Movimentos

5 artistas brasileiros da arte concreta que você precisa conhecer

Por Equipe Editorial - junho 25, 2019
41143 0
Pinterest LinkedIn

O concretismo foi o movimento conhecido pelos artistas que construíam uma nova estrutura de cor e espaço, no contexto da construção do mundo pós Segunda Guerra Mundial, havendo assim a ligação entre arte e indústria. No Brasil, a arte concreta se tornou símbolo de progresso e desenvolvimento durante o governo de Juscelino Kubitschek, e seu ápice foi a construção de Brasília nos moldes construtivistas.

A estética predominante é abstratogeométrica, e nega-se à correntes artísticas subjetivas, líricas, e religiosas, partindo de ideais da Bauhaus, em que a racionalidade deve estar presente na sociedade e na arte democratizada pela industria. Os princípios do construtivismo são: bi dimensionalidade, atonalismo (cores puras e secundárias) e movimento linear.

Veja 4 dos mais importantes artistas brasileiros do concretismo.


Hércules Barsotti, 1914 – 2010, São Paulo

Hércules Barsotti

“Quando encosto uma cor na outra é que percebo a relação entre elas; nesse momento, é meu olho e não minha cabeça que decide.” (Hércules Barsotti)

Afinidade Gradual I
Afinidade Gradual I – 1970

As composições de Barsotti fascinam primeiramente pela experiência optica que as cores sugerem, e depois nos convidam à reflexão. O artista explora a cor e o dinamismo que cada uma oferece, criando uma ilusão de tridimensionalidade a partir de formas geométricas como losangos, pentágonos e circunferências. A convite de Ferreira Gullar, passou a fazer parte do Grupo Neoconcreto no Rio de Janeiro, e em 2004 o Museu de Arte Moderna de São Paulo organizou uma retrospectiva de suas obras celebrando seu 90º aniversário.


Lygia Clark, 1920 – 1988, Minas Gerais

Lygia Clark: “Pensamento mudo” - 1971
Lygia Clark: “Pensamento mudo” – 1971

Pseudônimo para Lygia Pimentel Lins, Lygia Clark ao estabelecer que “a arte é o seu ato”, fundou a arte participativa, interativa e compartilhada, trocando as pinturas pela experiência com objetos tridimensionais. Em seus trabalhos inovadores, encoraja o espectador a participar da obra a partir de experiências sensoriais, mudando a configuração e resultando em uma obra compartilhada.

Lygia Clark, Bichos, 1965
Bichos, 1965

Dedica-se à arte terapêutica, pois ao participar das obras, é possível abrir caminho para o inconsciente e atingir ao primitivo interior, o self, resultando em um auto conhecimento revelador, logo, libertador.


Hélio Oiticica, 1937 – 1980, Rio de Janeiro

Hélio Oiticica

As obras de Hélio Oiticica, artista performático, pintor e escultor, vão desde elaborações teórica-artisticas com a presença de textos, comentários e poemas, até experimentos que requerem a participação do público, assim como fazia Lygia Clark. Faz do observador parte integrante de sua obra, adquirindo uma nova dimensão e criando o conceito de “suprassensorial, que propõe experiências com a capacidade sensorial do espectador e dilatando-a, assim como drogas alucinógenas. De acordo com Oiticica, o suprassensorial levaria o indivíduo “à descoberta do seu centro criativo interior, da sua espontaneidade expressiva adormecida, condicionada ao cotidiano”.

Hélio Oiticica - Tropicália
Tropicália

Décio Vieira, Petrópolis, 1922 – Rio de Janeiro 1988

Decio Vieira ao lado de Volpi e Dulce Holzmeister
Decio Vieira ao lado de Volpi e Dulce Holzmeister

Décio Vieira participa, na década de 1950, do Grupo Frente, constituído por artistas de tendências construtivo-geométricas. Nessa época, articula o espaço por meio de variações de formas e cores e por distorções da perspectiva, como ocorre em Espaço Construído, 1954. Em seus quadros, concilia a construção geométrica com a pesquisa de nuances cromáticas e o uso do sfumato, criando assim um jogo entre o definido e o indefinido.

Decio Vieira

Ivan Serpa (Rio de Janeiro, 1923 – 1973)

Foi um pintor, desenhista, professor e gravadorbrasileiro. A obra de Ivan Serpa, desde o início de sua carreira, oscilou entre o figurativismo e a arte concreta.

Ivan Serpa (1965)
Ivan Serpa (1965) – wikipedia

Entre o final dos anos 50 e começo dos anos 60, seu trabalho ganhou novos contornos, passando a incorporar elementos menos determinados como gestos, manchas e respingos de tinta. Em 1960, influenciado pelo desenho infantil, construiu imagens entre a abstração e a figuração. Nessa época, atuou como restaurador de livros na Biblioteca Nacional do Brasil, trabalho que serviu como inspiração para a série dos Anóbios, feita entre 1961 e 1962.

A partir de 1963 intensificou-se seu interesse pela figuração, realizando trabalhos como os da Série Negra e das séries Bichos e Mulheres com Bichos. Algumas obras incorporaram letreiros e a sobreposição de formas geométricas. A produção foi exposta em mostras importantes, como Opinião 65, Opinião 66 e Nova Objetividade Brasileira.

Em 1967 iniciou a série Op Erótica, que marcou seu retorno à linguagem construtiva. Interessado na op art, ele retomou a construção geométrica e os elementos bem definidos, tendo desenvolvido outras séries com essa característica, como Mangueira e Amazônicas. Essas obras o levaram às Arcas, móveis com formas brancas no seu interior que, por sua vez, deram origem às pinturas Geomânticas, a partir de 1969. Trabalhou nestes quadros até 1973, quando veio a falecer, com apenas 49 anos.

Quais outros artistas você acha que deveriam complementar a lista? Compartilhe com a gente!

Comentários

Please enter your comment!
Please enter your name here