Pintura

“Hoje em Dia”, 28 imagens que revelam os misterios de Vânia Mignone

Por Equipe Editorial - junho 16, 2016
4324 0
Pinterest LinkedIn

Quem é o artista?
Vânia Mignone.

Após a graduação em Educação Artística na Unicamp em 1994, participou de diversos salões ganhando prêmios de aquisição e consequentemente conquistando prestígio entre museus e galerias. Hoje, tem sua obra representada em acervos de instituições importantes como o Museu de Arte Moderna de São Paulo, Coleção Gilberto Chateaubriand do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, e a internacional The UBS Art Collection, na Suíça. Fez inúmeras exposições individuais e coletivas no Brasil e no exterior. Em 2014 apresentou exposição individual na Casa Daros, RJ e no MAC, SP.

O que terá na mostra?
28 trabalhos de pintura e colagem sobre mdf.

Onde vai ser?
Galeria Mercedes Viegas (endereço abaixo).

É um bom programa?
Sim, a galeria Mercedes Viegas Arte Contemporânea reúne artistas de reconhecimento nacional e internacional, investindo, também, em novos talentos. Realiza uma exposição coletiva e seis individuais por ano.

Quando?
16 de junho a 16 de julho de 2016.

Incríveis Xilogravuras de Fabrício Lopez na Marília Razuk

As 6 pinturas feitas com faca de Françoise Nielly

A galeria Mercedes Viegas inaugura a terceira exposição individual da artista paulistana, Vânia Mignone. Com o título “Hoje em Dia” e texto crítico de Luiz Camillo Osorio, a artista apresenta ao todo vinte e oito trabalhos, em duas séries elaboradas especialmente para a mostra: uma série de trabalhos em papel, e outra de pintura e colagem sobre mdf, em quatro grupos. “Por grupo, eu defino trabalhos que fiz num mesmo período, com uma mesma emoção, por isso eles formam um grupo, mesmo que continuem obras individuais”, considera Vânia.

Nas palavras de Luiz Camillo Osorio, no texto de apresentação da exposição, “sua poética aposta em uma tonalidade afetiva desencantada com personagens solitários que nos tocam de imediato. A paleta é crua com cores chapadas sem nenhuma conotação simbólica ou psicológica. O vermelho é vermelho, o amarelo, amarelo; suas relações atuam mais por contraste do que por fusão. O preto traz luz própria, ilumina de dentro seus cenários – algo que vem da xilogravura e do Manet”.

A exposição ficará aberta ao público até dia 16 de julho, sábado. Nesse período haverá uma conversa com a artista e o curador em data a ser anunciada.

SERVIÇO
Vânia Mignon
texto crítico de Luiz Camillo Osorio
Abertura: 15 de junho de 2016 | 19h > 22h
Período de exposição: 16 de junho a 16 de julho de 2016
2ª a 6ª 11h > 19h | sábado 15h > 19h
Endereço: Rua João Borges 86 | gávea | rio de janeiro | 22451-100
Tel: 55 21 2294 4305

Veja também:

Márcio Pannunzio – Xilogravuras

 

Não foi possível salvar sua inscrição. Por favor, tente novamente.
Sua inscrição foi bem sucedida.

Você quer receber informações sobre cultura, eventos e mercado de arte?

Selecione abaixo o perfil que você mais se identifica.

Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários