38 equívocos que artistas pensam sobre as galerias

6
1629
artista x galerista

Uma vez perguntei para um conhecido galerista de São Paulo o que ele achava da relação entre o galerista e o artista. A resposta que ele me deu foi que:

“A equação entre o galerista

e o artista nunca fecha”

Galerista de São Paulo

O artista sempre acha que a sua obra é o máximo (amor próprio é sempre importante), e que vai ser muito simples de vender a qualquer um que a veja. Infelizmente isto está longe da verdade.

Em um esforço contínuo para separar os fatos da fantasia, entrei em contato com vários outros proprietários de galerias e perguntei se eles poderiam relacionar algumas crenças que os artistas têm sobre galerias e galeristas que simplesmente não são verdadeiras.

Os 38 equívocos e suas verdades

Vamos tentar eliminar as noções errôneas que existem nesta relação nos itens abaixo:

Equívoco: Os galeristas estão cheios de dinheiro.
Realidade: De jeito nenhum. O oposto é muito mais frequentemente. Manter a aparência de uma galeria de arte refinada não é fácil. As coisas andam tão apertadas que as galerias hoje em dia nem mais oferecem bebida na recepção. Somente nos casos de patrocinadores.

Equívoco: Obter representação em galerias impulsionará automaticamente a carreira de um artista porque as galerias são a chave para a fama e o caminho mais rápido para a fortuna.
Realidade: Não existe uma solução instantânea para a sua arte, como se em um dia você fosse totalmente desconhecido e no dia seguinte você está no seu caminho para a fama e fortuna. Tornar-se bem-sucedido e estabelecido como artista acontece gradualmente ao longo de um período de tempo e é baseado em um histórico consistente e bem-sucedido de shows, realizações e vendas. Uma ou duas exposições de galeria não farão a sua carreira, e obter representação de galerias nada mais é do que um passo em um processo longo e árduo.

Equívoco: as galerias de arte têm pessoas prontas para comprar qualquer arte que elas tenham para oferecer.
Realidade: Não é nem um pouco verdade. O oposto é muito mais frequente: as galerias têm que convencer seus clientes de que vale a pena adicionar suas coleções aos artistas de galeria. Este processo é lento e as vezes muito frustrante para o galerista, que, muitas vezes instala o quadro em um potencial cliente para depois não realizar a venda e ficar com o prejuízo do transporte e instalação.

Equívoco: As galerias são responsáveis ​​por fazer todo o trabalho e toda a publicidade de seus shows. O que os artistas têm que fazer é trazer a arte.
Realidade: A participação ativa e contínua e o envolvimento de artistas é uma parte essencial de qualquer relacionamento de artista / galeria de sucesso. O artista tem que fazer a sua parte de marketing e chamar o maior número de potenciais compradores para que a exposição seja um sucesso. O fracasso de vendas é ruim para a reputação e bolso de todos.

Equívoco: os artistas têm que pagar para mostrar sua arte nas galerias.
Realidade: não é verdade. Algumas galerias podem gostar que você acredite nisso, mas a relação artista / galeria é como uma espécie de parceria. As galerias oferecem aos seus artistas espaço para expor sua arte e os artistas fornecem às galerias arte. Nenhum dinheiro muda de mãos antes da venda; galerias acreditam nos artistas que representam e acreditam que podem ganhar dinheiro vendendo sua arte. Aquelas poucas galerias que cobram dos artistas para expor têm um funcionamento tosco e vivem de tirar dinheiro de artistas. Fuja destas galerias

Equívoco: as galerias nunca representam artistas suficientes; elas precisam de mais.
Realidade: Não só a grande maioria das galerias já tem mais arte e artistas do que eles podem lidar, mas eles também são continuamente contatados por novos artistas que procuram por representação. O que elas realmente precisam é de mais compradores.

Equívoco: Todos os artistas que aparecem nas galerias são bem-sucedidos e ganham muito dinheiro.
Realidade: Muitos artistas que aparecem em galerias – incluindo as grandes galerias – não apenas lutam para manter seus relacionamentos e continuar fazendo exposições, mas também se preocupam em fazer vendas suficientes e dinheiro suficiente para sobreviver.

Equívoco: as galerias quase não têm despesas.
Realidade: Aluguel, seguro, sistemas de alarme, serviços públicos, contas telefônicas, equipamentos, suprimentos, embalagem, transporte, mobiliário, computadores, publicidade, feiras de arte, anúncios, associações, anuidades, publicidade, funcionários e assim por diante. Gerir uma galeria é caro. Galerias em locais caros ​​geralmente têm despesas que variam de milhares a dezenas de milhares de reais por mês, e às vezes até mais.

Equívoco: as galerias de arte são suas inimigas. A relação entre artista e galeria é antagônica, não colaborativa.
Realidade: Não é nem um pouco verdade. Nenhuma galeria trabalha contra seus próprios artistas; eles só estariam se machucando se tivessem. As galerias fazem todo o possível para maximizar o sucesso de todos os artistas que representam; quanto mais eles fazem por seus artistas, mais eles fazem por suas próprias reputações e registros de sucesso. Os artistas precisam trabalhar ao lado das galerias que os representam a cada passo do caminho. Então a reputação de todos se beneficia.

Equívoco: os colecionadores sempre pagam os preços cheios que a galeria pede.
Realidade: Muitos colecionadores querem pagar menos que o preço pedido. Os artistas devem entender isso, serem flexíveis com seus preços (dentro do razoável) e estarem dispostos a dividir quaisquer descontos que as galerias são forçadas a oferecer aos compradores para fazer vendas. Caso você não saiba, não é incomum que as galerias dão descontos aos compradores e terminam comendo da sua parte a receita perdida e nunca contando aos artistas.

Equívoco: as galerias fazem grandes lucros.
Realidade: Se apenas isso fosse verdade … mas infelizmente não é.

Equívoco: as galerias devem pagar por todas as despesas acessórias, incluindo envio, enquadramento, suspensão, despesas de viagem e assim por diante.
Realidade: Esteja disposto a dividir algumas dessas despesas com uma galeria, se solicitado, e as solicitações sejam razoáveis, especialmente se o relacionamento for novo e não testado. A galeria já está investindo bastante tempo, dinheiro e espaço em você e em sua arte … e esperando vender o suficiente para pelo menos empatar. Se um artista é um “blue chip” ou a relação artista / galeria é longa e bem-sucedida, o manejo de despesas pode ser diferente, mas em situações onde os artistas são menos estabelecidos, a galeria pode precisar de ajuda e cooperação e pedir algum grau de assistência.

Equívoco: se uma galeria não consegue vender a arte de um artista, elas são totalmente culpados porque não estão trabalhando duro o suficiente para vendê-la.
Realidade: As galerias sempre acreditam que podem vender arte de artistas que mostram ou representam, mas infelizmente nem sempre acertam nas previsões. Além disso, fatores externos como gostos pessoais, tendências e modas, comentários de críticos, propaganda boca-a-boca, publicidade, saúde da economia e outras forças externas podem entrar em ação a qualquer momento e impactar as vendas.

Equívoco: Se uma galeria não está interessada na arte de um artista, é porque não a entende.
Realidade: É da responsabilidade dos artistas aprender a apresentar sua arte de forma clara, eficaz e compreensível em períodos relativamente curtos de tempo. Proprietários experientes de galerias veem continuamente todos os tipos de arte de todos os tipos de artistas e adquiriram as habilidades necessárias para tomar decisões relativamente rápidas. Eles simplesmente não têm tempo para entrar em discussões profundas com artistas ou ouvir longas explicações detalhadas sobre sua arte. Em qualquer situação em que você tenha a oportunidade de apresentar ou discutir sua arte com uma galeria, esteja bem preparado para apresentar seus pontos principais rapidamente e responder a quaisquer perguntas que possam ser feitas. Isto é um negócio e o artista também tem que ser bom nisto.

Equívoco: vender arte é fácil.
Realidade: vender uma mercadoria que não tem valor tangível, que geralmente é caro e não serve a nenhum propósito prático, é tudo menos fácil. Se você pensa de outra forma, não faz ideia dos encontros verbais, compromissos e manobras que os donos das galerias enfrentam diariamente para fazer vendas.

Equívoco: a arte se vende e as galerias não têm nada a ver com a venda. Todos os galeristas se sentam e esperam que as pessoas entrem e comprem.
Realidade: Nenhuma arte se vende. Há uma enorme diferença entre alguém gostar de uma obra de arte e comprá-la. Essa diferença é chamada de venda.

galerista x artista
A relação entre artista e galerista pode ser assim em pensamentos. Esta relação tem que ser boa externamente e internamente para que os negócios prosperem.

Equívoco: Dar uma comissão de 50% às galerias é demais. Os artistas são os que fazem todo o trabalho. As galerias só funcionam por alguns dias organizando shows e, em seguida, sentam e esperam que as vendas aconteçam.
Realidade: Primeiro de tudo, as galerias quase sempre têm despesas muito maiores do que os artistas. Em segundo lugar, vender arte é um trabalho de tempo integral, não apenas na galeria, mas também por telefone, online, visitando colecionadores ou potenciais compradores, exibindo em feiras de arte, organizando eventos nas galerias, escrevendo e enviando newsletters e e-mails. atualizações e muito mais. Os galeristas passam o dia todo fazendo o melhor para fazer vendas. E muitas vezes fazendo isto sem ter uma novidade para falar do artista e usando muita criatividade e cara de pau para este contato.

Equívoco: as galerias ficam ricas enquanto os artistas ficam pobres.
Realidade: A grande maioria das galerias passam por tantos ou mais problemas financeiro quanto os artistas. O dono de uma galeria que enriquece vendendo arte é muito raro. Muitos casos no Brasil, os donos de galeria vieram do mercado financeiro e o que tem segurado a galeria é o pé de meia do antigo trabalho.

Equívoco: Todos os artistas contribuem igualmente para o sucesso de suas galerias.
Realidade: Na grande maioria dos casos, apenas alguns artistas mantêm as galerias no lucro, os outros fazem poucas vendas. As vendas de arte pelos artistas mais populares de uma galeria geralmente ajudam a financiar shows para artistas que tendem a não vender muito bem.

Equívoco: As galerias são ricas porque são o elo entre artistas e pessoas ricas.
Realidade: Todos os tipos de pessoas compram arte e todos os tipos de pessoas possuem galerias, a maioria das quais não é nem de longe rica. A esmagadora maioria dos donos de galerias e colecionadores está nisso por uma razão – porque eles amam a arte.

Equívoco: Só porque uma galeria tem arte de um artista, elas têm fazer uma exposição deste artista.
Realidade: Na maioria das vezes, as galerias começam devagar com os artistas, talvez realizando vários trabalhos em consignação e mostrando-os seletivamente para ver como certos clientes respondem. Elas também querem ter certeza de que os artistas são responsáveis ​​e fáceis de trabalhar antes de entrarem fundo demais. Assumindo que tudo corra bem, os shows acontecerão. Como todo relacionamento, ninguém quer apresentar para a família antes de saber se vai ser duradouro.

Equívoco: As galerias têm poder e influência no mundo da arte; eles controlam mercados e determinam gostos.
Realidade: O exato oposto é muito mais frequente. Poucos proprietários de galerias têm a capacidade de controlar ou influenciar como o mundo responde a seus artistas.

Equívoco: Quando um artista deixa uma galeria e vai para outra, os colecionadores vão com eles automaticamente.
Realidade: A menos que um artista já seja bem-sucedido, os colecionadores normalmente permanecem fiéis a galerias específicas e não necessariamente aos artistas que essas galerias representam.

Equívoco: Se um artista fizer uma exposição na galeria, ele automaticamente venderá muita arte e ganhará muito dinheiro.
Realidade: Não há nenhuma garantia sobre isso. Trabalhe duro, faça o que puder para aproveitar ao máximo sua exposição, mantenha os dedos cruzados e espere pelo melhor … O dono da galeria está fazendo o mesmo.

Equívoco: Se uma exposição não vender bem é porque a galeria não se esforçou.
Realidade: Nenhum dono de galeria, no seu perfeito juízo, sabotaria deliberadamente os seus próprios eventos, a fim de obter o mínimo de vendas e o mínimo de dinheiro possível. Isso faz absolutamente zero sentido.

Equívoco: As galerias só mostram arte que é vendável.
Realidade: As galerias são muito mais do que máquinas de vender. Elas trazem novas artes e novos artistas para a atenção do público o tempo todo. Elas acreditam profundamente nos artistas que mostram, na validade de sua arte, e que o público merece ver, mesmo se eles acabam comprando ou não.

Equívoco: Boa publicidade ou boas críticas traduzem-se automaticamente em vendas.
Realidade: seria bom, mas não é verdade.

Equívoco: as galerias têm a capacidade de convencer os museus de mostrar ou comprar a arte de seus artistas.
Realidade: não é verdade. Os museus geralmente mostram ou adquirem arte de artistas que apresentam registros consistentes de shows, exposições, prêmios, distinções e outras realizações notáveis.

Equívoco: Os proprietários das galerias não gostam de arte; eles só estão nisso pelo dinheiro.
Realidade: Ninguém que está “nisso pelo dinheiro” jamais abriria uma galeria de arte. Administrar uma galeria de arte está bem abaixo na lista de maneiras de ganhar muito dinheiro, bem abaixo.

Equívoco: Qualquer galeria é serve para um artista, não importa que tipo de arte o artista faça.
Realidade: As galerias são extremamente particulares sobre os tipos de arte e artistas que mostram, e na esmagadora maioria dos casos, apenas mostram tipos, estilos ou gêneros de arte altamente definidos.

Equívoco: A comunicação regular entre artistas e suas galerias não é necessária; todo mundo entende tudo e nada realmente precisa ser dito.
Realidade: Comunicações claras, abertas e contínuas são essenciais para qualquer relacionamento de artista / galeria de sucesso. Os artistas sempre esquecem desta parte. Galeristas precisam do “Feed back” dos artistas para poder ajudar no conteúdo das vendas.

Equívoco: As galerias nunca precisam ser agradecidas ou reconhecidas pelo que fazem. É tudo sobre a arte e as galerias são apenas lugares que mostram isso.
Realidade: Um pouco de apreciação vale muito. As galerias investem quantidades incríveis de tempo e esforço na representação e divulgação de seus artistas. Para repetir, nenhuma arte se vende. E as galerias adoram quando os artistas demoram um momento para agradecer.

Equívoco: Uma galeria deve mostrar quaisquer obras de arte que os artistas queiram.
Realidade: não é verdade. Dê flexibilidade à galeria para decidir o que mostrar; deixe-os curar a arte. As galerias sabem o que funciona melhor para elas, o que seus colecionadores tendem a preferir e como organizar e apresentar arte de maneira convincente e eficaz. As obras de arte que uma galeria decide mostrar certamente podem estar abertas à discussão, mas saiba que elas têm em mente os seus melhores interesses ao fazer suas seleções finais.

Equívoco: As galerias têm o dever de analisar e considerar todas as apresentações de artistas, independentemente de quem são os artistas, da aparência de sua arte ou de como ela se encaixa nos tipos de arte que as galerias geralmente exibem.
Realidade: As galerias são continuamente bombardeadas e sobrecarregadas com inscrições de novos artistas, a maioria já tem artistas mais do que suficientes em suas listas, a maioria tem seus calendários de exibição reservados com pelo menos um ano de antecedência, e muitos mal têm tempo para atender aos artistas que já representam .

Equívoco: As galerias devem responder às necessidades de cada artista, pessoais ou não.
Realidade: Esta é uma relação comercial, não pessoal; sempre lembrar que. É melhor guardar os assuntos pessoais para amigos e familiares.

Equívoco: A relação entre um artista e uma galeria deve ser sempre a mesma, não importa o que aconteça ao longo do tempo.
Realidade: As coisas mudam; nada permanece igual. As relações artista / galeria estão sempre evoluindo, então esteja preparado.

Equívoco: Não importa quando você entra em contato ou aparece na galeria que represente você, o dono da galeria deve sempre mostrar-lhe atenção imediata.
Realidade: Isso não é possível. Pelo menos, avise antecipadamente ao proprietário da galeria que você está indo ou o que gostaria de discutir. Melhor ainda, marque uma reunião.

Equívoco: Todas as galerias e proprietários de galerias são iguais.
Realidade: As galerias são tão únicas e idiossincráticas quanto os colecionadores (se não mais). Só porque uma galeria reage à sua arte de uma certa maneira não significa que todas as galerias irão reagir. Nunca desanime por qualquer encontro com qualquer galeria; se sua arte não é para eles, passe para a próxima aventura emocionante.

Conclusão

crianças felizes

É importante desmistificarmos a relação com o galerista e entender que a vida dele não são flores e por mais que sentimos, de tempos em tempos, vontade de apertar o pescoço deles, nós precisamos uns dos outros.

Mesmo em um momento de maior exposição nas redes sociais, um galerista continua sendo uma figura importante na venda da arte.

Fazendo uma analogia simples, nunca é bom um advogado advogar em causa própria, é deselegante e pode causar estranhamento dentro do mercado.

Como ter uma relação bem sucedida?

As relações de artista / galeria bem-sucedidas são construídas sobre confiança, conhecimento, cooperação e compreensão, e quanto melhor os artistas sabem sobre o funcionamento de uma galeria de arte, maiores são as chances de que seus relacionamentos com ela tenham sucesso e prosperem.

Se você sente que precisa de uma ajuda para adequar o seu texto e entender melhores formas de apresentar o seu trabalho tanto para as galerias quanto para o mercado, talvez eu possa ajuda. Entre em contato comigo pelo paulo@arteref.com.br ou acesse o link: https://arteref.com/coaching/

Artigo anteriorO que é performance? saiba tudo aqui
Próximo artigo20 fatos curiosos sobre Van Gogh que você não sabia
Avatar
Estudou cinema na NTFS (UK), Administração na FGV e Química na USP. Trabalhou com fotografia, cinema autoral e publicitário em Londres nos anos 90 e no Brasil nos anos seguintes. Sua formação lhe conferiu entre muitas qualidades, uma expertise em estética da imagem, habilidade na administração de conteúdo e pessoas e conhecimento profundo sobre materiais. Por muito tempo Paulo participou do cenário da produção artística em Londres, Paris e Hamburgo de onde veio a inspiração para iniciar o Arteref no Brasil. Paulo dirigiu 3 galerias de arte e hoje se dedica em ajudar artistas, galeristas e colecionadores a terem um aspecto mais profissional dentro do mercado de arte internacional.

6 COMENTÁRIOS

Comente:

Please enter your comment!
Please enter your name here