Por que Feminismo não se chama Igualitarismo?

0
1550
Crédito: Todd Eckelman

Tem havido muita confusão sobre por que o feminismo não é igualitarismo ou humanismo, ou simplesmente “igualdade”.

Muitos argumentam que, se o feminismo luta pela igualdade por que é chamado de “feminismo” com “fem” em sua raiz?

É um dos principais argumentos que muitos anti-feministas usam para tentar desacreditar as feministas e calar o feminismo.

Origem

A palavra feminismo foi inventada no final de 1800 pelo francês Charles Fourier. Ela foi usado para se referir ao movimento pelos direitos das mulheres da época.

Quando o feminismo estava apenas começando a ganhar força, era sobre os direitos políticos e legais iguais das mulheres, não dos homens. Os homens já tinham os direitos que as mulheres procuravam.

Como as mulheres aparentemente alcançaram a igualdade legal, muitas pessoas argumentam que o feminismo como um movimento sobre as mulheres não era mais relevante. Agora deveria se tornar apenas humanismo ou igualitarismo.

Igualitarismo

É a crença de que todas as pessoas são iguais e devem ser iguais.
Igualitarismo, em filosofia política, é uma doutrina que defende a igualdade de direitos e oportunidades, para todos os seres humanos, tanto no âmbito político como no âmbito econômico e social.

Humanismo

Humanismo  é a filosofia moral que coloca os humanos como principais, numa escala de importância, no centro do mundo. É uma perspectiva comum a uma grande variedade de posturas éticas que atribuem a maior importância à dignidade, aspirações e capacidades humanas, particularmente a racionalidade.

Embora a palavra possa ter diversos sentidos, o significado filosófico essencial destaca-se por contraposição ao apelo ao sobrenatural ou a uma autoridade superior. Desde o século XIX, o humanismo tem sido erroneamente associado ao anti-clericalismo, onde na verdade se associa ao antropocentrismo renascentista e o laicismo dos filósofos iluministas. O termo abrange diversos tipos de pensadores não teístas, o humanismo secular e uma das posturas de vida humanista.

O humanismo também está focado em questões sociais como direitos humanos e liberdades civis – o que inclui os direitos das mulheres, já que as mulheres são humanas.

Mary Wollstonecraf, escritora do século 18, argumentou que se a razão fosse ser humano, e se as mulheres podem raciocinar, então as mulheres são humanas.

Mary Wollstonecraft por John Opie (c.1797)
Mary Wollstonecraft por John Opie (c.1797)

E como todos os seres humanos têm a capacidade de melhorar, subjulgar as mulheres com base em tradições culturais ou religiosas arbitrárias era fundamentalmente injusto.

Então, se as mulheres são humanas, e humanismo é sobre direitos humanos, então os direitos das mulheres são importantes no humanismo, porque feminismo significa acabar com a opressão sexista, ganhando direitos que todos os humanos deveriam ter, e assim alcançando igualdade – que também cumpre o igualitarismo.

Assim, parece que o feminismo, o igualitarismo e o humanismo andam de mãos dadas.

O feminismo e o humanismo não apenas andam de mãos dadas, mas:

“ser humanista também exige ser feminista”.

Um humanista que, por definição, não apenas acredita que as pessoas podem ser boas sem necessidade de religião, mas acreditam na solução dos problemas que os humanos enfrentam, é uma feminista.

O problema é que muitos que afirmam ser humanistas e igualitaristas acreditam que a igualdade já foi alcançada.

Em muitos países as mulheres conquistaram a maioria dos direitos legais pelos quais lutaram. Mas a luta está longe de terminar.

Apesar do direito legal de votar, há muitas outras maneiras pelas quais as mulheres estão muito longe de serem iguais na sociedade.
As mulheres também são super sexualizadas muito mais do que os homens – especialmente mulheres de cor.

É importante salientar que o direito legal das mulheres de votar não é a única maneira de as mulheres serem iguais.

Igualitários e humanistas argumentam que devemos ignorar as questões de gênero de hoje em favor da igualdade, porque elas já alcançaram a igualdade.

“Mas não é apenas aos olhos da lei que as mulheres precisam ser tratadas com igualdade.”

Argumentar que o feminismo deve se mover em favor do “igualitarismo” é argumentar que as questões de gênero não importam.

Ser cego para o gênero é ser “cego à cor” também.

Ser cego para a etnia ignora os problemas que as pessoas de cor enfrentam, ou “as conseqüências de ser de etnia errada”, como diz o ativista civil Julian Bond.

Da mesma forma, ser cego para o gênero ignora os problemas que pessoas de diferentes gêneros enfrentam. (E isso inclui homens!)

Conclusão

Então não, humanismo e igualitarismo não são o mesmo que feminismo.
Mas ambos inerentemente apóiam o feminismo.

“A desigualdade de gênero existe e o feminismo, embora também se esforce pela igualdade, se concentra em combater essa forma de desigualdade.”

E como o humanismo é sobre os direitos humanos e o igualitarismo é sobre igualdade, bem … o feminismo é parte de ambos.

Se você se identifica como humanista ou igualitário, deve se identificar também como feminista.O feminismo é sobre lutar por direitos iguais para todos os gêneros e reconhecer que muitos gêneros não compartilham os privilégios que os homens têm.

Sim, tudo começou com os direitos das mulheres.

Mas não tem que acabar assim.

Como você se sente sobre o rótulo “feminismo”? Deixe-me saber em um comentário abaixo!

 

Fonte:

Wikipedia, flightandscarlet.com, Cornell, Drucilla (1998). At the heart of freedom: feminism, sex, and equality. Princeton, N.J.: Princeton University Press. ISBN 978-0-691-02896-5

Comente:

Please enter your comment!
Please enter your name here