em primeiro plano. Para as autodidatas, resistam à tentação de listar todos os cursos que já fez ou todos os professores que já teve. Quanto melhor você estiver em sua carreira, menos importante é mostrar sua formação.

currículo de arte
Foto por: Godisable Jacob

Em algum momento, você pode querer movê-la para o final, em vez de deixá-la no topo, porque é ofuscada por tudo o que você fez. Por fim, não se preocupe se você não tiver treinamento formal. Toneladas de grandes artistas são autodidatas. Não importa quantos diplomas você tenha, sua arte é basicamente o que importa.



Você precisa de ajuda profissional para organizar ou escrever seu currículo? Sua carreira artística seguiu um caminho não tradicional? Tem lacunas significativas no seu portfólio? Não importa qual seja a sua situação ou como sua carreira artística evoluiu, podemos ajudá-lo a criar um currículo que funcione. Entre em contato comigo pelo e-mail [email protected]



Link de acesso para os modelos de currículo preparados para vocês:

Modelo de currículo para artistas em meio de carreira

Modelo de currículo para artistas emergentes

Modelo para artistas em meio de carreira
Modelo de currículo para artistas emergentes

Veja também:


Conheça o nosso canal:

Art Talks

Você quer receber e-books, informações sobre cursos, palestras e mercado de arte?

Deixe um comentário

avatar
  Inscrever  
Notificar de