Movimentos

Op Art: Um guia completo sobre este movimento

A op art foi um grande desenvolvimento da pintura na década de 1960 que usava formas geométricas para criar efeitos ópticos

Por Paulo Varella - maio 20, 2020
266 0
Pinterest LinkedIn

Op art é o tema desta matéria. Nela cobriremos a maior parte dos conceitos para que você não tenha mais dúvidas sobre este assunto

.A palavra ótico é usada para descrever coisas que se relacionam com a forma como vemos.

Você já viu uma ilusão de ótica antes? A op art funciona de maneira semelhante. Ela explora a falibilidade do olho e pelo uso de ilusões de óptica.

O que significa op art?

A expressão vem do inglês “optical art” (um termo cunhado em 1964 pela revista Time), e significa “arte óptica”.

Ela defendia a arte “menos expressão e mais visualização”. Apesar do rigor com que é construída, simboliza um mundo mutável e instável, que não se mantém nunca o mesmo.

Os artistas usam formas, cores e padrões de maneiras especiais para criar imagens que parecem estar se movendo ou desfocando.


Aonde surgiu o Op art?

Historicamente, pode-se dizer que o estilo Op-Art se originou na obra do artista cinético Victor Vasarely (1908-97), e também no Expressionismo Abstrato. Outra grande artista é a pintora britânica Bridget Riley (n.1931).

O interesse moderno no movimento se origina em 1965, quando uma grande exposição com este tema é aberta no MoMa em Nova York, com o título “The Responsive Eye”, chamou a atenção do público.

Como consequência, o estilo começou a aparecer nos gráficos impressos, na publicidade e na arte dos álbuns, assim como no design de moda e decoração de interiores. No final da década de 1960, o movimento Op-Art havia terminou dando espaço para outras tendências.

Leia também: Os 8 principais artistas representantes do Op art!

Características

A Op Art pode ser definida como um tipo de arte abstrata ou concreta que consiste em formas geométricas não representacionais que criam vários tipos de ilusão de ótica.

Por exemplo, quando vistas, as imagens podem fazer com que os olhos detectem uma sensação de movimento (por exemplo, inchaço, empenamento, piscar, vibração) na superfície da pintura. E os padrões, formas e cores usados nessas fotos são normalmente selecionados por suas qualidades ilusórias, e não por seu conteúdo substantivo ou emocional. Além disso, os artistas Op usam espaços positivos e negativos para criar as ilusões desejadas.

Como funciona a Op-Art?

A op art explora a relação funcional entre a retina (o órgão que “vê” os padrões) e o cérebro (o órgão que os interpreta). Certos padrões causam confusão entre esses dois órgãos, resultando na percepção de efeitos ópticos irracionais.

Bridget Riley: op art
Dynamic, Bridget Riley

Esses efeitos se enquadram em duas categorias básicas:

Primeiro, o movimento causado por certos padrões geométricos em preto e branco específicos, como os dos trabalhos de Bridget Riley, ou as superfícies de alumínio de Getulio Alviani, que podem confundir o olho até ao ponto de induzir tonturas físicas. (Nota: a associação da op art aos efeitos do movimento é o motivo pelo qual é considerada uma divisão da arte cinética.)

Bridget-Riley: op art
Bridget Riley, é uma pintora inglesa, considerada um dos maiores expoentes da Op art. Estudou na Golsmith´s school of art em Londres, em 1952 a 1955. Sua primeira exposição individual foi em 1962 na Gallery One.
Getulio-Alviani op art
Getulio Alviani

Segundo, pós-imagens que aparecem após a exibição de imagens com determinadas cores ou combinações de cores. A interação de cores diferentes na pintura – contraste simultâneo, contraste sucessivo e contraste reverso – pode causar efeitos adicionais na retina.

Richard Anuszkiewicz
Richard Anuszkiewicz

Por exemplo, nas pinturas do “templo” de Richard Anuszkiewicz, o arranjo de duas cores altamente contrastantes faz parecer que a forma arquitetônica está invadindo o espaço do espectador.

Apesar de seus efeitos estranhos, muitas vezes indutores de náusea, a Op-Art está perfeitamente alinhada com os cânones tradicionais da arte.

Toda pintura tradicional é baseada na “ilusão” de profundidade e perspectiva: esta técnica apenas amplia sua natureza inerentemente ilusória, interferindo nas regras que regem a percepção óptica.


História

As origens da Op Art remontam às teorias de pintura pré-guerra, incluindo as ideias construtivistas da escola de design da Bauhaus dos anos 20 na Alemanha, que enfatizavam a importância do design formal geral, criando um efeito visual específico.

Quando o Bauhaus fechou em 1933, muitos de seus professores (principalmente Josef Albers) se mudaram para os Estados Unidos e lecionaram em Chicago e no Black Mountain College, na Carolina do Norte.

Josef_Albers
Josef Albers foi um artista nascido na Alemanha, e um educador por excelência, cujas obras, tanto na Europa como nos Estados Unidos, representaram a base dos mais influentes programas sobre o estudo da arte do século XX

Josef Albers produziu devidamente sua famosa série de pinturas “Homage to the Square“, que apresentava tendências no estilo.

Do mesmo modo, desde o início da década de 1930, o pintor e artista gráfico húngaro Victor Vasarely estava experimentando vários truques visuais, como trompe-l’oeil e outros, de certos tipos de pôsteres: veja sua foto da Op-Art Zebras (1938) .

zebra-1937
Zebra, 1937, Victor Vasarelly,1937 Dimensão: 52 x 60 cm (wikiart)

Mais tarde, ele se voltou para a pintura, criando as figuras geométricas abstratas pelas quais ele é famoso.


Victor Vasarely

Victor Vasarely
Victor Vasarely foi um pintor e escultor húngaro radicado na França considerado o “pai da OP ART”. Nasceu em Pécs na Hungria, tendo ido posteriormente estudar arte em Budapeste, onde se familiarizou com o movimento Bauhaus e com os trabalhos de Wassily Kandinsky e Josef Albers.

O expoente sênior e pioneiro dos efeitos da Op art mesmo nos anos 30, é Victor Vasarely, de origem húngara, mas trabalha na França desde 1930.

Acima de tudo ele adotou uma visão radicalmente cética das ideias tradicionais sobre arte e artistas: à luz dos avanços científicos modernos e das técnicas modernas, ele afirma que o valor da arte deve estar não na raridade de uma obra individual, mas na raridade e originalidade de seu significado – que deve ser reproduzível.

Ele começou como artista gráfico; grande parte de seu trabalho é em preto e branco (facilmente reproduzível), embora ele seja capaz de cores brilhantes. Seu melhor trabalho é expresso em termos geométricos, até mecanicistas, mas integrado a um equilíbrio e contraponto orgânico e intuitivo.

Victor Vasarely, op art
Victor Vasarely

Ele afirma que seu trabalho contém “uma forma arquitetônica de arte abstrata, uma espécie de folclore universal”. Sua missão é “uma nova cidade – geométrica, ensolarada e cheia de cores”, resplandecente com uma arte “cinética, multidimensional e comunitária. Abstrata, é claro, e mais próxima das ciências”.

Às vezes o trabalho de Vasarelly pode ofuscar o olho, mas ele não pretende perturbar o equilíbrio do espectador.


Durante a década de 1950, este estilo também apareceu nos painéis Dazzle em preto e branco de John McHale na exposição “This Is Tomorrow” em 1956.

“This Is Tomorrow” em 1956

Bridget Riley começou a desenvolver seu estilo distinto de arte óptica em preto e branco por volta de 1960.

Apesar do estilo ter considerado altamente, “fashion” durante a segunda metade da década de 1960, ele declinou rapidamente a partir de então como uma forma de arte séria, apesar dos pequenos avivamentos periódicos.

Exposições notáveis ​​nos últimos tempos incluem: “L’oeil Moteur, art optique et cinetique 1960-1975 (Museu de Arte Moderna e Contemporânea, Estrasburgo, França, 2005);” Op Art “(Schirn Kunsthalle, Frankfurt, Alemanha, 2007) ); “The Optical Edge” (Instituto de Arte Pratt, Nova York, 2007); “Nervo óptico: arte perceptiva da década de 1960” (Museu de Arte de Columbus, Columbus, Ohio, 2007). pode ser visto em vários dos melhores museus de arte da Europa e América.


Op art no Brasil

luiz-sacilotto, op art
Luiz Sacilotto

Luiz Sacilotto

No Brasil, o principal representante da Op Art foi o pintor Luiz Sacilotto, que também foi responsável por disseminar a arte concreta no país. Sacilotto foi pintor e escultor e tem como principais obras Estruturação com Elementos Iguais (1953) e Concreção 7553 (1975).

Concreção 7553, Luís Sacilotto, op art
Concreção 7553, Luís Sacilotto

A princípio, as obras de Luiz Sacilotto tinham caráter figurativo, posteriormente se tornou abstrata e concreta, chegando a se tornar um dos importantes artistas do movimento concretista.

estrutura-o-com-elementos-iguais-1953, op art
estrutura-o-com-elementos-iguais-1953 (Wikiart)

Tanto em sua fase concretista como na fase da Op art, o estilo de Luiz Sacilotto foi marcado pela sistematização do movimento, pela repetição, pela multiplicidade das formas geométricas, pelo dinamismo e pelos jogos ópticos.

Luiz Sacilotto, Atrio ufABC, op art
Luís Sacilotto (Santo André, 1924 — São Bernardo do Campo, 9 de fevereiro de 2003) foi um pintor, desenhista e escultor brasileiro. Um adepto do Abstracionismo no Brasil, foi revelado durante a década de 1940. (wikipedia)


Outros artistas brasileiros do Op Art

Op Art: Ivan Serpa

Ivan Serpa (1965) - arte concreta
Ivan Serpa (1965) -wikipedia

Ivan Ferreira Serpa (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1923 – idem, 1973). Pintor, gravador, desenhista, professor. Estudou pintura, gravura e desenho com Axl Leskoschek (1889-1975), entre 1946 e 1948, no Rio de Janeiro. Em 1949, ministra suas primeiras aulas no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM/RJ), onde, a partir de 1952, exerce sistemática atividade didática, em especial no ensino infantil. No ano de 1954, publica o livro Crescimento e Criação, com texto de Mário Pedrosa (1900-1981), sobre sua experiência no ensino de arte para crianças. Nesse mesmo ano, ao lado de Ferreira Gullar (1930-2016) e Mário Pedrosa, cria o Grupo Frente, integrado por artistas como Lygia Clark (1920-1988), Hélio Oiticica (1937-1980) e Lygia Pape (1927-2004).

Lothar Charoux (1912-1987)

Lothar Charoux, op art
Lothar Charoux (fonte: itaucultural)

Nascido em Viena, 1912 e falecido em São Paulo, 1987, foi um pintor, desenhista e professor austro-brasileiro. Nascido na Áustria, começou a estudar arte com seu tio, o escultor Siegfried Charoux. Chega ao Brasil em 1928 e, na década seguinte, tem aulas de pitura com Waldemar da Costa.

Lothar Charoux, op art
Obra, 1961 (Itaucultural)

Inicialmente pintando paisagens e retratos, a partir de 1948, Charoux se desloca para temas construtivos. Em 1952, participa da criação do Grupo Ruptura e, em 1973, da fundação da Associação de Artes Visuais Novas Tendências.

Israel Pedrosa (1926-2016)

Israel_Pedrosa, Op Art
fonte Wikipedia

Israel Pedrosa (Alto Jequitibá, Minas Gerais, 18 de abril de 1926 – Niterói, Rio de Janeiro, 7 de fevereiro de 2016) é um pintor, pesquisador, professor universitário, escritor e livreiro brasileiro.

Também foi Sócio Honorário da Associação Brasileira de Críticos de Arte (ABCA), foi aluno de Candido Portinari, cursou a École Nationale Supérieure des Beaux-Arts, em Paris (1948-50) e foi fundador da cadeira de história da arte na Universidade Federal Fluminense (UFF), em 1963.

Após 16 anos de estudos sobre a refração cromática, revelou em 1966 o Domínio da Cor Inexistente. Em 1986, foi consultor ad hoc do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).


fonte: tate, visual-arts cork, guggenheim,

Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários