Fotografia

Dorothea Lange, a fotógrafa da depressão

Conheça um dos ícones da fotografia mundial

Por Equipe Editorial - agosto 19, 2019
9635 0
Pinterest LinkedIn

A vida de Dorothea Lange ilustra a luta pessoal, profissional e as realizações de uma mulher que esteve à frente do seu tempo. Foi uma das mais importantes profissionais da fotografia norte-americana. Ela ficou conhecida pelas imagens da grande depressão e da situação dos imigrantes nos Estados Unidos.

A partir destes trabalhos ela influenciou profundamente o desenvolvimento da fotografia documental.

As temáticas de desempregados e moradores de rua chamou a atenção e levou sua arte ao governo federal, especificamente à Farm Security Administration (FSA). Durante seu trabalho com o governo, Dorothea percebeu más intenções políticas, o que resultou num forte teor crítico nas suas fotografias.

Em 1935, casou-se com Paul Taylor Schuster, professor de Economia. Paul Taylor orientou Dorothea em política e questões sociais e juntos documentaram a pobreza rural e a exploração de trabalhadores migrantes.

De 1935 a 1939, Lange fotografou o sofrimento dos pobres e esquecidos, famílias rurais deslocadas e trabalhadores. Distribuídas gratuitamente aos jornais de todo o país, suas fotografias se tornaram ícones pungentes da época.Suas imagens denunciavam o preconceito dos norte-americanos, um exemplo, situação dos japoneses após o ataque a Pearl Harbor. Obviamente, o Exército apreendeu grande parte do acervo.

Lange perdeu sua batalha com o câncer de esôfago, em 1965, mas suas fotografias para sempre evocarão o âmago da vida americana. “Migrant Mother“, por exemplo, tornou-se uma das fotografias mais importantes da história. As fotografias abaixo vieram da Photoarts gallery


A foto ícone: “Migrant mother”

8b29516r
Florence Thompson e seus filhos

Dorothea Lange tirou esta fotografia em 1936, enquanto trabalhava no programa Farm Security Administration (FSA), do governo dos EUA, formado durante a grande depressão para conscientizar e fornecer ajuda a agricultores empobrecidos.

Em Nipomo, Califórnia, Lange encontrou Florence Owens Thompson e seus filhos em um acampamento cheio de trabalhadores de campo cuja subsistência havia sido devastada pelo fracasso das plantações de ervilha.

Recordando seu encontro com Thompson anos depois, ela disse:

“Eu vi e me aproximei da mãe faminta e desesperada, como se atraída por um imã. Não me lembro de como expliquei minha presença ou minha câmera para ela, mas lembro que ela não me fez nenhuma pergunta. Fiz cinco exposições, trabalhando cada vez mais perto da mesma direção. ”

Uma destas fotografias, agora conhecida como Migrant mother, circulou amplamente em revistas e jornais e tornou-se um símbolo do sofrimento dos trabalhadores agrícolas migrantes durante a grande depressão.

8b29523v

Como Lange descreveu a situação de Thompson,

“Ela e seus filhos viviam de verduras congeladas do campo e pássaros selvagens que as crianças pegavam”

A colheita de ervilha havia congelado; não havia trabalho. No entanto, eles não puderam seguir, pois ela havia acabado de vender os pneus do carro para comprar comida.

No entanto, Thompson depois contestou a conta de Lange.

8b29527r

Quando um repórter a entrevistou na década de 1970, ela insistiu que ela e Lange não falavam umas com as outras, nem venderam os pneus de seu carro. Thompson disse que Lange a confundiu com outra agricultora ou aumntou o que ela havia entendido sobre sua situação para fazer uma história melhor.


Outras obras de Dorothea Lange

Lange_Five-tenant-farmers
j8CC-888A
dorothea-lange-photography-large-111
dorothea_lange2
dorothea_lange__1
Dorothea Lange - Mississippi Delta Negro children, 1936
b540dc74aa90ddb3df5a6248f115132e_full
286467101_4416368a74
1587125
8b15572u
05
2-mary-ellen-mark

fonte: wikipedia

Deixe um comentário

avatar
  Inscrever  
Notificar de