Como o Netflix ganha tanto dinheiro?

0
916
Photo de Pascal Le Segretain/Getty

Para fazermos algumas contas, vamos  pegar alguns programas já produzidos e seus orçamentos.

A Netflix produziu uma série de novos conteúdos no passado – Season 2 de Reasons Why, 5 ª temporada de Arrested Development e quatro especiais de stand-up entre muitos. Este ano, eles planejam gastar US $ 8 bilhões em conteúdo.

US $ 8 bilhões é muito dinheiro. Para onde tudo isso vai?

Bem, acontece que os programas de sucesso não são baratos, vamos dar uma olhada:

Estas são quantias não são pequenas. Será que realmente valem a pena?

A primeira temporada de Stranger Things custou US $ 50 milhões. Com a Netflix cobrando cerca de US $ 100/ano por assinante, seria necessário ter 500.000 inscrições pagar os custos. Como 14 milhões de pessoas acessaram o Stranger Things em seu primeiro mês, é bem plausível que pelo menos 5% delas seja composta de novos usuários que assinaram para ver o programa. Não só isso, mas uma grande parte dos fãs da primeira temporada renovaria sua assinatura para ver a segunda temporada . No final das contas para a Netflix valeu muito mais do que $ 50 milhões.
A matemática funciona bem neste único caso de um dos shows mais bem sucedidos da Netflix. Mas os números funcionam no geral? Veja aqui:

Sim e não. Em 2017, a Netflix registrou um lucro de US $ 500 milhões. Mas eles tiveram que assumir US $ 2 bilhões em dívidas para que isso acontecesse.

……………………………………………………………..

Como é a estrutura da Netflix gera e paga pelo seu conteúdo?

São três categorias de conteúdo:

Licenciado, segundo turno

Licenciado, original

Auto-produzido, original

De 2007 a 2013, sua biblioteca de streaming consistia unicamente em conteúdo licenciado: filmes e programas que foram lançados ha algum tempo, mas ainda com algum apelo – Friends, The Office.
Com o lançamento do House of Cards em 2013, a Netflix começou a explorar conteúdo original licenciado – “Netflix Originals” que são produzidos e possuídos por outros estúdios, mas com a Netflix tendo direitos exclusivos de distribuição de primeira execução.

Quando se tornou bem-sucedido, eles se empenharam em começar a auto-produção de conteúdo original – fazendo uma integração vertical completa, onde a Netflix se tornou a proprietária de tudo, desde a produção até o lançamento e além. Tudo começou com o lançamento de Stranger Things em 2016.

Cada uma dessas categorias gera uma economia diferente para a Netflix. Investigando isso, podemos ver porque a empresa consumiu tanto dinheiro.

Em um contrato típico de licenciamento de segunda geração, a Netflix paga uma taxa anual em troca de uma coleção de filmes ou programas. Em 2010, eles assinaram um contrato de US $ 200 milhões por ano para adquirir uma biblioteca de cerca de 2.000 filmes da Paramount, Lionsgate e MGM. A Netflix continuará tendo estes conteúdos ativos a qualquer momento, totalizando uma parcela significativa dos gastos.

Ofertas de produções originais licenciadas muitas vezes vêm com a concorrência de redes tradicionais. A Netflix teve que competir com a HBO e AMC, entre outros, por House of Cards, e ganhou não apenas no preço (US $ 3-4 M por episódio), mas também por fazer um compromisso de duas temporadas, sem mesmo vendo um piloto para continuar . Ao contrário do que amplamente divulgada de que “os dados podem ler nossas mentes agora”, essa aposta não se baseou muito nos dados de audiência.

Outros acordos originais licenciados podem ser bem fora do convencional e diferente do arranjo que as redes tradicionais considerariam comum.

O contrato de US $ 200 milhões da Netflix com a Marvel por 60 episódios distribuídos por 4 shows e uma minissérie crossover é um desses exemplos. A parceria foi inédita não pelo seu preço – muito longe dos agentes da Marvel de S.H.I.E.L.D. com seu piloto de US $ 14 milhões – mas porque deu à Marvel a licença criativa para desenvolver cinco programas interconectados, algo difícil de conseguir com redes tradicionais.

Originais auto-produzidos podem ser diferentes ainda. Houve uma série de acordos com produtores individuais, atores e roteiristas para produzir conteúdo exclusivamente para a Netflix, mais notavelmente o contrato de cinco anos de US $ 300 milhões do produtor Ryan Murphy, o maior acordo de produção na história da TV. Uma colaboração bem-sucedida com a Netflix é, muitas vezes, o motivo das vendas desses acordos – Shawn Levy, o produtor de Stranger Things que originalmente lançou o programa, assinou recentemente um contrato de quatro anos para desenvolver projetos de TV exclusivamente para a Netflix.

Quando se trata de filmes, a Netflix se envolve em todas as partes da linha do tempo, pegando filmes como Bright por US $ 90 milhões em pré-produção, e outros após exibições em festivais de filmes – Beasts of No Nation, US $ 12M.

A economia por trás dos filmes é muito diferente da TV e torna a proposta da Netflix interessante para os estúdios. Um filme normalmente é adquirido por um distribuidor (por exemplo, a Fox Searchlight) por uma quantia fixa, que o licencia para cinemas em primeira instância, a partir do qual o filme recebe uma parte da receita de bilheteria, conhecida como “backend”. O pagamento antecipado do distribuidor geralmente cobre os custos de produção e algum dinheiro para o estúdio, mas é o back-end que dá ao filme uma chance de ganhar muito dinheiro.

Hollywood é governada por retornos da lei do poder – algo em torno de 50% dos filmes acabam perdendo, com os 6% dos principais filmes respondendo por metade de todos os lucros do filme, e a maioria deles vem do backend. As generosas aquisições da Netflix – 200% do orçamento do filme para Beasts of No Nation – trazem para a mesa lucro garantido e um pagamento antecipado, mas não vêm com o bilhete de loteria backend, um fator decisivo para alguns.

Como esses diferentes modelos afetam o saldo bancário da Netflix?

O conteúdo licenciado de segunda geração, para a Netflix, é como fazer um leasing um carro – você não precisa pagar uma tonelada de dinheiro adiantado, mas sim pagar um pouco a cada ano para continuar usando-o. A desvantagem é que nunca é realmente seu, portanto, você precisa usá-la com cuidado. No caso da Netflix, isso geralmente significa não conseguir mostrar algum conteúdo fora dos EUA.

O conteúdo original é mais como comprar um carro – você paga muito na frente, talvez emprestando um pouco dos seus pais, mas o carro é seu. Você pode levá-lo a qualquer lugar, e pode usá-lo por quanto tempo quiser, sem nenhum custo extra.

A Netflix está querendo que 50% de sua biblioteca de conteúdo seja original, com um custo inicial de muitos bilhões de dólares. Isso não é muito preocupante – muitos projetos que valem a pena têm o modelo de “alto custo inicial com utilidade barata e duradoura” – fábricas, ferrovias, habitação por exemplo. Para explicar isso, existem duas maneiras diferentes de considerar “quanto dinheiro uma empresa tem”: lucro líquido e fluxo de caixa livre.

Ao reportar o lucro, as empresas podem amortizar  seus grandes investimentos iniciais para refletir que seu pagamento será feito por um período de muitos anos. Com o no exemplo acima, em Stranger Things, a Netflix pode amortizar o custo da seguinte forma:

Ano 1: 50% – US $ 25 milhões
Ano 2: 30% – US $ 15 milhões
Ano 3: 10% – US $ 5 milhões
Ano 4: 10% – US $ 5 milhões

Isso seria baseado no fato de que a empresa espera colher 50% do valor da Stranger Things em seu primeiro ano, 30% em seu segundo ano e assim por diante.
O fluxo de caixa, de  “dinheiro recebido menos o dinheiro gasto” revela que a Netflix está atualmente gastando muito mais do que ganha, financiada por grandes empréstimos.

Isso vale considerando que a economia é executada em grande parte porque as pessoas podem gastar o dinheiro que não têm, mas a questão é saber se os investimentos da Netflix ajudarão a crescer o suficiente para liquidar suas dívidas mais adiante.

 

Texto original de Taimur. Ele possui Licenciatura em Matemática e Estatística em Oxford.

Artigo anteriorJunya Ishigami e a Fondation Cartier em Paris
Próximo artigoÀs avessas de Ana Dias Batista
Estudou cinema na NTFS( UK), Administração de Empresas na FGV e Química na USP. Trabalhou com fotografia, cinema autoral e publicitário em Londres nos anos 90 e no Brasil desde então. Sua formação lhe conferiu entre muitas qualidades, uma expertise em estética da imagem, habilidade na administração de conteúdo e pessoas e conhecimento profundo sobre materiais. Por muito tempo Paulo participou do cenário da produção artística em Londres, Paris e Hamburgo de onde veio a inspiração para iniciar o Arteref no Brasil: Um local para unir pessoas com um mesmo interesse, a arte contemporânea. Faz o contato e organiza encontros com os curadores, artistas e colecionadores que representam o conteúdo do qual falamos no Arte Ref

Comente:

Please enter your comment!
Please enter your name here