História

Frases e fatos sobre Molière, um dos gênios do teatro renascentista

A genialidade e empreendedorismo de um artista no mundo da afetação

Por Equipe Editorial - setembro 19, 2019
1172 0
Pinterest LinkedIn

Molière, cujo nome verdadeiro é Jean-Baptiste Poquelin, foi um dramaturgo, ator e poeta francês, amplamente considerado como um dos maiores escritores da língua francesa e da literatura universal. Seus trabalhos existentes incluem comédias, farsas, ballets comédias e muito mais.

Ele utilizou todas as técnicas dramáticas existentes na época e ainda conseguiu inaugurar um estilo que se eternizou: a sátira dos opostos. Gostava de criar duplas de personagens antagônicos, o inteligente e o pedante, o honesto e o mentiroso, entre outros. Recebeu muita contribuição da comédia física e de italianos especialistas em commedia dell’arte.

Deveríamos olhar demoradamente para nós próprios antes de pensarmos em julgar os outros”.

Desenho de Molière
Desenho de Molière

Órfão de mãe aos 10 anos, o escritor foi tapeceiro real de Luis XIII, cargo cedido por seu pai que providenciou uma educação exemplar. A intenção de sua família era que seguisse com os trabalhos do palácio, porém rompeu com a tradição e foi construir sua vida no palco.

O primeiro registro existente de seu nome artístico é de 1644 e foi escolhido por ser o nome de uma aldeia no sul da França. Suas principais obras são: Tartufo, L’École des femmes, O Misantropo e Le Bourgeois Gentilhomme. Um workaholic renascentista, morreu aos 51 anos depois de 30 de dedicação às artes dramáticas. Charlie Chaplim é visto como um Moliére moderno.

“O desprezo é uma pílula amarga, que se pode engolir, mas que se não pode mastigar sem fazer caretas”.

Molière, o dramaturgo
Quadro de Molière, o dramaturgo mais bem sucedido de seu tempo.

É natural que o clero do século XVII frequentemente o perseguisse, apesar disso pode-se dizer que ele obteve sucesso. Tentou abrir um teatro que não conseguiu manter e acabou sendo preso duas vezes por dívidas do empreendimento. Sua companhia passou a se apresentar em turnê e as agitações deste período formaram as habilidades que justificam o sucesso posterior em Paris, ele já havia se tornado um ator de negócios e aprendido a lidar com as autoridades que o rejeitavam.

“A palavra foi dada ao homem para explicar os seus pensamentos, e assim como os pensamentos são os retratos das coisas, da mesma forma as nossas palavras são retratos dos nossos pensamentos”.

Em 1658 organizou uma apresentação improvisada, algo em que era especializado, na porta do Museu do Louvre. A peça era Le Docteur Amoureux (“O Doutor Amoroso”) e teve a sorte de ser vista pelo rei Luis XIV. O irmão de Luis, Philippe, duque de Orleans, passou a patrocinar a companhia e garantiu grande prestígio.

“A maior ambição da mulher é despertar o amor”.

Acostumado a escrever para os palcos, ele reclamava muito nos prefácios de suas obras que foi obrigado a publicar para evitar o roubo. Isso o torna um bom exemplo de artista que se preocupa com seu legado econômico e intelectual, sem falar de seu jogo de cintura ao manter a posição de letrado e ao mesmo tempo se dedicar a todos os ritos da corte francesa de Luis XIV. Viveu num período competitivo no ramo teatral e marcado pela mentalidade das aparências.


Conheça 20 fatos fascinantes sobre Molière

1 – Suas peças foram traduzidas para todas as principais línguas vivas e são apresentadas na Comédie-Française com mais frequência do que qualquer outro dramaturgo atualmente.

2 – Através do patrocínio de aristocratas, incluindo Philippe I, duque de Orleans, os irmãos de Luís XIV, Molière conseguiu apresentar de suas comédias para o rei no palácio do Louvre.

3 – Treze anos como ator itinerante o ajudou a aperfeiçoar suas habilidades cômicas enquanto começou a escrever, combinando os elementos da Commedia dell’arte com a mais refinada comédia francesa.

4 – Embora tenha recebido a adulação da corte e dos parisienses, as sátiras de Molière atraíram críticas de moralistas e da Igreja Católica.

5 – Tartufo e seu ataque à hipocrisia religiosa receberam condenações da Igreja, e Don Juan foi banido como espetáculo.

6 – Em 1673, durante a produção de sua peça final, Molière, que sofria de tuberculose pulmonar, foi acometido por um ataque de tosse e uma hemorragia enquanto brincava com o hipocondríaco do Argão. Ele terminou a sua apresentação, mas horas depois terminou por morrer.

7 – Ele era o filho mais velho de Marie Cresse Poquelin e Jean Poquelin, que vieram de famílias abastadas, proeminentes por duas gerações como estofadores.

8 – Quando Moliere tinha dez anos, sua mãe morreu e seu pai se casou novamente e mudou-se para uma casa no centro cultural e social de Paris.

9 – Seu pai enviou Molière ao colégio jesuíta de Clermont, uma excelente escola frequentada por estudantes das mais proeminentes famílias, em seguida ele começou a estudar Direito em Orleans.

10 – Dada a sua origem familiar, sua educação, sua profissão e sua futura posição no tribunal, o caminho de Molière para a prosperidade parecia claramente marcado.

11 – Em 1643, Molière se apaixonou pela atriz Madeleine Bejart e renunciou à sua posição no tribunal, abandonou seu status social e até arriscou a condenação, segundo os clérigos de seu tempo, para se tornar ator.

12 – A certa altura, Molière entrou em contato direto com uma trupe teatral italiana. A influência da commedia dell’arte da trupe é evidente em todas as suas peças.

13 – Apesar de sua própria preferência pela tragédia, que ele havia tentado promover com o Teatro Ilustre, Molière ficou famoso por suas farsas, que geralmente eram executadas em um ato e executadas após a tragédia.

14 – Mais tarde em sua vida, Molière se concentrou em escrever comédias musicais, nas quais o drama é interrompido por músicas e danças.

15 – A amizade de Molière com Jean-Baptiste Lully influenciou-o a escrever à força de Le Mariage e La Princesse d’Elide.

16 – Molière sempre teve o cuidado de não atacar a instituição da monarquia. Ele ganhou uma posição como um dos favoritos do rei e desfrutou de sua proteção contra os ataques do tribunal.

17 – Em seus 14 anos em Paris, Moliere escreveu de 31 das 85 peças realizados em seu palco.

18 – Diz-se que a superstição que o verde traz má sorte aos atores se origina da cor das roupas que Molière estava usando no momento de sua morte.

19 – Sob a lei francesa da época, os atores não podiam ser enterrados no solo sagrado do cemitério. No entanto, a viúva de Molière, Armande, perguntou ao rei se seu cônjuge poderia receber um funeral normal à noite. O rei concordou e o corpo de Molière foi enterrado na parte do cemitério reservada para crianças não-batizadas.

20 – Em 1792, seus restos mortais foram levados ao museu de monumentos franceses e, em 1817, transferidos para o cemitério Pere Lachaise, em Paris, próximos aos de La Fontaine.



Veja também:


Você quer receber e-books, informações sobre cursos, palestras e mercado de arte?

Fonte: https://www.britannica.com/biography/Moliere-French-dramatist

Deixe um comentário

avatar
  Inscrever  
Notificar de